fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Cinco autores cujas obras entraram em domínio público em 2021

As obras podem ser adaptadas e replicadas sem necessidade de autorização ou pagamento de direitos autorais. George Orwell é um dos mais aclamados da lista.

Por Jaiane Souza *

13/01/2021 às 09:56 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
O escritor George Orwell. Foto: The Granger Collection / Fotoarena

Toda vez que um artista morre, 70 anos depois, contados a partir de primeiro de janeiro do ano seguinte à morte, a obra cai em domínio público. Ou seja, pode ser distribuída, reproduzida, traduzida, adaptada ou publicada sem a necessidade de autorização. No caso da literatura não é diferente, as editoras, por exemplo, podem criar novas versões ou republicar a partir do original. 

A determinação dos 70 anos é estabelecida pela Convenção de Berna e o Brasil faz parte dos mais de 100 países signatários. Ela nasceu em 1880 a partir de uma reivindicação de Victor Hugo, já que uma obra feita no Reino Unido, por exemplo, podia ser reproduzida sem problemas em outro país. Dessa forma, a convenção protege obras literárias e artísticas em nível mundial em países signatários.

Por isso, selecionamos alguns autores que entraram em domínio público em 2021. Os livros e outras obras são de uso livre, mas o credito do autor é obrigatório. 

George Orwell

Considerado um dos maiores escritores ingleses e o mais influente do século XX, Eric Arthur Blair, verdadeiro nome de Orwell, também foi jornalista e ensaísta. A principal característica do escritor era o olhar extremamente crítico e além do seu tempo. A escrita tem pelo bom humor, inteligência, clareza e objetividade, mesmo tratando de temas complexos, e a reflexão das injustiças por meio da narrativa.

Entre as principais obras, 1984 e A revolução dos Bichos. Ambos os livros são importantes para refletir sobre autoritarismo e sobre a realidade. 1984 é uma distopia publicada em 1949 e trata de uma país fictício que controla os habitantes por meio de telas. Dessa forma, quem vai contra o regime totalitário simplesmente deixa de fazer parte da história do país. 

Edgar Rice Burroughs

Natural de Chicago, nos Estados Unidos, Edgar exerceu diversas funções na literatura. Como a de romancista, escritor de ficção científica e literatura infantil e roteirista. Entre as principais criações está o Tarzan, personagem que rendeu livros, histórias em quadrinhos, filmes, séries e outros programas. Além disso, outra criação é o personagem John Carter, um veterano herói da Guerra Civil Americana. Este, por sua vez, ganhou o mundo dos jogos, dos filmes, das histórias em quadrinhos e, claro, dos livros. Todos explorando a ambientação fora da Terra, já que o personagem foi transportado para Marte e capturado por uma tribo de guerreiros humanoides. 

A atuação de Burroughs na ficção científica influenciou produções como Avatar e Star Wars. Leia aqui mais fatos e curiosidade sobre ele. 

domínio público

A poetisa Edna St. Vicent Millay. Foto: Alfred Eisenstaedt / The LIFE Picture Collection / Getty Images

Edna St. Vincent Millay

A estadunidense, poetisa e dramaturga foi a primeira mulher vencedora do Prêmio Pulitzer, em 1923 na categoria Poesia. No ano seguinte, recebeu a Frost Medal pela participação e contribuição durante toda a vida para a poesia dos Estados Unidos. A principal marca da escrita poética de Edna era a tradição na forma. Entretanto, se aventurava na variedade de conteúdo, sendo permeado por um certo misticismo. Além disso, a reflexão sobre gênero e independência das mulheres era presença forte. Também publicou prosa sob o pseudônimo de Nancy Boyd. 

George Bernard Shaw

Ao lado de Bob Dylan, foi o único a conquistar um Prêmio Nobel de Literatura (1925) e um Oscar (1938). O dramaturgo, contista, ensaísta, jornalista e romancista irlandês venceu o Oscar pelo roteiro adaptado de Pigmaleão, peça teatral de 1913 escrita por ele mesmo. O Nobel foi pelas contribuições pela literatura. Atuou durante anos como jornalista enquanto não teve reconhecimento na produção literária. Mas foi na dramaturgia que se destacou. A peça O homem e as armas, uma das primeiras, estreou com resistência, mas depois ganhou o mundo. A mais célebre é a já citada Pigmaleão

Johannes Vilhelm Jensen

Outro vencedor do Prêmio Nobel de Literatura. Jensen foi premiado pela “rara força e fertilidade de sua imaginação poética com a qual se combina uma curiosidade intelectual de amplo escopo e um estilo ousado e recém-criativo”. O autor ainda é inédito no Brasil. No entanto, a entrada em domínio público pode facilitar e até mesmo agilizar as publicações por aqui. Foi um nome importante do modernismo na Dinamarca e as suas obras tinham como pano de fundo principalmente o estilo de vida do local onde nasceu. O estilo e produção foram fontes importantes para gerações posteriores. 

 

photo

Cinco podcasts com temáticas negras para conhecer em 2021

Nós sempre indicamos aqui os podcasts que estamos ouvindo, né? Já falamos de podcasts mineiros, dicas de produções sobre cultura para ficar antenado e até uma análise de Praia dos Ossos. Esse último reconstitui o assassinato de Ângela Diniz, morta em Búzios. Por isso, chegou a hora de expandir ainda mais e a dica da […]

LEIA MAIS
photo

Por que o grupo Os Barões da Pisadinha faz tanto sucesso no Brasil inteiro?

A música Recairei, dos Barões da Pisadinha ficou no topo das mais tocadas na virada do ano na plataforma Deezer. Seguida por outros hits como Blinding Lights, de The Weeknd, Basta você me ligar, também dos Barões e Você tem meu WhatsApp, de Tarcísio do Acordeon, a faixa ajudou a colocar ainda mais em evidência […]

LEIA MAIS
photo

“Cor”, novo disco de Anavitória, tem nova sonoridade, mas não deixa de lado marca registrada da dupla

2021 começou com tudo para os fãs e para o duo Anavitória. Isso porque, já no primeiro dia do ano, a dupla formada por Ana Caetano e Vitória Falcão lançou o disco Cor. Este é o quarto álbum de Anavitória e chegou sem aviso prévio. Apenas a foto das duas um dia antes foi publicada […]

LEIA MAIS