fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

5 motivos para ver a mostra de Almodóvar no Cine Humberto Mauro

Mostra no Cine Humberto Mauro, com entrada franca, exibe 19 produções dirigidas pelo cineasta espanhol Pedro Almodóvar

Por Jaiane Souza *

03/07/2019 às 11:44 | * Escreveu com a supervisão de Carolina Braga

Publicidade - Portal UAI
Pedro Almodóvar. Foto: Aaron Poole / ©A.M.P.A.S.

Até o dia 18 de julho, o Cine Humberto Mauro recebe a Mostra Almodóvar. Ela reúne 19 obras do cineasta espanhol e só deixa de fora os sete curtas-metragens do começo da carreira  e os longas Os Amantes Passageiros (2013) e Dor e Glória (2019). Este último que estreou no em junho no Brasil. 

Antes de ser cineasta, ator e criador dos argumentos dos próprios filmes, Almodóvar nunca pôde estudar cinema. Isso porque a família não tinha condições para para arcar com as despesas do estudante. Entretanto, antes de se tornar um cineasta renomado, ele foi funcionário de uma companhia telefônica e cantor de uma banda de rock. Um detalhe curioso: sempre cantava travestido. Almodóvar também fez quadrinhos. 

A Mostra Almodóvar passeia por diversas fases do diretor. Entre os destaques do fim de semana, por exemplo, estão filmes como Carne trêmula (1997), no sábado. No domingo, quem animar uma rodada dupla vai ver dois clássicos. Às 18h tem Áta-me!, (1986) e às 20h, Tudo Sobre Minha Mãe (1999). Confira a programação completa aqui.

Para te dar mais motivos para assistir a mostra em cartaz no Cine Humberto Mauro, nós separamos cinco curiosidades sobre a vida e obra de Pedro Almodóvar para aguçar ainda mais a sua curiosidade. Confira!

Leia aqui a crítica de Carol Braga sobre Dor e Glória

 

1- Inúmeras premiações

Antes de entrar no cinema comercial, como a maioria dos diretores se arrisca, Almodóvar produziu vários curtas metragens autorais. Entre eles Salomé, o único que foi lançado no Brasil e em Portugal. 

Em seguida, quando entrou para o circuito comercial, se tornou um dos realizadores mais premiados da história do cinema. Almodóvar venceu dois Oscar e dois Globo de Ouro, quatro BAFTA, quatro prêmios no Festival de Cannes e seis prêmios Goya. Este último que é a premiação máxima do cinema espanhol. Em Cannes, por exemplo, o filme Dor e Glória, o mais novo dele, ganhou o prêmio de Melhor Ator para Antonio Banderas. 

A parceria entre os dois não é recente, ela vem desde 1986 com o longa Matador. Depois vieram Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos (1988), Ata-me! (1990), A Pele Que Habito (2011), Os Amantes Passageiros (2013). 

 

Distribuição: Fox Film do Brasil

 

2- Único diretor espanhol a ser indicado ao Oscar

Já que falamos de premiação, essa curiosidade mostra ainda mais como Almodóvar é importante para a história do cinema. O filme Mulheres à beira de um ataque de nervos deu sucesso internacional a ele. O longa foi indicado como Melhor Filme Estrangeiro em diversas premiações. São elas Globo de Ouro, Oscar, National Board of Review e New York Film Critics Awards. No Oscar, a categoria indicada, curiosamente, foi a de Melhor Diretor. 

3- Representatividade nos filmes

Quem comparecer no Cine Humberto Mauro até o dia 18 vai tirar a prova. As montagens de Almodóvar, além de dar muito destaque às mulheres, também dá visibilidade para o público LGBTQI+. Não poderia deixar de ser assim, já que o diretor é gay e jamais escondeu isso em suas obras.

4- Inaugurou uma exposição de pinturas

Nem só de filme viverá o cineasta! Se não bastasse todas as suas produções que fizeram sucesso mundialmente, os 69 anos, Almodóvar inaugurou a exposição “Flores da Periferia”. Ela está no centro Andaluz de la Fotografia (CAF). A mostra traz 25 obras que ele desenvolveu durante cinco meses junto com o artista Jorge Galindo. A partir de fotos de flores e natureza morta foram criadas telas coloridas. Para isso, foi colocado óleo por cima das imagens. Isso faz todo o sentido, principalmente depois da ode ao poder da arte que faz em Dor e Glória. 

5- Relatos Selvagens

Além de diretor, Pedro Almodóvar, sempre em parceria com o irmão, Agustín, produzem filmes em língua espanhola. Lançado em 2014, o filme Relatos Selvagens, de Damián Szifron. Lançado em 2014, conta seis histórias diferentes. Os personagens ficam sempre em cima do muro. De um lado, está a civilização, do outro a barbárie. São seis histórias de vingança que deixa o público rindo de nervoso com tanta gente à beira de perder o controle. 

Mas o que esse filme tem a ver com as curiosidade sobre Pedro Almodóvar? 

Acontece que Pedro e Agustín Almodóvar são donos da produtora El Deseo. Essa foi a produtora responsável por Relatos Selvagens e, por isso, o cineasta espanhol está creditado no longa. 

Então, foi motivo suficiente para prestigiar a Mostra Almodóvar? Confira a programação completa aqui. Como a entrada para os filmes é gratuita, basta chegar, retirar seu ingresso e curtir. 

photo

Impressões sobre ‘Dor e glória’, novo filme de Pedro Almodóvar

Dor e Glória, o novo trabalho de Pedro Almodóvar, é daqueles que crescem na memória da gente à medida em que o tempo passa. Sabe aquele grande filme que é melhor nem ver de novo? Pois é! Isso vale para o longa protagonizado por Antônio Banderas, com Penélope Cruz, Asier Etxeandia, Leonardo Sbaraglia, Cecilia Roth, […]

LEIA MAIS
photo

Lu e Vitor Cafaggi comentam adaptação de ‘Turma da Mônica -Laços’ para o cinema

A graphic novel mais vendida do país. Bem, este era o “posto” ocupado por Laços, trabalho dos irmãos Lu e Vitor Cafaggi. Aqui cabe o passado pois a história criada pelos roteiristas e desenhistas mineiros foi a escolhida para o primeiro filme em live-action da Turma da Mônica. O que isso significa? Que além do […]

LEIA MAIS
photo

5 lugares para comer fondue em Belo Horizonte 

Em meses de temperatura amena, nada melhor do que comer aquelas comidas quentes e saborosas acompanhadas de um bom vinho. Em BH, o fondue tem conquistado cada vez os belo-horizontino. Criado na Suíça, essa iguaria tem uma história bem interessante. De acordo com alguns registros, esse alimento era uma comida da elite, pois era feito […]

LEIA MAIS