fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Hebe: uma cinebiografia que promete, mas não cumpre

Filme dirigido por Maurício Farias tem Andrea Beltrão na pele da apresentadora 

Por Carol Braga

04/10/2019 às 11:04

Publicidade - Portal UAI
Foto: Warner Bros / Distribuição

É muito mais fácil escrever sobre um filme quando você gosta do que o contrário. Quando a coisa não bate, o exercício de pensar o que pode ter acontecido para a coisa não fluir, dá mais trabalho e nem sempre é possível explicar. É exatamente o que sinto depois de ver Hebe – a estrela do Brasil. 

Não há dúvidas que o filme é bem feito. O longa dirigido por Maurício Farias alcança a qualidade técnica esperada, mas, mesmo assim, saí da sessão com a sensação de vazio. E nem acho que seja problema de expectativa alta. Enfim, a seguir comentarei sobre alguns pontos em busca de uma explicação para o que senti (ou melhor, não senti) depois de ver Hebe – A estrela do Brasil. Destacarei, primeiro, os pontos positivos para, na sequência, comentar aquilo que, na minha opinião, deixou a desejar. 

Pontos Positivos 

A primeira cena de Hebe – A estrela do Brasil não se passa no famoso sofá da apresentadora, em uma emissora de televisão e nem na casa dela. O cenário é uma repartição pública onde Walter Clark (Danilo Grangheia), executivo da TV Bandeirantes, conversa com Joesley Castro (Fernando Eiras), oficial da censura. O primeiro se justifica com o segundo pelo fato da apresentadora defender, especificamente naquele momento, a causa homossexual. 

Em seguida, quando corta para o estúdio onde ela estava prestes a entrar ao vivo, a câmera invade o camarim. A personagem aparece, então, de costas. A lente se aproxima, capta os trejeitos, o cabelo marcante. As cores da fotografia chamam atenção. O silêncio contribui para a tensão da cena, mas logo dissipa. Aliás, isso ocorre o tempo todo. A trama parece que vai ganhar corpo, e logo recua. 

Ou seja, o filme dirigido por Maurício Farias, começa com um tom assumidamente político. Essa característica perpassa o roteiro, mas não se aprofunda. Morde e assopra. Ao mesmo tempo em que mostra como Hebe era defensora das causas que lhe interessava, superficializa a discussão em torno dos temas polêmicos.

A direção de arte faz uma grande homenagem aos exageros que marcaram os anos 1980. Tanto no que diz respeito aos figurinos – alguns da própria Hebe – como também os ambientes. 

Andrea Beltrão

Em geral, nas cinebiografias os atores escolhidos para protagonistas passam por grandes transformações. Andrea Beltrão é uma excelente atriz, sem dúvida. Sua Hebe tem personalidade, é preciso reconhecer. Porém, neste caso, a cada cena, eu via mais Andrea e menos Hebe. Não consegui encontrar a apresentadora, por mais que buscasse. 

A escolha do roteiro assinado por Carolina Kotscho (Dois filhos de Francisco) é o recorte dos anos 1980, quando Hebe troca a TV Bandeirantes pelo SBT. O contexto político da época era o do início da redemocratização, portanto, o anunciado fim da censura. Sendo assim, ficam até repetitivos os embates em torno disso. 

Em contrapartida, o que Hebe sentia de verdade, as inseguranças, uma parte mais emocional mesmo, perde espaço. Talvez essa seja as cenas extras que ficaram para a série a ser lançada. O mais interessante do filme é são os contrastes que rondaram a vida dela. 

Alerta de Spoiler

Por exemplo, Hebe era uma mulher que vivia um relacionamento abusivo com o marido Lélio (Marco Ricca). Quem passa ou passou coisa parecida, sabe o quanto é difícil lidar com situações que envolvem ciúme e violência contra a mulher. A maior revelação do filme, para mim, foi essa. Detalhe: aparece nos quinze minutos finais. O resto, foi uma repetição clichê de tudo o que a gente já viu a própria Hebe fazer.

photo

Cinema Negro é tema do 20º Festival Internacional de Curtas de BH

O Festcurtas chega à sua 20º edição consolidado não apenas como espaço de exibição, mas, sobretudo, como um evento voltado para a reflexão sobre as relações entre cinema, estética e política. Nesta edição o Festival se volta para o cinema negro. “É hora de mostrar que com o tempo o negro sai de objeto de […]

LEIA MAIS
photo

Filmes (com links!) para maratonar em casa nas férias

Com tantos serviços de streaming disponíveis, as janelas de exibição estão cada vez mais curtas. Isso significa que os filmes que chegam aos cinemas, passam bem rápido pela telona e logo estão disponíveis para você ver em casa. Em 2018 parece que esse movimento se acelerou. A seguir você confere cinco sugestões de longas que […]

LEIA MAIS
photo

Cinco maiores expectativas dos fãs para a estreia de ‘Capitã Marvel’

A contagem regressiva para a estreia de ‘Capitã Marvel’ se aproxima do fim.  No Brasil, a estreia do longa que terá Brie Larson no papel da heroína, será no dia 7 de março. Certamente, fãs de quadrinhos, super heróis e principalmente do UCM (Universo Cinematográfico da Marvel) tem muitas expectativas para o filme. O enredo […]

LEIA MAIS