Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Legado musical: ‘Álbum Branco’ dos Beatles completa 50 anos

Por Thiago Fonseca *

19/11/2018 às 08:08 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Foto: Canto dos Clássicos / Reprodução

Em 1968 um quarteto da pequena cidade de Liverpool, no interior da Inglaterra, revolucionou a indústria audiofônica mundial ao lançar o disco conhecido como ‘White Album’. Uma das obras primas dos Beatles influencia a música até hoje. Nesta semana, o álbum completa 50 anos e ainda ganha edição especial para colecionadores. Dessa forma, entrevistamos especialistas e músicos sobre a relevância dele no século XXI.

O disco

Foi no dia 22 de novembro que o mundo conheceu o trabalho, e, desde então nunca mais o esqueceu por sua diversidade sonora e qualidade técnica. Os Beatles estavam em ebulição na época. Tinham perdido seu empresário, Brian Epstein, recebido críticas negativas e começavam a sofrer com as desavenças entre seus integrantes. Foi nesse cenário de início de caos que a banda voltou da Índia carregada de novas composições que acabaram se transformando no primeiro e único disco duplo da carreira.

O Álbum Branco possui 30 faixas ao longo dos seus quatro lados. Foi gravado de 30 de maio a 14 de outubro de 1968, sendo a maior parte no antológico Abbey Road Studios e algumas sessões no Trident Studios. Ficou popularmente conhecido como ‘The White Album’, por não haver nome, e por ter uma capa com um fundo branco com o nome da banda em auto relevo. Estão nele, por exemplo, as famosas canções “Dear Prudence”, “While My Guitar Gently Weeps”, “Blackbird” e “Helter Skelter”.

“Os Beatles lançaram o álbum em uma fase de turbulência entre os integrantes. Eles estavam brigando muito, dessa forma, as faixas foram gravadas com os integrantes separados e alguns nem se viam. Mas, foi um trabalho que revolucionou e é muito importante para música. Muitas das canções chegaram às paradas musicais pela versatilidade. É um disco bem variado que vai do instrumental, passa pelo heavy metal, até o rock clássico. Uma vibe bem experimental que deu certo”, comenta o músico Léo Lanny.

 

Foto: The Beatles / Divulgação

 

Referência musical

Além de mostrar a individualidade dos músicos e trazer uma grande variedade estilística, o álbum chamou atenção pela inovação tecnológica. O principal avanço na gravação desse disco foi passar de 4 para 8 canais. “Um disco com alto nível de tecnologia e de ideias. A forma de gravar o disco foi tão inovadora que as produtoras passaram basear as gravações no estilo. Ou seja, além de ter feito muito sucesso, a banda influenciou até na forma de se produzir”, ressalta o músico e professor Renato Caetano.

Até hoje algumas técnicas de gravação são baseadas nas utilizadas no álbum. A trilha sonora de ‘Guerra nas Estrelas’ e canções da banda ‘Oasis’, por exemplo, foram influenciadas pelo disco. E não são só bandas, fãs dos Beatles também foram conquistados por meio do álbum. É o caso do médico Marcus Vinícius Araújo, de 50 anos, que cresceu ouvindo as canções do disco. Hoje é beatlemaníaco assumido.

“Meu irmão mais velho tinha o LP, comecei a escutar e nunca mais parei. O Álbum Branco é meu preferido por mostrar de forma mais evidente a individualidade dos integrantes da banda e com mais diferentes estilos musicais. Seja como for, um disco atemporal. Algumas canções passam mensagem e outras são brincadeiras. Uma obra que merece ser ouvida por todos”

A importância do álbum para a música é tão grande que Léo Lanny faz questão de ensiná-las para seus alunos na Melody Maker Escola de Música. “São canções que todos devem conhecer. É uma referência na escola. Os Beatles fizeram tanto sucesso que é uma banda que perpassará décadas e creio que será algo eterno”. Renato Caetano também faz questão de relembrar as canções e interpreta elas em uma viola.

 

Continua após a publicidade...

 

Nova Edição

Para a comemoração dos 50 anos o álbum ganhou reedição de luxo para colecionadores. A nova edição conta com sete discos em uma caixa de luxo, três CDs, quatro vinis e dois LPs, versão digital e um livro de 164 páginas sobre o processo de criação do disco. O relançamento traz não apenas as faixas remasterizadas e mixagens alternativas, como também, disponibiliza oficialmente os áudios das demos do disco. Além disso, inclui faixas inéditas que acabaram ficando de fora do disco. A edição já está a venda desde o dia 9. Clique aqui e saiba mais.

Ouça a nova versão do ‘Álbum Branco’

photo

O indie folk de Devendra Banhart encanta plateia de BH

É muito bonito ver um artista que está no palco para uma real troca com a plateia. É essa a sensação mais marcante depois de ver o encontro de Devendra Banhart e o público de BH. Não que ele tenha feito “o” show diferentão. Foi até bem comum, mas foi de verdade, foi generoso e, […]

LEIA MAIS
photo

Em ano de crise, Savassi Festival mantém qualidade em formato menor

Humberto Martins e Thiago Fonseca* Desde que trocou o Café com Letras pelo espaço aberto da Antônio de Albuquerque –  há 15 anos – o Savassi Festival só cresceu. Passou a ocupar diversos espaços da cidade, outros Estados e até países. Será chegada a hora em que o menos é mais? Segundo Bruno Golgher, idealizador […]

LEIA MAIS
photo

Orquestra Filarmônica é ovacionada em concerto comemorativo de 10 anos

Já se passaram quase 24 horas. O domingo foi intenso e nem por isso os acordes da Sinfonia nº 9 de Beethoven (1770-1827), apresentada pela Orquestra Filarmônica de Minas Gerais na noite de sábado, se apagam na minha memória. Salve, salve! A Orquestra terminou a apresentação merecidamente ovacionada. Quem me dera ter todas as habilidades […]

LEIA MAIS