Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Diário de Curitiba: ‘Hoje é dia de Rock’, a peça que todo mineiro deveria ver

Por Carol Braga

29/03/2018 às 10:34

Publicidade - Portal UAI

 

O clima em Curitiba está tenso. Chove – e muito – todo dia. A polarização política tomou conta de ruas e praças. Lula e Bolsonaro desembarcaram na cidade no mesmo dia em que o Festival de Teatro iniciou a maratona para o público. A cidade parou e o diretor do evento, Leandro Knopfholz, fez até uma brincadeira.

 

 

Mesmo que fossem Lula, Bolsonaro, o futebol ou a chuva, não há como negar queo  Festival de Curitiba mobiliza mesmo a cidade. A região do Teatro Guaíra, por exemplo, ficou bastante movimentada. De certa maneira, Minas Gerais era o centro das atrações naquela região teatral.

 

Enquanto o Grupo Corpo apresentava a dobradinha entre Dança Sinfônica e Gira no Guairão, no palco ao lado a Cia de Comédia do Paraná estava em cartaz com Hoje é dia de Rock. O texto escrito em 1971, pelo mineiro José Vicente, fala com humor e muita poesia sobre a Tradicional Família Mineira. A montagem de 2017 foi dirigida por Gabriel Villela com o barroco que caracteriza a obra dele. Imagina no que deu!

 

Só para variar é aquela coisa, né, figurino impecável, soluções cênicas inteligentes. Com um detalhe interessante que o cenário está bastante simplificado. Veja bem, não disse simplório – porque nunca é – disse simples, são mesas e cadeiras coloridas. Dois pontos de Hoje é dia de rock me chamaram especialmente a atenção: a música e o elenco.

 

 

Equilíbrio

 

São 13 atores em cena e um músico. São 14 artistas em cena, volume em extinção no teatro brasileiro. Há equilíbrio entre todos eles, embora César Mathew, como Valente e Rosana Stavis, como a mãe se destaquem mais. Ela é veterana. Tem mais de 60 montagens no currículo e soube oferecer o tom certo à matriarca.

 

“Se assumir poesia é um ato de coragem, a maior transgressão deste texto é fazer um elogio à diferença”

Diretor Gabriel Villela no programa de Hoje é dia de Rock

 

Como Gabriel Villela destaca no programa do espetáculo, a história escrita por José Vicente mostra a constante reciclagem das relações familiares. Elas vão se transformando ao longo da vida. Toda casa cheia de filhos, chega um momento em que eles se espalham. “A cada cena, Zé parece nos lembrar que, se sabemos que a vida é efêmera, não deixemos de gozar os tantos “encontros e despedidas” por que atravessamos (e pelos quais somos atravessados!)”, escreve o encenador.

 

Hoje é dia de Rock, montagem da Cia de Comédia do Paraná com direção de Gabriel Villela. Crédito: Festival de Curitiba/Divulgação

 

Música

 

A música citada de Fernando Brant e Milton Nascimento é apenas uma das tantas pitadas de Clube da Esquina que há no repertório do espetáculo. O Trem Azul (Lô Borges; Ronaldo Bastos), Caçador de Mim (Sergio Magrão & SÁ), Um Gosto de Sol (Milton Nascimento e Ronaldo Bastos) se misturam com Let It Be (Lennon & McCartney), Panis Angelicus (César Franck), It’s Now Or Never (Elvis Presley).

 

O ator e instrumentista integrante da cia Clowns de Shakespeare (Natal, RN), Marco França acompanha elenco ao piano e clarineta. No aspecto musical facilmente se observa o equilíbrio do grupo. Os arranjos vocais levam assinatura de Ernani Maletta. Gabriel Villela é assim, ele sempre carrega para suas montagens os profissionais nos quais confia.

 

Temática

 

Se a poesia é inegável no texto, ela também aparece em cada detalhe da encenação. O cenário é bastante simples, composto por uma mesa e cadeiras de madeira de demolição. No fundo, um painel com a imagem que pode tanto representar um rio e suas ramificações, as veias do corpo humano e mesmo uma família. Sim, é inevitável, chega uma hora em que cada um precisa correr atrás de seus próprios sonhos.

 

O bacana de peças que tem esse tipo de poesia como norte é que cabe ao espectador escolher por qual estímulo vai se encantar mais. Isso abre espaço para a vivência e a bagagem que cada um tem ao se sentar ali.

 

Sendo mineira, estando em Curitiba, comigo a peça falou sobre a importância das raízes, sobre o constante desejo de buscar coisas novas e também uma menos valia acompanhada de um grande otimismo que nós carregamos. Quantas vezes você já ouviu de algum mineiro de que é preciso procurar novos ares? “Vai para São Paulo porque lá você vai ter mais oportunidades”. Ouvi isso tantas vezes. Foi nesse ponto, e com muita poesia, fantasia, que Hoje é dia de rock me pegou.

 

Recado aos produtores de BH

 

Todos sabemos que levar um espetáculo com elenco tão grande para Belo Horizonte é uma tarefa hercúlea. Mas os mineiros merecem, viu! É um espetáculo com a nossa cara, sobre a gente e que nos faz pensar. Avaliem com carinho! Os ganhos de uma temporada de Hoje é dia de Rock em BH podem até não ser financeiros, mas haverão outros bem maiores.

 

 

AS MÚSICAS DA PEÇA

As Mocinhas da Cidade (Nhô Belarmino)

Bola de Meia, Bola de Gude (Milton Nascimento e Fernando Brant)

Caçador de Mim (Sergio Magrão & SÁ)

El Condor Pasa (Daniel A. Robles / Jorge Milchberg)

Encontros e Despedidas (Milton Nascimento, Fernando Brant)

Fé Cega, Faca Amolada (Milton Nascimento)

It’s Now Or Never (Elvis Presley)

Let It Be (Lennon & McCartney)

Love Me Tender (Elvis Presley/Vera Matson)

O Trem Azul (Lô Borges; Ronaldo Bastos)

Panis Angelicus (César Franck)

 

*Culturadoria viajou e está em Curitiba a convite do Festival de Teatro

 

Continua após a publicidade...

photo

Em ‘Sublime Travessia’ Dudude coloca pra fora inquietações sobre Brasil presente

Ao longo dos últimos cinco anos a bailarina e coreógrafa Dudude se dedicou a pequenas grandes inquietações traduzidas em espetáculos de “entressafra”. Foram montagens pequenas que circularam por alguns festivais e davam vazão às sempre presentes inquietudes da artista. Sublime Travessia, que cumpre temporada no CCBB-BH até 12 de dezembro tem outro porte. Ou melhor, […]

LEIA MAIS
photo

Cinco peças da Campanha que merecem uma aposta

Em 2017 a Campanha de Popularização do Teatro e da Dança terá 192 espetáculos. Todo ano muita gente fica perdida entre tantas opções e pede dicas. Aí vão elas. São três listas: Aquelas que eu já vi e recomendo; As que ainda não vi, mas vou ver (este post); Comédias já que é o gênero […]

LEIA MAIS
photo

A volta de João das Neves à vida de ator

Lá se vão 25 anos desde que João das Neves pisou no palco como ator. Até que, por coincidência, Lazarillo de Tormes, texto do século XVI, de um autor anônimo, arrebatou o artista de 82 anos. “Brincamos de fazer teatro o tempo todo. É muito gratificante e profundo”, revela. Pronto, João está de volta à […]

LEIA MAIS