fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

As curiosidades do figurino de “O frenético Dancin’ Days”

Criação do estilista Fernando Cozendey foi toda feita em lycra a partir de uma intensa pesquisa sobre a década de 1970

Por Carol Braga

08/07/2019 às 08:04

Publicidade - Portal UAI
Foto: Leo Aversa

Seria uma tarde comum se, no meio dela, o telefone do estúdio de Fernando Cozendey não tivesse tocado com um convite inusitado. “Recebi uma ligação da própria Deborah Colker dizendo que estava fazendo o projeto do Dancin’ Days e convidando para uma reunião”, conta o estilista e figurinista carioca. Primeiro, ele assustou, mas de pronto aceitou. O resultado dessa parceria é um dos destaques da montagem que chega ao Sesc Palladium nos dias 12 e 13 de julho.

O frenético Dancin’ Days é um musical que conta a história da boate que funcionou apenas durante quatro meses no Rio de Janeiro na década de 1970. É a primeira direção de Deborah Colker para este gênero assim como também a estreia de Cozendey na elaboração de figurinos para teatro. O texto da montagem é de Nelson Motta que, aliás, praticamente conta a própria história. Foi dele a ideia da criação da boate.

Confira aqui a crítica do espetáculo após a sessão no Festival de Curitiba

Criação

Fernando Cozenday tem 30 anos. Sendo assim, o que conheceu sobre Dancin’ Days ou sobre As Frenéticas, o grupo musical que surgiu por lá, ouviu dos pais. “Aí tive o desafio de pesquisar mais sobre isso já que não vivi a cena que marcou a era da disco music do Rio”, conta. Foi só sair da reunião com a diretora que Fernando começou a pesquisar.

De posse do roteiro do musical, começou a criar as cenas. Apoiado por uma equipe de 12 pessoas, entre costureiras e modeladoras, elaborou 110 peças diferentes. Tudo sob medida para os atores. Fernando Cozenday é conhecido por trabalhar com Lycra. Praticamente tudo o que ele faz tem o tecido. “Acho que foi até por isso que a Deborah me chamou”, diz.

 

Continua após a publicidade...

 

Dessa maneira, a Lycra norteou toda a pesquisa. Até camisas e calças sociais foram feitas com o tecido. “Sempre gostei dessa relação do corpo justo. Faz parte do meu DNA como criador”, revela. A pesquisa incluiu também um estudo de cores. Em geral, as dos personagens são bem marcantes dos personagens que estão diretamente ligados à rotina da boate.

Cozenday buscou fotos históricas de Nelson Motta, Scarlett O’Hara, Djalma e outros personagens para criar algo que tivesse a ver com a “vibe” deles. “Para saber quais os tons cairiam bem de acordo com a personalidade de cada um”, conta. O mesmo, obviamente, serviu para as Frenéticas. Inclusive, um dos macacões que as atrizes usam na peça, reproduz um modelo original.

 

Foto: Leo Aversa/Divulgação

 

Anos 70 e resistência

De acordo com Fernando Cozenday, os anos 1970 foram marcados por diversos rompimentos relacionados aos comportamentos e vestuário. Na criação do figurino, o tempo todo ele se perguntou que tipo de quebra, de modernidade poderia gerar também em 2018. Por isso, apostou nas cores, mistura de formas.

“Não quis fazer um figurino literal”, diz. Sendo assim, ao invés de propor o uso de meias de lurex, Fernando usou lycra metálica. “Minha ideia era fazer com que esse figurino chamativo, psicodélico, divertido também rompesse com vários padrões estéticos de hoje”.

Outra preocupação foi em relação ao conforto dos atores. Como se trata de um musical dirigido por Deborah Colker, você já pode imaginar a intensidade dos movimentos, né? Por isso a escolha de modelitos que aceitassem movimentos bruscos, que não rasgassem com facilidade e que pudessem se trocados com velocidade. Sim, são muitas trocas de roupa ao longo dos 120 minutos de espetáculo.

Quando lembra do período em que se dedicou para a criação dos figurinos para O Frenético Dancin’ Days, Fernando Cozenday pensa no volume de trabalho e também na sensação que teve ao ver tudo pronto. “Chorei muito. É muito emocionante ver toda a sua ideia ali concretizada em movimento. Uma peça de roupa sem alguém dentro não é nada”.

Culturadoria apoia a temporada de “O frenético Dancin’ Days” em BH.

Serviço

[O QUE] Espetáculo O frenético Dancin’Days [QUANDO] 12 e 13 de Julho, às 21h [ONDE] Grande Teatro do Sesc Palladium (Rua Rio de Janeiro, 1046, Centro, Belo Horizonte, (31) 3270-8100) [QUANTO] Plateia I: R$ 65,00 (meia) e R$ 130,00 (inteira); Plateia II: R$ 50 (meia) e R$ 100,00 (inteira); Plateia III: R$ 37,50 (meia) e R$ 75,00 (inteira)

[COMPRE AQUI]

photo

As impressões sobre ‘Macunaíma: uma rapsódia musical’

Me perguntaram pelo Instagram o que eu achei da peça Macunaíma: uma rapsódia musical, em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil. Embora pareça simples, é uma questão complexa de sintetizar. Mesmo assim, tentei ser direta: “Ei! Achei a peça bem difícil! Tem uma ostentação cênica que acabou me afastando da narrativa. Óbvio que tudo […]

LEIA MAIS
photo

Casa do Saber perde mais de mil livros em ação da Prefeitura

Muitas vezes é até difícil compreender porque a arte é tão atacada. Sabemos que quem tem uma convivência maior com a literatura, o teatro, a música e o cinema tem um modo muito mais crítico para o viver. Mesmo assim, por que isso ameaça tanto? A questão vem à mente quando recebo a notícia que […]

LEIA MAIS
photo

Diálogo crítico sobre a peça ‘O Imortal’

É interesse do Culturadoria fomentar não apenas o olhar crítico para os espetáculos teatrais mas também buscar um diálogo entre quem expõe suas impressões e quem participa ativamente da criação da montagem. Nesse sentido, com menos frequência do que gostaríamos, lançamos o projeto da Crítica em diálogo. Basicamente ele consiste em enviar para a equipe […]

LEIA MAIS