fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Acústico MTV: cinco shows que marcaram a história do programa

Kid Abelha, Lulu Santos, Arnaldo Antunes e até Tiago Iorc. Confira alguns dos shows que marcaram a trajetória do projeto

Por Jaiane Souza *

21/04/2020 às 10:35 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Foto: Marcos Villas Boas

Instrumentos acústicos e encontros mais intimistas. Eis a combinação de sucesso que marcou a o Acústico MTV. O programa foi inspirado na série MTV Unplugged, uma exibição norte-americana criada em 1989. No Brasil, a iniciativa também começou como um programa de televisão, em 1991, com o grupo Barão Vermelho. Entretanto, acabou se transformando em um selo musical, o que ajudou no boom do mercado musical da época.

O sucesso do formato está ligado ao público. O Canal MTV Brasil foi uma rede de televisão que pertencia ao Grupo Abril. Tendo isso em vista, foi a primeira rede transmitida em sinal aberto que era segmentada para os jovens, sendo uma versão brasileira da MTV dos EUA. Entre altos e baixos, o programa parou de ser produzido em 2013, quando o Grupo Abril interrompeu a gestão do canal. Dessa forma, o último acústico foi o de Arnaldo Antunes. Mas, para a alegria dos fãs do formato, em 2018, a Viacom, empresa que possui os direitos da MTV Brasil, anunciou o retorno do projeto, sendo o primeiro gravado com Tiago Iorc. 

Sendo assim, confira alguns destaques de bandas e artistas que marcaram a história do Acústico MTV. São dezenas de shows icônicos: Titãs, Cássia Eller, Ira!, Capital Inicial e muito mais. Mas aqui vamos citar apenas alguns deles, aqueles que foram pontuais na trajetória do formato. Confira!

Barão Vermelho

Esse foi o primeiro show oficial do programa. Antes dele houve uma versão piloto com Marcelo Nova, em 1990, mas a gravação nunca rendeu um álbum ou foi lançada. Já o grupo, que teve como membros Cazuza, Peninha e Frejat, não lançou de imediato o CD da participação no programa. Apenas em 2006 foi apresentado comercialmente o álbum Acústico MTV – Barão Vermelho. O lançamento fez parte do box de DVD MTV Barão Vermelho

No repertório da apresentação o grupo cantou sucessos antigos como Bete balanço e uma regravação da canção Vale quanto pesa, de Luiz Melodia. Ademais, a maior parte do show foi composta por músicas do disco Na calada da noite, de 1990.

Kid Abelha

Agora vamos dar um salto para 2002. O Acústico MTV – Kid Abelha foi gravado e lançado em CD e DVD no mesmo ano. A apresentação fez um compilado de toda a carreira da banda e incluiu no repertório grandes sucessos como Lágrimas e chuva, Amanhã é 23, No seu lugar e Fixação. Além disso, a banda recebeu como convidados Lenine e Edgard Scandurra, do Ira, e tocou uma regravação da música Quero te encontrar, de Claudinho e Buchecha. A versão foi uma homenagem a Claudinho, que morreu meses antes da gravação do acústico. 

Em se tratando de recepção de crítica e público, o CD foi um sucesso. O disco vendeu mais de um milhão de cópias. A marca só foi atingida pelos Titãs em 1997.

Paulinho da Viola

O Acústico MTV foi interrompido em 2007 e a última apresentação foi de Paulinho da Viola, grande nome do samba carioca e da música popular brasileira. Na época a crítica elogiou a capacidade de Paulinho de reinventar as próprias canções já consagradas e cantadas por todo o Brasil. Só para exemplificar, basta ouvir as músicas Para um amor no Recife, Onde a dor não tem razão e Sinal fechado para entender como as mesmas composições podem ganhar outras versões de si mesmas. Na gravação ele também resgatou sambas antigos do disco Zumbido, de 1979, e inseriu quatro inéditas.  O Acústico MTV por Paulinho da viola foi o vencedor do Grammy Latino na Categoria Melhor Álbum de Samba/Pagode em 2018.

Lulu Santos

A participação de Lulu Santos no Acústico MTV 2010 marcou diversas datas: os 30 anos de carreira solo do cantor, os 20 anos da MTV Brasil, e o retorno do acústico, e os 10 anos do lançamento do primeiro Acústico MTV com Lulu Santos. Neste ponto, o que mudou no programa foi que o lançamento em CD, DVD, Blu-ray, ou outro formato passou a ser responsabilidade da produção do artista e não da emissora.

A segunda participação, diferentemente da primeira, contou com músicas do lado b do artista, ou seja, aquelas que não eram muito conhecidas pela mídia e público. Além disso, três regravações compuseram o repertório: Tuareg (Jorge Ben Jor), Ela falava nisso todo dia (Gilberto Gil) e Odara (Caetano Veloso).

Arnaldo Antunes

Em 2013, a MTV Brasil deixou de ser gerida pelo Grupo Abril e não teve mais transmissão. Dessa forma, o último acústico foi com Arnaldo Antunes. Coincidentemente, de acordo com o próprio artista, o lançamento do CD e DVD correspondeu com os seus 30 anos de carreira. A apresentação versou por toda a carreira de Antunes, passando por A casa é sua, Dentro de um sonho, Até o fim (com Moreno Veloso) e O seu olhar (com Nina Becker). Vale destacar aqui o palco desse show: um verdadeiro carrossel. Os músicos ficaram sentados em círculo e o palco girava ao longo da apresentação. Confira no vídeo ao lado.

Faixa bônus: Tiago Iorc

Depois de sumir do mapa em 2018, Tiago Iorc voltou aos holofotes com um disco inteiro novinho: Reconstrução. Além dos clipes que já estavam nas plataformas digitais, artista também gravou o Acústico MTV, marcando a volta do programa novamente. Isso ocorreu porque A Viacom anunciou que estava retornando com o projeto, e o acústico fez parte da estratégia de divulgação e reposicionamento da MTV no Brasil. Tiago Iorc gravou músicas do novo disco e outros sucessos da sua carreira, como Coisa Linda, Mil Razões e inéditas, como Lôra. Além disso, percorreu algumas cidades do país com a turnê Acústico MTV

lives da semana
Foto: Marcos Hermes/ Divulgação
photo

Cinema na quarentena: Por que Olaf é o melhor personagem de Frozen 2?

Para quem gostou de Frozen 1, a continuação da história das irmãs Elsa e Anna não deixa de ser um balde de água fria. Agora dá para entender o motivo que fez com que a animação fosse esnobada no Oscar 2020. Que roteiro é esse, minha gente? Não merecia mesmo. E vou falar mais: nem […]

LEIA MAIS
photo

Cinco discos para ouvir de cabo a rabo

Em tempos de single, ouvir discos inteiros é embarcar em uma narrativa estendida. Isso porque, na maioria das vezes, os álbuns são pensados e produzidos na tentativa de que uma música complemente a outra, seja na letra, na variação do ritmo ou de instrumentos. Às vezes nem precisa fazer sentido também, mas ouvir um disco […]

LEIA MAIS
photo

Seis podcasts produzidos em Minas para ouvir na quarentena

Um levantamento da Volt Data Lab, feito em 2019, revelou que a produção de podcasts no Brasil disparou na última década e meia. Em 2018, foram publicados mais de 3400 episódios em diferentes plataformas. Em Minas, a produção também é latente e a cada dia surge um novo projeto. Neste post, separamos cinco podcasts produzidos […]

LEIA MAIS