fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Novidade da Netflix, ‘Her’ é um poético retrato das relações contemporâneas

Por Carol Braga

02/05/2017 às 22:19

Publicidade - Portal UAI
Crédito: Warner Bros. Pictures release.

Joaquin Phoenix é Theodore em Her (2013). Crédito: Reprodução Internet

Claro que é legal saber que Moonlight: sob a luz do luar, o filme vencedor do Oscar 2017 chega à televisão tão rápido. O longa que foi o protagonista do maior mico na cerimônia das estatuetas estreia no fim do mês na Netflix.

Com todo respeito, não é essa a notícia que mais me empolga na lista das novidades de maio mas sim a chegada de Her (Ela) à plataforma de streaming. Dirigido por Spike Jonze o filme é de 2013. Recebeu indicações ao Oscar daquele ano e, como esperado, faturou somente o prêmio de melhor roteiro. Prêmio justo, justíssimo.

Her é um dos poucos filmes contemporâneo a dar conta de todas as transformações que as tecnologias mobilizam em nossas vidas. É poético ao retratar a solidão em tempos de hiperconectividade. Todos os nossos paradoxos estão lá: ao mesmo tempo em que estamos conectados a quem desejar, a hora que desejamos e, como desejamos, parecemos viver uma grande ilusão. Não adianta o homem se afastar daquilo que é humano. Nunca será totalmente verdade, apenas representações.

Bom, todas essas são divagações que faço desde que vi Ela pela primeira vez. Lá se vão quatro anos e a história de amor entre Theodore (Joaquin Phoenix) e Samantha (Scarlett Johansson) continua reverberando. E de que trata o filme?

Crédito: Warner Bros. Pictures release.

Ele vive no ano 2000 e tanto. É cercado de pessoas que convivem melhor com as máquinas do que com gente. Theodore também é assim. Tanto que resolve “comprar” uma amiga virtual, Samantha, que logo se transforma em grande amor. Spike Jonze nos envolve na história deles. Como não acreditar naquele amor?

Um detalhe curioso é que Scarlett Johansson não aparece em nenhuma cena do filme. Nem por isso deixamos de acreditar na presença de Samantha como mulher e não apenas computador. Ela, na verdade, não passa de uma representação, um algoritmo criado à medida para fazer Theodore se sentir pleno. Que papel será as redes sociais tem na nossa vida hoje? Preencher vazios?

Pelo visto, entra ano, sai ano e Her continua estimulando mais perguntas em mim do que constatações. Acho isso bom sinal!

Outros olhares sobre Her

Compartilho com você algumas leituras alternativas sobre o filme de Spike Jonze. A escolha foi por veículos menos tradicionais. Luiza Franco faz uma reflexão psicológica sobre o filme. Para ela, Her é uma reflexão sobre ilusão. “Acredito que a mensagem principal do filme foi a ilusão. A capacidade do ser humano acreditar naquilo que quer acreditar e viver como se aquilo fosse verdade. Viver uma ilusão leva à felicidade, mas toda ilusão pode acabar de uma hora para outra, e o que sobra? Apenas o que é real.”

Lucas Bandos faz uma interessante aproximação entre a história narrada por Jonze e o pensamento de Gilles Lipovetsky. O negócio do texto de Bandos é falar sobre o “individualismo responsável”.

Her é um filme que não apenas permite aproximações e interpretações diversas como tem se mostrado imune ao passar do tempo. Recomendadíssimo!

photo

Culturadoria com dez filmes para quem quer fugir do Carnaval

Está bem difícil fugir do Carnaval, né? Que tal apostar nos filmes? A folia em BH cresceu tanto que tudo para. Na Praça da Liberdade, por exemplo, Centro Cultural Banco do Brasil, Memorial Minas Vale e Casa Fiat estarão fechados. Palácio das Artes também não abrirá as portas. Quem não gosta da folia fica apertado!!! […]

LEIA MAIS
photo

Culturadoria com as dicas para o fim de semana: 14 de julho

A Culturadoria para o seu fim de semana tem veterano no cinema. Relâmpago McQueen volta às telonas para a terceira aventura e ameaça aposentadoria. Tem ainda, o samba-rock de Jorge Ben na voz de Renegado, o novo disco de Curumin, a prova de fogo de Rodrigo Suricato como vocalista do Barão Vermelho, 15 anos da […]

LEIA MAIS
photo

5º Tiradentes em Cena ganha com diálogos sobre tolerância mas escorrega em programação inédita

A 5ª edição do festival Tiradentes em cena terminou domingo (28) e deixou a sensação de ter criado um lastro forte de aprendizado – para quem foi e para quem organiza. Comparado aos outros eventos realizados na mesma cidade do Campo das Vertentes o projeto dedicado às artes cênicas é pequeno. Não quer dizer, em […]

LEIA MAIS