fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Quem é Sidney Poitier e por que é importante uma mostra sobre ele

Mostra Sidney Poitier fica em cartaz até 16 de setembro no Cine Humberto Mauro

Por Jaiane Souza *

09/09/2019 às 10:26 | * Escreveu com a supervisão de Carolina Braga

Publicidade - Portal UAI
Filme Adivinhe quem vem para o jantar Foto: Columbia Pictures do Brasil / Divulgação

Diretor, ator, produtor e diplomata, Sidney Poitier é tema das próximas sessões no Cine Humberto Mauro. Ele tem importante presença na história do cinema. Foi o primeiro homem negro vencedor do Oscar, ganhou o prêmio de Melhor Ator em 1963. Até o dia 16 de setembro, a Mostra dedicada ao ator vai exibir filmes de destaques da carreira.

Entre os filmes selecionados estão, por exemplo,  Uma voz nas sombras, de 1963, no qual interpreta um operário desempregado que ajuda freiras a construir uma igreja, e Aconteceu num sábado, de 1974. No segundo filme, dois amigos decidem ir a um clube de apostas secreto, são roubados e na carteira de um deles tem um bilhete premiado da loteria.

Além da exibição de produções e filmes com a presença de Poitier, o Cine Humberto Mauro vai exibir Corra!, filme de 2017 dirigido por Jordan Peele. A intenção é estabelecer um diálogo com discussões contemporâneas acerca da igualdade racial.

Em suma, trata-se de uma homenagem a um grande nome do cinema. Mas por que esta mostra é importante? 

Primeiro homem negro vencedor do Oscar

Antes de Sidney Poitier a única pessoa negra a ganhar o Oscar foi a atriz Hattie McDaniel pelo papel de coadjuvante em …E o vento levou (1939). McDaniel também foi a primeira pessoa negra a ir como convidada à festa do Oscar. 

Já o diretor fez história quando ganhou a premiação de melhor ator principal em 1963. A performance em Uma voz nas sombras foi responsável pelo prêmio. No longa, o ator é um operário, que trabalha em construções. Um dia, ao parar o carro em uma fazenda devido a um problema no motor, acaba encontrando algumas freiras. A superiora, então acredita que ele foi enviado por Deus para ajudá-las a construir uma igreja. Ele não queria, mas acaba auxiliando com pequenas tarefas e se envolve completamente com as religiosas. 

Portanto, é importante destacar o reconhecimento visto que vivemos em uma sociedade na qual o racismo estrutural ainda é forte. Agora imagina o cenário nos Estados Unidos nos anos 1960?

 

Uma voz nas sombras
Foto: United Artists / Divulgação

Carreira

Sidney Poitier nasceu nas Bahamas prematuramente quando estava indo para a Flórida, nos Estados Unidos. Teve uma infância com poucos estudos e era pobre. Ao completar 15 anos mudou-se para Miami juntamente com o seu irmão mais velho e, a partir daí, sentiu na pele a discriminação racial. A princípio, trabalhou em subempregos e dormia em terminais de ônibus. Posteriormente, tentou ingressar na The American Negro Theatre, só que foi rejeitado em virtude de ter sotaque e precisar melhorar a atuação. Em síntese, conseguiu ser aceito depois de seis meses e o seu primeiro trabalho foi em Lysistrata, produção da Broadway, pelo qual recebeu elogios. A partir daí, não parou mais. 

O artista começou a fazer cinema e atuou em O ódio é cego, de Joseph L. Mankiewicz. No longa ele fazia papel de um médico negro que tratava de pacientes brancos racistas. Ademais, fez papéis secundários até ser o protagonista em Acorrentados (1958). A atuação lhe rendeu uma indicação para melhor ator, mas ficou por isso mesmo. 

Além de atuar nas telonas e palcos, Poitier se destacou participando de movimentos dos direitos civis da sua época. 

 

Filme Ao mestre, com carinho
Foto: Columbia Pictures do Brasil

Filmes marcantes e produções

Ao participar dos longas Ao mestre, com carinho, Adivinhe quem vem para jantar e No clamor da noite, todos de 1967, o ator ganhou ainda mais visibilidade no cenário da sétima arte. Os filmes foram muito importantes e marcos históricos, pois ajudaram a quebrar as barreiras sociais entre brancos e afro-americanos. 

Na mostra do Cine Humberto Mauro, que vai até o dia 16 de setembro, são justamente essas três obras que se destacam na programação. Do mesmo modo que esses títulos serão exibidos, também estão na programação outros e Poitier atuou e dirigiu, como O sol tornará a brilhar (1961, de Daniel Petrie), Um homem tem três metros de altura (1957, de Martin Ritt) e sessões comentadas. 

A programação completa da Mostra Sidney Poitier você encontra no site da Fundação Clóvis Salgado

 

Continua após a publicidade...

photo

Arnaldo Antunes vem aí! Leitor do Culturadoria tem desconto para o show

Setembro tem Arnaldo Antunes em BH. E o melhor: os leitores e seguidores do Culturadoria tem 10% de desconto para conferir o show. Ele chega acompanhado do RSTUVXZ Trio para uma apresentação que mistura samba e rock. Bom, o que não falta à carreira de Arnaldo Antunes é referência em diversos gêneros, musicais e literários. […]

LEIA MAIS
photo

Seis pontos sobre a CASACOR 2019

Itinerância sempre foi marca registrada da CASACOR. Mas em 2019 esta característica ganha digamos que um upgrade. O local escolhido para esta edição trouxe algo a mais para o projeto. Em resumo: a 25ª CASACOR tem história, tem rastro e, sobretudo, tem curiosidades. A mostra ocupa o Palácio das Mangabeiras até o dia 13 de […]

LEIA MAIS
photo

Madeleine Peyroux vem aí! Conheça curiosidades sobre a carreira dela

O nome é francês. Mas Madeleine Peyroux é natural dos Estados Unidos. Mais precisamente de Athens, Geórgia. Ela é uma cantora de jazz e já foi considerada a Billie Holiday do século XXI, destacando-se pelo estilo vocal. Além da Geórgia, Madeleine também morou na Califórnia, em Nova York e em Paris.  Madeleine Peyroux se apresenta […]

LEIA MAIS