fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Soul, filme da Pixar, provoca reflexão sobre propósito e o viver a vida

Longa foi lançado na plataforma Disney+ e mostra como aproveitar o caminho é tão importante quanto chegar no objetivo final

Por Jaiane Souza *

15/01/2021 às 08:40 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Foto: Disney+ / Divulgação

Pare pra pensar por cinco segundos. Você com certeza já se perguntou qual é o seu propósito ou a sua missão na vida. Além disso, o que te move e te faz feliz? Esses questionamentos constantemente nos cercam e são ponto central na animação Soul, filme da Pixar lançado pela Disney na plataforma de streaming Disney+. O longa emociona ao tratar com delicadeza e profundidade de temáticas tão sensíveis e pouco palpáveis.

Dirigido por Pete Docter (Up e Divertidamente) e Kemp Powers (roteiro em Star Trek: Discovery), Soul narra a história de Joe Gardner (Jamie Foxx), o primeiro personagem negro da Pixar. Ele é um professor de música e pianista apaixonado por jazz que sonha em ser um grande músico e viver da arte. Depois de uma audição, quando finalmente consegue a oportunidade de tocar com uma das maiores artistas de Nova York, ele sai saltitante, se fere e vai para outra dimensão. É uma espécie de coma. A partir daí, embarca em uma jornada para fazer a própria alma se conectar novamente com o corpo. Fica aqui de antemão que não tem nada de religioso ou espiritual, mas sim uma experiência profunda e a exploração de questões metafísicas para a construção da narrativa. 

Filme para criança?

No momento pós-vida no qual Joe se encontra, está em uma esteira em direção ao “grande além”, a famosa luz no fim do túnel. Quando percebe que é a hora da “passagem” ele foge e cai no “grande antes”, o local anterior à vida. Lá, as almas adquirem a personalidade, encontram o propósito e vão finalmente para a Terra. Nesse ponto, a gente se pergunta se realmente se trata de um filme para o público infantil. Entretanto, o poder da animação oferece camadas para todos os públicos. Ao mesmo tempo em que tem piadas simples, sutis e trocadilhos, há a angústia de Joe em querer voltar para o seu corpo e realizar o grande sonho da sua vida a todo custo. Ou seja, a sua missão de ser um músico aclamado depois de tantos anos lutando. 

A sensibilidade do filme se torna ainda mais evidente quando Joe fica responsável por ajudar a personagem 22 a encontrar a sua personalidade/missão para finalmente ir para Terra. Acontece que ela já resistiu a Carl Jung, Madre Teresa de Calcutá e até Mohamed Ali para não passar para a próxima fase. De jeito nenhum quer viver em pele e osso. Dessa forma, juntos, eles começam a procurar uma saída para o retorno de Joe. Entretanto,  a dupla dinâmica só mostra o quão importante é viver a vida e os pequenos detalhes de verdade. Sobre como admirar o céu, sentir o vento no rosto e viver o momento pode fazer diferença. 

Temática da morte

As últimas produções da Pixar têm a morte como tema recorrente, como Viva, a vida é uma festa (2017) e Dois irmãos: uma jornada fantástica (2020). Assim como esses, Soul começa na superfície, no corriqueiro, e vai se aprofundando. Mesmo que o longa não fale diretamente de morte, o tema está sempre presente permeada por uma estética e ambientação conflitantes. Enquanto em Nova York, cidade de Joe, é tudo caótico, a dimensão das almas é clean, minimalista e calma. 

Em resumo, assim como os filmes anteriores da Disney Pixar, Soul impressiona pela técnica e pelos efeitos visuais. Não podemos, claro, deixar de citar a trilha sonora incrível, já que é um filme no qual o protagonista é apaixonado por música. 

Mensagens

É claro que o final feliz fecha o filme com chave de ouro. Mas o sabor está no meio e essa é justamente a principal mensagem de Soul. Além de viver a jornada nos detalhes e no momento presente. Outro recado fundamental é a importância de acreditar nos sonhos. Sim, da forma mais clichês mesmo. Muitos altos e baixos atravessam o caminho. Só que tudo isso é importante no processo de amadurecimento e até mesmo de autoconhecimento. É sempre bom se dar uma segunda chance. 

 

soul

Foto: Disney+ / Divulgação

photo

Filmes de suspense para ver no streaming

Esse tempo todo em casa pede um longa com mais emoção, você concorda? Eis que me aventurei nos filmes de suspense. Desde o clichê assassino que aparece do nada até as tramas complexas e cheias de plot twists. O objetivo é sentir o coração bater mais forte e ficar completamente envolvida. E se você está […]

LEIA MAIS
photo

Cinco autores cujas obras entraram em domínio público em 2021

Toda vez que um artista morre, 70 anos depois, contados a partir de primeiro de janeiro do ano seguinte à morte, a obra cai em domínio público. Ou seja, pode ser distribuída, reproduzida, traduzida, adaptada ou publicada sem a necessidade de autorização. No caso da literatura não é diferente, as editoras, por exemplo, podem criar […]

LEIA MAIS
photo

Por que o grupo Os Barões da Pisadinha faz tanto sucesso no Brasil inteiro?

A música Recairei, dos Barões da Pisadinha ficou no topo das mais tocadas na virada do ano na plataforma Deezer. Seguida por outros hits como Blinding Lights, de The Weeknd, Basta você me ligar, também dos Barões e Você tem meu WhatsApp, de Tarcísio do Acordeon, a faixa ajudou a colocar ainda mais em evidência […]

LEIA MAIS