02 maio 2017

Novidade da Netflix, ‘Her’ é um poético retrato das relações contemporâneas

Joaquin Phoenix é Theodore em Her (2013). Crédito: Reprodução Internet

Claro que é legal saber que Moonlight: sob a luz do luar, o filme vencedor do Oscar 2017 chega à televisão tão rápido. O longa que foi o protagonista do maior mico na cerimônia das estatuetas estreia no fim do mês na Netflix.

Com todo respeito, não é essa a notícia que mais me empolga na lista das novidades de maio mas sim a chegada de Her (Ela) à plataforma de streaming. Dirigido por Spike Jonze o filme é de 2013. Recebeu indicações ao Oscar daquele ano e, como esperado, faturou somente o prêmio de melhor roteiro. Prêmio justo, justíssimo.

Her é um dos poucos filmes contemporâneo a dar conta de todas as transformações que as tecnologias mobilizam em nossas vidas. É poético ao retratar a solidão em tempos de hiperconectividade. Todos os nossos paradoxos estão lá: ao mesmo tempo em que estamos conectados a quem desejar, a hora que desejamos e, como desejamos, parecemos viver uma grande ilusão. Não adianta o homem se afastar daquilo que é humano. Nunca será totalmente verdade, apenas representações.

Bom, todas essas são divagações que faço desde que vi Ela pela primeira vez. Lá se vão quatro anos e a história de amor entre Theodore (Joaquin Phoenix) e Samantha (Scarlett Johansson) continua reverberando. E de que trata o filme?

Crédito: Warner Bros. Pictures release.

Ele vive no ano 2000 e tanto. É cercado de pessoas que convivem melhor com as máquinas do que com gente. Theodore também é assim. Tanto que resolve “comprar” uma amiga virtual, Samantha, que logo se transforma em grande amor. Spike Jonze nos envolve na história deles. Como não acreditar naquele amor?

Um detalhe curioso é que Scarlett Johansson não aparece em nenhuma cena do filme. Nem por isso deixamos de acreditar na presença de Samantha como mulher e não apenas computador. Ela, na verdade, não passa de uma representação, um algoritmo criado à medida para fazer Theodore se sentir pleno. Que papel será as redes sociais tem na nossa vida hoje? Preencher vazios?

Pelo visto, entra ano, sai ano e Her continua estimulando mais perguntas em mim do que constatações. Acho isso bom sinal!

Outros olhares sobre Her

Compartilho com você algumas leituras alternativas sobre o filme de Spike Jonze. A escolha foi por veículos menos tradicionais. Luiza Franco faz uma reflexão psicológica sobre o filme. Para ela, Her é uma reflexão sobre ilusão. “Acredito que a mensagem principal do filme foi a ilusão. A capacidade do ser humano acreditar naquilo que quer acreditar e viver como se aquilo fosse verdade. Viver uma ilusão leva à felicidade, mas toda ilusão pode acabar de uma hora para outra, e o que sobra? Apenas o que é real.”

Lucas Bandos faz uma interessante aproximação entre a história narrada por Jonze e o pensamento de Gilles Lipovetsky. O negócio do texto de Bandos é falar sobre o “individualismo responsável”.

Her é um filme que não apenas permite aproximações e interpretações diversas como tem se mostrado imune ao passar do tempo. Recomendadíssimo!

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

“Madrigal para um poeta vivo”: encontro com o existencialismo mediado pelo cinema

O paulista Francisco Pinto Campos Neto atingiu um novo patamar de notoriedade recentemente quando foi personagem em uma matéria de televisão sobre o fato de ser escritor e coveiro. A participação no programa fora apenas uma tentativa de divulgar “As Núpcias do Escorpião”, seu livro de contos lançado em 2013. A verdade é que Tico […]

Leia Mais

Sim, teve surpresa entre os indicados ao Oscar 2018. Confira a lista completa!

Durante o fim de semana, na Mostra de Cinema de Tiradentes, pelo menos dois amigos me perguntaram quais os filmes do Oscar eu já tinha visto. O detalhe curioso é que os indicados só saíram nesta terça (23). Ou seja, a coisa já está tão manjada que antes de sair a lista final já temos […]

Leia Mais

‘Bandeira de Retalhos’: A união fez a força no novo longa do veterano Sérgio Ricardo

Para entender o termo “cinema de mutirão” criado pelo compositor e cineasta Sérgio Ricardo, bastava olhar para o palco no momento da introdução de seu filme “Bandeira de retalhos”, na Mostra de Tiradentes. Uma verdadeira multidão se aglomerou ali. Era apenas metade da equipe do filme. “Afeto” foi uma palavra muito utilizada pelo respeitado artista […]

Leia Mais