fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Impressões sobre ‘O Irlandês’, de Martin Scorsese

O Irlandês é o primeiro filme de Martin Scorsese para a Netflix. Tem Robert De Niro, Al Pacino e Joe Pesci no elenco e muita pinta de Oscar.

Por Carol Braga

02/12/2019 às 09:03

Publicidade - Portal UAI
Cena de O Irlandês. Foto: Netflix/Divulgação

O Irlandês, o primeiro filme que o diretor Martin Scorsese faz para o catálogo da Netflix estreou com explosão de estrelas da crítica especializada. Isso, lógico, eleva qualquer expectativa. Então, o primeiro aviso para quem se animar a dedicar 3h29 minutos de seu tempo ao filme é ter paciência. Principalmente porque tem sido cada vez mais difícil conseguir largar o celular para se concentrar na televisão. Nesse sentido, o ritual do cinema colaboraria para o estado de presença. 

De todo modo, no meu ponto de vista, há um excesso. Mesmo vendo Robert De Niro em uma das melhores performances da carreira, assim como Al Pacino, Joe Pesci e outros. O Irlandês prende a atenção quando falta cerca de 90 minutos para acabar. Entendo que Scorsese calculou tudo isso. É como se fosse, inclusive, uma afronta ao ritmo do cinema contemporâneo. 

Aliás, haverá algum detalhe naquele filme que não foi calculado? Por isso, caro leitor, espere até o fim pois a meia hora final faz valer a pena. 

O longa começa com um plano sequência. O espectador não sabe ao certo se entramos com a câmera em um hospital ou coisa parecida. É, na verdade, uma casa de repouso onde encontramos Frank Sheeran (Robert De Niro). Dali em diante, o roteiro de Steven Zaillian para o livro de Charles Brandt dá saltos no tempo para contar a história da máfia americana. Vamos combinar que Martin é fera em filme de gângster. Embora não seja meu gênero favorito, é fácil reconhecer a maestria no desenvolvimento da trama. 

Elementos secundários

Ao longo das duas primeiras horas, como as costuras daqueles homens não prendiam minha atenção – sim, amigas, é um filme de homens – comecei a me encantar com os detalhes. O primeiro deles, como tem figurante nesse longa! São muitos e o trança trança parece ter sido ensaiado. 

Então, se você se distrair do elemento principal da cena, veja como o diretor trabalha a presença de quem está ali para compor a cena. Ele é rigoroso. 

Aí, à medida em que você vai reparando os detalhes, a direção de arte começa a ganhar relevo. O Irlandês é sério candidato a levar as categorias técnicas do Oscar 2020. O cuidado estético aparece em tudo. Observe como a fotografia trabalha os tons de azul em perfeita sintonia com os elementos, inclusive os figurinos. Isso sem dizer no rejuvenescimento dos atores. 

 

 

Trama

Frank Sheeran (Robert De Niro) é conhecido como “O Irlandês”. Ele foi caminhoneiro antes de se tornar o homem de confiança de Russell Bufalino (Joe Pesci). Prestava alguns serviços também para Jimmy Hoffa (Al Pacino), líder sindical envolvido com artimanhas políticas daquela época. Entram aqui, pinceladas sobre os bastidores da política daquela época, anos 1960. 

Os dois terços iniciais de O Irlandês são dedicados a mostrar as relações da máfia. No terço final, Scorsese abre espaço- ainda que bem sutil – para reflexões sobre finitude. E isso aparece, principalmente, no olhar de Frank. Aliás, é um olho que também vai perdendo o brilho com o tempo. Como é forte o silêncio de todas as mulheres desse filme. Em especial, das filhas de Frank. 

No fim das contas, O Irlandês acabou me emocionando por ser um filme que faz refletir sobre o envelhecer. Sobre as escolhas feitas ao longo da vida. Sem julgamentos, afinal de contas, é um filme de gângster.

Joe Pesci e Robert De Niro em O Irlandês. Foto: Netflix/Divulgação

Joe Pesci e Robert De Niro em O Irlandês. Foto: Netflix/Divulgação

photo

Hebe: uma cinebiografia que promete, mas não cumpre

É muito mais fácil escrever sobre um filme quando você gosta do que o contrário. Quando a coisa não bate, o exercício de pensar o que pode ter acontecido para a coisa não fluir, dá mais trabalho e nem sempre é possível explicar. É exatamente o que sinto depois de ver Hebe – a estrela […]

LEIA MAIS
photo

Por que quem não é fã de Star Wars também deveria ver ‘Os últimos Jedi’?

Porque Star Wars: Os últimos Jedi é um grande filme como há tempos não se vê. Não apenas na duração de 2h32 minutos – que você nem percebe passar – mas um trabalho que coloca qualquer espectador em contato com a magnitude que uma sala de cinema pode te oferecer. Repito: qualquer espectador. Sabe aquele […]

LEIA MAIS
photo

“Madrigal para um poeta vivo”: encontro com o existencialismo mediado pelo cinema

O paulista Francisco Pinto Campos Neto atingiu um novo patamar de notoriedade recentemente quando foi personagem em uma matéria de televisão sobre o fato de ser escritor e coveiro. A participação no programa fora apenas uma tentativa de divulgar “As Núpcias do Escorpião”, seu livro de contos lançado em 2013. A verdade é que Tico […]

LEIA MAIS