fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Marvel 80 anos: como a empresa se tornou a gigante dos quadrinhos

Atualmente, a empresa é uma das maiores na indústria cinematográfica e em outras mídias

Por Jaiane Souza *

20/01/2020 às 17:04 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Foto: Disney / Buena Vista

Personagens e histórias que transcenderam os quadrinhos e abrangem os videogames, televisão, cinema, brinquedos e diversos tipos de produtos. A Marvel está completando 80 anos em 2020 e tem uma história de altos e baixos, que passa por uma quase falência e chega ao sucesso absoluto no cinema. Veja os principais pontos dessa trajetória.

História

Hoje, a Marvel é considerada a maior editora de histórias em quadrinhos do mundo. Entretanto, a origem dessa grande poderosa começou humilde e sem muitas perspectivas. Martin Goodman fundou a empresa, que inicialmente recebeu o nome de Timely Comics, entre 1930 e 1940. Os principais personagens daquele período eram Namor, um herói subaquático que não gosta de humanos, e Tocha Humana, um tipo de androide que flutuava quando aumentava as chamas no corpo. 

Depois disso, houveram outras publicações e foi aí que surgiu o Capitão América, herói patriota que ganhou o mundo e fez com que a Timely Comics se tornasse muito conhecida nos anos 1940. Nesse mesmo período um nome extremamente importante e fundamental para a história da empresa surgiu: Stan Lee. O editor, que ocuparia uma vaga temporária, permaneceu durante décadas. A primeira colaboração dele para a Timely foi um texto em que mostrava como o escudo do Capitão América era também uma arma que podia ser arremessada. Já a primeira cocriação de super-herói do autor foi o Destroyer, publicado nas histórias de 1941. 

marvel

Foto: Mario Anzuoni/Reuters

Era de ouro

A ascendência da Marvel começou de forma significativa nos anos 1960. Stan Lee virou o editor-chefe da empresa em parceria com Jack Kirby e Steve Dikto. Juntos eles criaram o Quarteto Fantástico, o Homem Aranha, os X-Men e outros heróis fundamentais para a história da editora. O período da era de ouro das histórias em quadrinhos americanas recebeu esse nome devido à popularidade que as HQs ganharam na sociedade. Isso porque o surgimento do Super-Homem (DC Comics), primeiro herói das histórias em quadrinhos, fez tanto sucesso que o gênero se tornou maioria em páginas de revistas e abriu precedente para criação e desenvolvimento de outros heróis. Entre eles Flash, Lanterna Verde, Gavião Negro, Capitão América, Namor, Tocha Humana Original e Ka-Zar.

Quarteto Fantástico

Uma particularidade da Marvel, que ainda permanece, é a aproximação dos personagens da realidade. Exemplo disso é o Quarteto Fantástico. Em 1961, Stan Lee estava prestes a encerrar o contrato com a empresa e decidiu que a sua última produção seria uma super-equipe, protagonizada por uma família: Sue Storm (Garota Invisível), Reed Richards (Senhor Fantástico), Ben Grimm (Coisa) e Johnny Storm (Tocha Humana). Todos os personagens eram/são imperfeitos, ou seja, têm características de humanos tradicionais, com problemas relacionados ao dia a dia. Em resumo: não tem a vida fantástica de outros personagens de quadrinhos. Além disso, apresentam características mais próximas da realidade e isso é explorado por meio do cotidiano dos personagens, dos problemas pessoais e das relações com os outros. 

No entanto, o que Stan Lee e Jack Kirby não previam era que a família fantástica seria um grande sucesso e levaria a Marvel a fazer outras publicações com super-heróis que são gente como a gente. Sendo assim, surgiu o Homem-Aranha (de Lee e Steve Ditko), um jovem com baixa autoestima e fazia clara referência à realidade dos adolescentes, e o grupo X-Men. O grupo de mutantes, inicialmente foi criado para tratar dos preconceitos da época. 

marvel

Marvel Comics

Anos seguintes

Mas como nem tudo são flores, nos anos 1990 veio o declínio daquela que desde 1961 já era denominada Marvel. Isso aconteceu devido à mudança dos hábitos de consumo do público das produções. Os videogames chegaram com tudo. Com os jovens trocando os quadrinhos pelos jogos digitais, em 1994 a empresa precisou ajustar as contas para não falir. Foi então que uma fabricante de brinquedos comprou a Marvel. Mas a história não acabou nesse momento. 

Antes da transferência definitiva da empresa, a Marvel já havia vendido os direitos do Homem-Aranha e do X-Men para a Fox e a Columbia Pictures, respectivamente. Foi aí que os personagens viraram filme bem no início dos anos 2000 e obtiveram sucesso de crítica e bilheteria. Nesse ponto, a empresa começou a atuar para voltar para os holofotes. Kevin Feige foi o nome contratado para iniciar o setor de negócios de cinema. Porém, em vez de negociar o formato de franquias, escolheu abrir um estúdio próprio, o Marvel Studios.

Os principais personagens já tinham sido negociados com a Toy Biz (a empresa de brinquedo citada antes), mas a empresa topou a parceria, conseguiu um empréstimo com um banco norte-americano e o resultado veio apenas em 2008. O filme Homem de Ferro rendeu mais de 500 milhões de dólares mundo afora e deu o primeiro passo para um novo modelo de cinema. 

O diferencial escolhido foi o de lançar nas telonas a mesma ideia dos quadrinhos. Ou seja, heróis que fazem parte de um único universo, mas com aventuras solo. 

marvel

Foto: Paramount Pictures / Divulgação

Disney

A ascendência da Marvel despertou o interesse da Disney, que comprou a empresa por 4,3 bilhões de dólares. A parceria deu certo, prova disso foi o filme do Homem de Ferro. Depois dele chegaram os longas do Capitão América, do Hulk, do Thor. Como se não bastasse o sucesso dos filmes separados, por que, então, não juntá-los? Surgiu, assim, Os Vingadores, unindo os heróis também no cinema. 

Presença feminina

Não podemos deixar de citar a Capitã Marvel (filme lançado em 2019). Primeira super-heroína a ter um filme solo na Marvel. Demorou, mas a iniciativa mostra como as mulheres também se destacam na indústria dos quadrinhos que tem, majoritariamente, o protagonismo masculino. O precedente desta história foi a Mulher Maravilha, primeira protagonista solo da DC Comics estrelando um longa em 2017. A produção arrecadou mais de 800 milhões de dólares, tornando-se o filme mais lucrativo entre todos os filmes de heróis. Desbancou, na época, até o Homem-Aranha. 

Aos poucos, os diferentes públicos estão sendo contemplados e representados na sétima arte e no universo dos quadrinhos. Outro exemplo disso é o filme Pantera Negra, que retrata um super-herói negro. A notícia boa é que outros protagonistas negros já tiveram no cinema antes, mas não com tanta popularidade assim. 

photo

Cinco filmes na Netflix para morrer de chorar

Sejam filmes românticos, históricos, baseados em fatos reais ou de cachorros. A grande parte deles, sempre nos leva a emoção. Separamos nesta lista cinco filmes para você morrer de chorar que estão disponíveis no catálogo da Netflix. A aproveite as férias e separe os lenços, afinal, soltar as emoções também faz parte. Confira também, uma lista […]

LEIA MAIS
photo

Cinco karaokês em BH para soltar a voz

Como bem diz o ditado, quem canta seus males espanta! Só que nem sempre soltar a voz é tarefa fácil, principalmente quando julga-se não ter o famoso talento. Mas todo mundo pode ter o seu momento de artista. Em BH, por exemplo, diversos locais foram feitos especialmente para que as pessoas coloquem o cantor interior […]

LEIA MAIS
photo

Cinco pontos sobre Dois Papas, de Fernando Meirelles

Apesar de ser um dos grandes filmes da temporada de prêmios, acho difícil que Dois Papas consiga alguma vitória. Mas não acredito que o filme tenha sido feito para isso: ganhar prêmios. Afinal de contas, se tem alguém premiado nessa parada somos nós, espectadores, que temos a oportunidade de refletir sobre questões tão importantes do nosso tempo […]

LEIA MAIS