fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

‘O estranho que nós amamos’: tenso e surpreendente novo longa de Sofia Coppola 

Por Carol Braga

14/08/2017 às 14:13

Publicidade - Portal UAI

Nicole Kidman protagoniza ‘O estranho que nós amamos’. Crédito: Universal Pictures

Sou dessas que entram em uma sala de cinema só para conferir novos trabalhos de determinados diretores. Sim, apenas alguns, e com eles a sinopse, o elenco, pouco importam. Sofia Coppola é uma dessas.

Acompanho a carreira desde Encontros e desencontros (2003). Gosto dos significativos silêncios daquele filme. Depois vieram muitos. A versão de Maria Antonieta (2006) pop no século XV e a pontual crítica à sociedade de consumo em Bling Ring: a gangue de Hollywood (2013). Em todos eles é perceptível cada objetivo da cineasta.

Em O estranho que nós amamos não é diferente. Com o filme, Sofia tornou-se a segunda mulher a conquistar o prêmio de direção no Festival de Cannes. Nunca é demais lembrar o quanto este universo é machista, mesmo ela tendo um pedigree e tanto.

Para quem não sabe, Sofia é filha de Francis Ford Coppola. Sobre isso recomendo a leitura do texto “Por que já passou da hora de Sofia Coppola ser criticada pelo sobrenome”.

TRAMA

A forma como ela constrói e sustenta a tensão da trama, que se passa no século XIX, é o maior mérito. A história é adaptada de um livro publicado em 1966. É o segundo longa que se faz a partir deste romance. O primeiro foi em 1971 com Clint Eastwood como um dos protagonistas.

O elenco principal atual é formado por Nicole Kidman como Srta. Martha, Kirsten Dunst como Edwina e mais cinco meninas interpretadas por Elle Fanning, Angourie Rice, Oona Laurence, Emma Howard e Addison Riecke. Collin Farrel é o cabo McBurney.

Ou seja, sete mulheres e um homem. Por todo o contexto feminista que estamos vivendo, por Sofia ser uma das poucas diretoras a transitar bem por Hollywood, até cheguei a pensar que poderia ter uma reflexão diferente sobre a posição da mulher. Nem tanto. Acho que ela até vai pelo caminho contrário, o que é delicado.

ESPERA E CONFINAMENTO

O longa se passa em no máximo três locações diferentes. A principal delas é a casa onde se instala o internato comandado por Srta Martha (Nicole Kidman). Ela ensina as jovens do século passado como cozinhar, como bordar, cantar, tocar instrumentos musicais enquanto os homens estão na guerra. É uma rotina bastante repetitiva até que o cabo McBurney é encontrado por uma das moças. Está ferido e precisa se recuperar.

Continua após a publicidade...

As mulheres decidem cuidar do rapaz até que fique bom. Advinha? Claro que a presença masculina ativa todas as tensões hormonais e sexuais que viviam contidas dentro do casarão.

O elenco me pareceu bem equilibrado. Os olhares e a economia de palavras contribuem para reforçar o clima proposto pela diretora. Ao mesmo tempo em que há cumplicidade entre elas, também existe disputa em cada segundo da projeção.

Sofia Coppola mostra as transformações com delicadeza e tensão, muita tensão. Tem tesão também.

O fato de não ter grandes alterações de locações reforça a ideia de enclausuramento. Um mundo bem restrito. No caso delas, é uma prisão voluntária resultado do contexto exterior. São mulheres condenadas a uma espera que parece sem fim.

A cineasta faz com que a condição delas – que aguardam pelo fim da guerra, a recuperação do soldado – seja também a nossa. Sabemos que alguma coisa vai acontecer, sem ideia de o que, como, ou quando. E acontece, com inteligência, perspicácia e um tanto de perversão. O estranho que nós amamos é, no mínimo, surpreendente.

Continua após a publicidade...

photo

Depois de encantar Tiradentes, cineasta de Cordisburgo competirá em Berlim

Cordisburgo, no interior de Minas Gerais, é famosa por ser a cidade natal de Guimarães Rosa. Falecido em 1967, o autor deixara um legado que talvez seja grande até demais. Até hoje os habitantes de Cordisburgo vivem às suas sombras. E os talentos contemporâneos que saem dali acabam entrando em uma disputa por atenção que […]

LEIA MAIS
photo

Confiras dicas para o seu fim de semana: 26 de abril

Chegou o grande dia. Vingadores: O Ultimato estreia ocupando 80% das salas de cinema do Brasil inteiro. Alguma dúvida que é a maior abertura no cinema no ano? Eu não, mesmo estando em abril. As redes exibidoras terão uma taxa de ocupação neste fim de semana bem superior ao que estavam tendo ultimamente. Sim, você […]

LEIA MAIS
photo

CineBH e Max começam com dobradinha de clássico e contemporâneo

Por Francyne Perácio* Luz, câmera e muita emoção foi o que presenciou quem assistiu a abertura da 11ª CineBH e 8º Brasil CineMundi na Praça da Estação na noite do dia 22 de agosto.  O caos urbano do hipercentro foi cuidadosamente abafado pela música e elementos visuais presentes no local. E foram muitos! O show […]

LEIA MAIS