fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Antoine de Saint-Exupéry 120 anos: curiosidades sobre o autor do Pequeno Príncipe

Além de escritor, Saint-Exupéry foi piloto de avião e ilustrador. Por isso, as tramas dos livros sempre tinham a temática da aviação

Por Jaiane Souza *

25/06/2020 às 09:39 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Foto: John Phillips

O dia 29 de junho marca 120 anos de nascimento do escritor francês Antoine de Saint-Exupéry. Ele ficou mundialmente conhecido por escrever O pequeno príncipe, obra que figura entre os livros mais traduzidos do mundo. Foi publicado em mais de 240 idiomas e dialetos. Além de escrever o livro, Saint-Exupéry também fez as clássicas ilustrações originais.

No entanto, Antoine exercia a aviação, tendo servido a força aérea francesa na Segunda Guerra Mundial, por exemplo. Pensando nisso, separamos algumas curiosidades sobre o escritor para homenagear os seus 120 anos de história. Confira! 

Piloto

Em 1921, entrou no serviço militar pelo Segundo Regimento de Aviação de Estrasburgo. A paixão pela aviação vinha desde muito antes, o que fez com que a temática também fosse inserida nas obras literárias, como é o caso dos livros O aviador e Voo Noturno, que retomaremos adiante. Inclusive também fez parte do Pequeno Príncipe, que conta a história de um piloto de avião que cai em um deserto no Saara após um acidente.

Quando se tornou piloto, Antoine de Saint-Exupéry foi uma das pessoas responsáveis pela implementação das rotas de correio aéreo na América do Sul, África e Atlântico Sul. Foi também no ofício de aviador que morreu. Em uma missão pela força aérea da França, no fim da Segunda Guerra Mundial (31 de julho de 1944), ele partiu da ilha da Córsega, para reconhecer o território francês ocupado pelo exército nazista.

Durante o sobrevoo, o avião foi abatido por outro piloto, o alemão Horst Rippert. No entanto, ele só admitiu culpa 64 anos após o ocorrido com arrependimento. Os restos do caça de Saint-Exupéry foram encontrados em 2004 no litoral da Marselha. O corpo nunca foi localizado.

 

Edições originais de livros de Antoine de Saint-Exupéry expostas no Air & Space Museum. Foto: Harry Zilber

Literatura

A carreira literária foi construída paralelamente à carreira de piloto. Isso pode justificar a temática da aviação quase sempre presente nas obras. Além disso, Antoine de Saint-Exupéry também se dedicou ao jornalismo, tendo produzido importantes reportagens em contextos marcantes da história. Só para exemplificar, atuou no Vietnã, em 1934, em Moscou e na Espanha, em 1935 e 1936 respectivamente. 

O primeiro romance, Correio do Sul, foi publicado dois anos depois do ingresso no serviço militar e tem como personagens os aviadores pioneiros que desbravaram e implementaram o correio aéreo. Em seguida, em 1931, foi lançado Voo noturno, obra que fez sucesso ao contar as aventuras de um piloto e de um telegrafista em meio a uma tempestade. A maior reflexão do livro é sobre o amor, a essência humana, a amizade e a solidariedade. Esses últimos temas ficaram mais fortes na narrativa de Antoine de Saint-Exupéry quando passou a atuar como jornalista.

Os demais livros foram O aviador (1926), Terra dos homens (1939), Piloto de guerra (1942), O pequeno príncipe (1943), Carta a um refém (1943/44) e Cidadela (postumamente em 1948). Confira aqui mais informações sobre as outras obras em uma lista feita pelo blog do Estante Virtual.

antoine de saint-exupéry

Cartaz do filme O Pequeno Príncipe (2015). Crédito: Paris Filmes / Divulgação

O Pequeno Príncipe

Narra a história de um piloto de avião que é vítima de um acidente e cai em algum ponto do deserto do Saara. Apressado, precisa consertar o veículo antes que o estoque de água chegue ao fim. No entanto, conhece um menino e se vê envolvido na história cheia de simbolismos para crianças e adultos. 

Uma curiosidade é que o livro foi escrito e publicado nos Estados Unidos quando o autor se exilou em 1940. Isso porque na trégua entre França e Alemanha ele se recusou a fazer parte da Royal Air Force. No Brasil, foi traduzido pela primeira vez em 1952 por Dom Marcos Barbosa, membro da Academia Brasileira de Letras. Entre as inúmeras adaptações para o teatro, televisão, outros formatos literários e cinema, a história do Pequeno Príncipe é um sucesso e diferentes gerações.  

Só para exemplificar, uma das adaptações mais recentes para o cinema foi feita em 2015 e dirigida por Mark Osborne. Só que a narrativa é um pouco diferente: uma menina curiosa vai vai procurar saber como a hélice de um avião fez um buraco no telhado da sua casa. Logo, vira amiga do novo vizinho que a conta a história do Pequeno Príncipe. Disponível na Netflix. 

photo

Conheça projeto literário de BH que reunirá histórias de leitores

As histórias de moradores da capital mineira e as vivências deles nos espaços de leitura serão tema de livro e exposição de três pesquisadoras mineiras. “BH tem um cenário muito plural na literatura. Observando isso, fomos descobrindo que há maneiras distintas de ler e que as pessoas buscam diversos caminhos. Dessa forma, surgiu da ideia de […]

LEIA MAIS
photo

Funkeiros Cults: conheça a página que une a periferia às artes, à filosofia e a questões sociais

Gostar, ao mesmo tempo, de funk, literatura, cinema e filosofia é contraditório? Não! E é com esse objetivo que a página Funkeiros Cults surgiu no Instagram. Dayrel Teixeira, de 21 anos, morador de Morrinho da Compensa, em Manaus, criou o perfil em maio, e já passa de 100 mil seguidores. Em entrevista ao site do […]

LEIA MAIS
photo

Little Fires Everywhere: por que você deveria ver a série disponível na Amazon Prime?

No início de Little Fires Everywhere você tem a impressão de estar vendo uma novelinha bem convencional americana. Bom, ainda bem que é só impressão mesmo, e bem no início. À medida em que a trama avança, todos os problemas estruturais da nossa sociedade vão sendo revelados. Aí descortina-se o mundo hipócrita que vivemos, marcado […]

LEIA MAIS