fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Cinco anos sem Umberto Eco: conheça o legado do escritor

Umberto Eco foi escritor, filósofo, professor e semiólogo. Sua obra é fundamental e ainda reverbera nos dias de hoje.

Por Jaiane Souza *

09/02/2021 às 10:03 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Foto: Cristobal Manuel / NEWSCOM / SIPA

Em 2021 completam-se cinco anos desde a morte de Umberto Eco, intelectual fundamental no mundo inteiro pelas contribuições na literatura, filosofia e academia. A  obra mais difundida, traduzida para mais de 40 idiomas, é O nome da rosa. O livro foi escrito em 1980 e reflete como o autor, especialista em Idade Média, conseguiu falar e se fazer entender por diferentes públicos. Até mesmo por aqueles que não conhecem os detalhes do período histórico. Confira a seguir alguns dos pontos mais importantes da vida e obra de Umberto Eco.

Origem e início da carreira

Nasceu em 5 de janeiro de 1932 em Alexandria, na Itália, e viveu os primeiros anos dentro do regime fascista de Benito Mussolini no país. Aos dez anos, inclusive, foi vencedor de um concurso de redação que trazia como gancho a questão: Devemos morrer pela glória de Mussolini e pelo destino imortal da Itália?. À época, a resposta foi afirmativa, mas, com o fim do governo de Mussolini, em 1943, ele entendeu o verdadeiro significado de liberdade. 

Durante a carreira acadêmica, se dedicou à literatura e à filosofia na Universidade de Turim, tendo a estética medieval e os textos de Tomás de Aquino como base. A partir de 1962, também passou a realizar estudos sobre semiótica e a sua relação com a filosofia e com obras de arte. Um dos resultados desses estudos é o livro Obra aberta (1962). Em resumo, a coletânea de ensaios passa por literatura, artes plásticas e música, discutindo a capacidade de cada obra ser passível de várias interpretações. Por isso, Obra aberta.  

Além disso, lecionou na Universidade de Columbia, Harvard, Yale, Universidade de Toronto, Collège de France e fundou o Departamento de Comunicação da Universidade de San Marino.

Carreira literária

Além de se empenhar na carreira universitária e acadêmica, Umberto Eco colheu bons frutos na literatura. A ficção O nome da rosa foi o pontapé inicial. O romance se passa na Itália medieval, em um mosteiro para o qual um frei vai investigar heresias. Entretanto, crimes e mortes misteriosas mudam o objetivo da investigação. Logo após o lançamento, o livro virou best seller e lançou Umberto Eco internacionalmente como romancista. Assim como outras obras, O nome da rosa é marcado pela ironia característica do autor, narrativa misteriosa, símbolos e codificações. 

Outros sete romances foram publicados. Entre eles, o clássico O pêndulo de Foucault, O cemitério de Praga e O número zero. Esse último lançado em 2015, um ano antes da sua morte. 

Legado

É muito importante falar da produção das personalidades em vida. Entretanto, como ela reverbera na sociedade é igualmente fundamental. Isso porque a memória, o pensamento e discussões nos ajudam a refletir sobre o passado, o presente e o futuro. No caso de Umberto Eco não é diferente. Ele deixou um marco internacional no que diz respeito à semiótica nos estudos da comunicação, filosofia da arte e história da estética. Nesta reportagem do Jornal Nacional, veiculada um dia após a morte de Umberto Eco, personalidades brasileiras também comentaram sobre o legado. Entre elas, Nélida Piñon, Mário Sérgio Cortella e Marcos Vilaça. 

 

Umberto eco

Foto: Umberto eco Leonardo Cendamo / Getty Images

 

photo

A incrível história da Ilha das Rosas: uma utopia baseada em história real

A história de um engenheiro muito do criativo que decide construir uma ilha em “águas internacionais” e declará-la como uma nação independente. Essa é a história do filme A incrível história da Ilha das Rosas, filme italiano disponível na Netflix e dirigido por Sydney Sibilia. Parece loucura, mas trata-se de uma história real retratada com […]

LEIA MAIS
photo

Uma noite em Miami: a brilhante estreia de Regina King na direção

O dispositivo de Uma noite em Miami já é muito interessante. O filme dirigido por Regina King gira em torno de um encontro entre ícones da cultura negra. São eles, o músico  Sam Cooke, interpretado por Leslie Odom Jr, o jogador da NFL Jim Brown, papel de Aldis Hodge, o ativista político Malcolm X, personagem […]

LEIA MAIS
photo

AFRO, primeiro disco de Douglas Felipe, ex-Olodum, celebra ancestralidade e mescla influências

30 anos de estrada, mais de 80 países e trabalhos com grandes nomes como Carlinhos Brown, Olodum, Bjork, Gilberto Gil, Ivete Sangalo, Jorge Ben Jor, Chico Science e Nação Zumbi e muitos outros. Essa é uma parte da carreira de Douglas Felipe, que acaba de lançar o primeiro álbum após contribuir com dezenas de artistas […]

LEIA MAIS