Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

[Oscar 2021] Meu Pai e a desconhecida dor da experiência de um demente

Longa tem Anthony Hopkins em um dos melhores papéis da carreira em dobradinha com Olivia Colman

Gostou? Compartilhe!

Meu Pai, filme com Anthony Hopkins e Olivia Colman, tem pouco mais de 90 minutos de duração. Mas não parece. Mesmo. É aquele tipo de narrativa que envolve tanto que, você nem percebe o tempo passar (se estiver entregue à trama, né?). Isso se deve ao modo como o roteirista e diretor Florian Zeller escolhe contar a história de uma família obrigada a conviver com o avanço da demência do patriarca.

Antes de detalhar o longa em si, vale conhecer um pouco mais sobre a história de Zeller. Ele nasceu em 1979 em Paris, na França. Meu Pai é uma peça escrita por ele e a primeira de uma trilogia composta também pelos espetáculos A Mãe e O filho. A encenação dessa última, por exemplo, rendeu ao artista francês um respeitável elogio no jornal americano The Times: foi considerado o dramaturgo mais empolgante de nossos tempos. 

O diferencial

Mas o que a narrativa que ele cria tem de diferente? Como bem aponta a crítica do Times, Zeller gosta de trabalhar “a ideia de que as realidades mudam e nunca temos certeza do que estamos vendo”. Meu pai é isso. Em resumo, um ponto de vista totalmente diferente sobre a demência.

Meu Pai. Foto: Sean Gleason/Sony Pictures Classics
Meu Pai. Foto: Sean Gleason/Sony Pictures Classics

O diretor – e dramaturgo – convida o espectador a entrar na mente de seu protagonista, magistralmente interpretado por Hopkins. Começamos o filme achando que se trata de mais um drama sobre uma filha (Olivia Colman) que precisa lidar com a demência do pai. No meio da projeção, no entanto, já estamos tão confusos quanto o protagonista e também com a certeza de que a razão permanecerá do nosso lado. Os dementes são assim. Eles juram que o ponto de vista deles é o real.

Argumentar sobre a direção de atores e a qualidade da interpretação de Anthony Hopkins e Olivia Colman é dizer pouco sobre Meu pai. Para além deste aspecto – fundamental, diga-se de passagem – as qualidades que mais me chamaram a atenção no longa como um todo estão em dois quesitos mais técnicos. A montagem (Yorgos Lamprinos) e a direção de arte, reconhecida no Oscar por Desenho de Produção (Peter Francis e Cathy Featherstone).

Episódio do Podcast Cinema, Etc sobre Meu Pai e outros temas.

O teatro em Meu Pai

Como é um homem dos palcos, Florian Zeller não economiza na teatralidade, mesmo no cinema. Usa a direção de arte para isso. A cor da parede, a xícara que quebra, o tom do figurino. Quase tudo tem camadas de sentidos complementares que dizem muito sobre os personagens. 

Repare no azul, por exemplo. No início do filme, a cor aparece em alguns pontos e à medida em que vamos nos dando conta da demência do personagem, o tom vai se espalhando. Em outras palavras, quase tudo que aparece na tela de Meu Pai tem sentidos paralelos. Sendo assim, a xícara quebrada diz também sobre o coração em pedaços da filha que precisa encarar a doença do pai. 

Já a montagem de Yorgos Lamprinos é a responsável por nos fazer experimentar aquela mente inquieta. Se você ainda não viu o filme, pode ter certeza que em algum momento vai se questionar se está conseguindo compreender. A confusão mental do personagem é propositalmente a confusão de quem passivamente consome o filme. Conseguir chegar nesse ponto é muito difícil.

Empatia

Mas a qualidade de Meu Pai não está apenas em aspectos técnicos. Por nos transportar, de certa maneira, para a mente de um demente, o filme também nos dá a oportunidade de entender melhor quem é obrigado a conviver com situação parecida. É inócuo procurar lógica no comportamento de um demente. 

Sendo assim, Florian Zeller ensina que, o melhor a se fazer nestes casos, é acolher. O afeto é sim capaz de confortar.

Meu Pai recebeu seis merecidas nomeações ao Oscar 2021. São elas: melhor ator para Anthony Hopkins; atriz coadjuvante para Olivia Colman; roteiro adaptado, edição, desenho de produção e filme. O longa está disponível no Brasil nas plataformas Now, Itunes, Google Play, Sky Play e Vivo Play.

O ator Anthony Hopkins e o diretor Florian Zeller. Foto: Sean Gleason/Sony Pictures Classics

Gostou? Compartilhe!

[ COMENTÁRIOS ]

[ NEWSLETTER ]

Fique por dentro de tudo que acontece no cinema, teatro, tv, música e streaming!

[ RECOMENDADOS ]