Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Inhotim: cinco motivos para conferir as novas exposições de 2021

Instituto Inhotim inaugura duas obras do programa de comissionamentos e abre exposição inédita com trabalhos de artista polonesa
Inhotim. Foto: Carol Braga/Culturadoria

Inhotim sempre teve ares de oásis. Se antes já era assim, já que está instalado no meio de uma região mineradora, agora essa vocação parece ter se potencializado. É um paradoxo, mas dá uma sensação de segurança caminhar ao ar livre por lá, cercado de uma natureza cada vez mais exuberante.

Outra boa notícia para você que já esteve em Inhotim muitas vezes são as novidades artísticas. Foram inauguradas, no dia 28 de agosto, três exposições inéditas. Duas delas são fruto de um programa chamado Comissionamentos. Os trabalhos foram elaborados especialmente para o Instituto, por artistas convidados e que, antes de criar, estabeleceram algum tipo de relacionamento com a região. Isso é muito importante!

Estivemos por lá e, sendo assim, reunimos aqui algumas razões para você planejar uma visita. 

Especulação imobiliária na arte 

Chama-se PROPAGANDA, o conjunto de três obras em grande formato criadas por Lucia Koch para o programa Comissionamentos Inhotim. Há mais de 20 anos ela tem um trabalho artístico baseado em fotografias do interior de caixas vazias. Quando recebeu o convite para participar do projeto, Lucia ficou impressionada com a quantidade de propaganda em Brumadinho.

Grande parte, segundo ela, era ocupada por anúncios de imóveis. Em resumo: um boom gerado pela reconstrução da região após a tragédia do rompimento da barragem em 2019. Claro que isso tocou a artista. Mais que isso, virou inspiração e também posicionamento. Além das obras de arte estarem em Inhotim, o instituto alugou outdoors na cidade de Brumadinho. As placas recebem as mesmas imagens que estão dentro do parque. Aquela coisa, se Maomé não vai à montanha…

Objetos inusitados

Nas três fotografias ampliadas para o tamanho de outdoor, Lucia conseguiu resultados surpreendentes a partir de coisas cotidianas. Por exemplo, o outdoor que está logo na entrada da galeria parece a entrada de uma mina mas, na verdade, é um saco de carvão. Já o outdoor tríptico tem imagens feitas do interior de queijeiras. 

O terceiro – que fica estrategicamente instalado no meio de um dos lagos do parque – é uma foto de uma caixa de cogumelos. É curioso observar como parece que tem um recorte, que o verde da imagem é o de Inhotim, mas não. A artista fez as fotos na varanda dela, em São Paulo. Detalhe: ela pesquisou bastante o tom de verde de Inhotim para conseguir a mesma tonalidade.

Cores primárias

Também convidado pelo programa Comissionamentos Inhotim, Rommulo Vieira Conceição investiu pesado em cores primárias e superfícies brilhantes. Tudo isso dá ainda mais sentido à obra O espaço físico pode ser um lugar abstrato, complexo e em construção

Assim como Lúcia, Rommulo passou um tempo pesquisando em Minas Gerais. Criou um tamanho em grande escala. Sendo assim, o bacana é caminhar por entre a estrutura colorida. Colocando reparo, você percebe que ali tem muitos símbolos que remetem a templos religiosos. Tem referência às escolas também. 

Deslocamentos

A obra que Rommulo Vieira Conceição criou sob encomenda para Inhotim, segundo ele, vai acabar tornando uma série. Já tem um tempo que o artista se interessa em gerar deslocamentos no público visitante. Segundo ele, a poética do trabalho está justamente na reflexão entre espaço e lugar. “A coisa é embaralhar esse lugar para ver como a gente se comporta dentro dele”. Ou seja, em meio a referências de arquiteturas religiosas, encontramos carteiras escolares, grades. O que será que o artista está querendo nos dizer? Ou melhor, o que será que você vai interpretar a partir dos estímulos que ele te oferece bem no meio do jardim Sombra e Água Fresca em Inhotim?

Claro e Escuro

A terceira exposição inédita de Inhotim é uma mostra com trabalhos da artista polonesa Aleksandra Mir. São desenhos em grandes formatos que fazem parte do acervo do museu. A série se chama Mediterranean. Foi feita em 2007 e comprada pelo Instituto em 2008. Nela, Mir questiona, por exemplo, “as forças sociopolíticas que moldam as identidades nacionais”. Preste atenção na forma como ela lida artisticamente com o traço. Usa uma espécie de canetinha e quando a tinta acaba isso fica registrado. Dessa maneira, dá para viajar bastante pensando no conceito de força e na tinta que acaba, né? 

[O QUE] Inaugurações no Inhotim. Novas obras de Lucia Koch e Rommulo Vieira Conceição e mostra Entre Terras, de Aleksandra Mir.

[ONDE] Local: Galeria Praça

[QUANDO] ]Visitação de quinta a sexta-feira, das 9h30 às 16h30; e aos sábados, domingos e feriados, das 9h30 às 17h30

[QUANTO] R$ 22 (meia) e R$ 44 (inteira) no Sympla. Entrada gratuita na última sexta-feira de cada mês, exceto feriados, mediante retirada prévia através do Sympla. Moradores de Brumadinho cadastrados no programa Nosso Inhotim e Amigos do Inhotim também possuem entrada franca.

Inhotim. Foto: Carol Braga/Culturadoria

Ou seja: visite Inhotimem resumo, é imperdível

[ COMENTÁRIOS ]

[ NEWSLETTER ]

Fique por dentro de tudo que acontece no cinema, teatro, tv, música e streaming!