Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Mostra retrata o cinema argentino feito por mulheres

Gostou? Compartilhe!

A Mostra traz programação gratuita com sete títulos dirigido por mulheres, sendo uma estreia nacional, bem como debates com especialistas

Com o objetivo de dar visibilidade à luta das mulheres argentinas, a 3ª edição da Mostra de Cinema Argentino de Mujeres (MCAM) será realizada no Cine Humberto Mauro, nos dias 29, 30 e 31 de maio. A Mostra irá exibir obras que privilegiam o olhar feminino em filmes realizados por cineastas argentinas. Além disso, com protagonistas femininas e com abordagem de temas íntimos e pessoais, pertinentes ao universo feminino. As exibições serão em homenagem à Revolução Argentina e ao Dia Internacional das Mulheres pela Paz e pelo Desarmamento. 

“O recorte curatorial desta edição é justamente, para enaltecer as datas simbólicas homenageadas. Veremos, na tela, mulheres que foram para a guerra, bem como outras que estiveram no campo de batalha para reconhecer o corpo de filhos, irmãos, pais ou companheiros. Mulheres em luto e na luta pelos seus direitos básicos. Mulheres que cuidam, que acolhem e criam redes”, explica Luisina López Ferrari, idealizadora, coordenadora e curadora da MCAM.  

Frame do filme "A Rebelião das Flores | La Rebelión de Las Flores", que estará na mostra de cinema feito por mulheres argentinas (Divulgação) Direção: Maria Laura Vasquez
Frame do filme "A Rebelião das Flores | La Rebelión de Las Flores", que estará na mostra de cinema feito por mulheres argentinas (Divulgação)

Estreia nacional

A programação inclui a exibição de sete filmes, sendo um curta e seis longas-metragens, de diretoras mulheres. Um deles, estreia nacional, bem como outro com acessibilidade para o público com deficiência visual e auditiva. “Na primeira Edição da MCAM, tivemos seis filmes. Foi um número ótimo para poder aprofundar nos conteúdos. Agora, nesta terceira, também escolhemos trabalhar com esta quantidade. Na verdade, desta vez, são sete. Foi muito desafiador conseguir fechar a curadoria. E, nesta tarefa, o Programas Gafas Violetas do INCAA teve um papel fundamental. E é uma honra fazer esta ponte cultural entre o meu país natal e o adotivo”, ressalta Luisina. 

Abertura

No dia da abertura, que será realizada na quarta-feira, dia 29 de maio, serão exibidos os filmes “As aspirantes”, de Gretel Suárez, e “Matria, da diretora Jimena Chaves. Às 19h, haverá apresentação do filme “A Rebelião das Flores”, com presença da diretora convidada Maria Laura Vasquez. Essa sessão contará com intérprete de libras e tradução consecutiva espanhol/português. Para finalizar o dia de abertura, haverá um show musical com o duo argentino-brasileiro “Matecitos”, composto por Lígia Constante y Álvaro Terroba. O repertório musical se afina à curadoria da Mostra de Cinema Argentino de Mulheres. 

E mais

Na quinta-feira, dia 30 de maio, nova exibição de “As Aspirantes”. Do mesmo modo, de “Os Peixes Também Saltam”, de Diana Cardini; e “Niña Mamá”, de Andrea Testa. Além de roda de conversa, debates e de palestra. Aliás, o tema desta será “A vida continua: uma conversa sobre vida, morte, luto (a) das mulheres”, proferida por Denise Flores, produtora audiovisual e “doula da morte”.  

Na sexta-feira, dia 31 de maio, haverá a exibição do filme “A Noiva do Deserto”, de Cecília Atán e Valeria Pivato. Já “O Vento que Arrasta”, de Paula Hernández, terá estreia nacional. A noite ainda terá “Rebelião das Flores”, com presença da diretora convidada, Maria Laura Vasquez. Em seguida, haverá a palestra de tema: Por corpos, territórios e deslocamentos: contra gestos políticos e espirituais de mulheres argentinas, proferida pela professora Doutora Roberta Veiga. 

Predominância

De acordo com Carla Onodera, produtora e curadora, na atual edição da MCAM, há uma predominância de documentários sobre filmes de ficção na seleção curatorial. “Essa escolha pode ser atribuída à natureza íntima e pessoal dos temas abordados – guerra, luta, resistência, fé e esperança – que se alinham com produções mais enxutas e acessíveis às realizadoras. Isso acontece também no Brasil, onde roteiristas e diretoras mulheres estão mais presentes no documentário do que na ficção, segundo estudo da Ancine”, completa.  

Pela primeira vez, o catálogo está disponível gratuitamente tanto em formato impresso quanto digital.  Isso, de acordo com a produção, reflete o desejo da produção de expandir a análise do cinema argentino, de autoria feminina, para além das fronteiras tradicionais da sala de exibição.  

Viabilização

A 3ª MCAM é realizada com recursos da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte com patrocínio do Centro Universitário Una. Idealização, correalização e produção da Sem Fronteiras Cultura Audiovisual, com correalização da Fundação Clóvis Salgado. Produção Onodera Produções. Apoio institucional do Consulado da República Argentina em Belo Horizonte. Apoio cultural do Programa Gafas Violetas (INCAA), La Guapa e Hotel Royal Design.

Evento neutro

A 3ª edição da Mostra de Cinema Argentino de Mulheres (MCAM), lembra o material enviado ao Culturadoria, possui o Selo de Evento Neutro. Assim, a organização do evento se responsabiliza por compensar as emissões de carbono associadas à realização do projeto.

Medidas de acessibilidades

Um dos filme exibido nesta Mostra de Mulheres terá legenda descritiva para o público surdo e deficiente auditivo, bem como audiodescrição e audiolegendagem para o público cego e deficiente visual. Do mesmo modo, as palestras seguidas de roda de conversa terão intérprete de libras. Elas serão gravadas para, num segundo momento, irem para o canal do YouTube. Haverá, ainda, intérprete de libras, tradução consecutiva (espanhol/português). 

Filmes que estarão em exibição 

“As aspirantes” (Las aspirantes)

Filme que tem direção de Gretel Suárez e questiona o papel da mulher na guerra das Malvinas. A protagonista, líder de um grupo de enfermeiras veteranas, comete suicídio enquanto o documentário é filmado. Assim, as colegas assumem o legado dela e, desse modo, continuam a luta pelo reconhecimento ante o silêncio da história e da Marinha Argentina. 

Matria”

Com direção de Jimena Chaves, o filme conta a história de mulheres de diferentes lugares da Argentina atravessadas por um fato em comum: seus filhos foram enviados à guerra das Malvinas e não retornaram. Elas não se conhecem entre si. 

“A Rebelião das Flores” (La rebelión de las flores)

Dirigido por Maria Laura Vasquez. Conta um fato verídico que aconteceu em outubro de 2019, quando mulheres indígenas autoconvocadas de territórios em conflito ocuparam pacificamente o Ministério do Interior argentino. Desse modo, por 11 dias, elas exigiam o fim do “terrícidio” em suas comunidades. Daí, enfrentaram a negligência do Estado e, tal qual, a indiferença de parte da sociedade. No entanto, lutaram para resgatar um modo de habitar, no qual a reciprocidade, bem como a solidariedade, entre os povos e a natureza, são uma necessidade urgente. 

Os Peixes Também Saltam” (Los peces también saltan)

O documentário da diretora Diana Cardini retrata os visitantes e trabalhadores do cemitério da Chacarita. Desse modo, enfatiza as histórias, profissões e rituais deles. 

Niña Mamá”

Com direção de Andrea Testa, o filme é o encontro com histórias de vida, as tensões de maternidades forçadas e o medo latente causado pelo aborto inseguro e clandestino. Desse modo, o hospital público é o campo de batalha onde se encontram os espaços de resistência de mulheres entre a vida e a morte.

“A Noiva do Deserto” (La novia del desierto)

O filme tem direção de Cecília Atán, Valeria Pivato e conta a história de Teresa. Ela é uma mulher de 54 anos (Paulina Garcia) que sempre trabalhou como empregada doméstica para uma família bonaerense. No entanto, a vida de Teresa mudará drasticamente quando a família decide vender a casa.

O Vento que Arrasa” (El viento que arrasa)

De Paula Hernández, a obra conta a história de Leni, que se junta ao pai, Reverendo Pearson, em uma missão evangélica. Eles têm problemas com o carro e param na oficina de Gringo, homem que não quer saber de fé e que vive com o adolescente Tapioca. O tempo se arrasta, uma tempestade se aproxima e o Reverendo Pearson fica obcecado em salvar a alma de Tapioca. Leni vê ecos da própria história no poder que Pearson exerce sobre o jovem. Desse modo, o confronta pela primeira vez, acreditando que sua vida irá se iniciar naquele exato momento. 

Serviço

3ª edição da Mostra de Cinema Argentino de MUJERES (MCAM) 

Quando. Dias 29, 30 e 31 de maio, a partir das 15h 

Onde. Cine Humberto Mauro – Palácio das Artes (Av. Afonso Pena, 1.537, Centro)

Quanto. Entrada gratuita com retirada de ingressos 1h antes de cada exibição. Sujeito a lotação.

Mais informações no site cinemujeres.com e no Instagram

Gostou? Compartilhe!

[ COMENTÁRIOS ]

[ NEWSLETTER ]

Fique por dentro de tudo que acontece no cinema, teatro, tv, música e streaming!

[ RECOMENDADOS ]