fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

‘Bandeira de Retalhos’: A união fez a força no novo longa do veterano Sérgio Ricardo

Por espculturadoria

22/01/2018 às 19:22

Publicidade - Portal UAI

Para entender o termo “cinema de mutirão” criado pelo compositor e cineasta Sérgio Ricardo, bastava olhar para o palco no momento da introdução de seu filme “Bandeira de retalhos”, na Mostra de Tiradentes. Uma verdadeira multidão se aglomerou ali. Era apenas metade da equipe do filme.

“Afeto” foi uma palavra muito utilizada pelo respeitado artista em sua fala. Ele recebeu um dos aplausos mais calorosos da Mostra até então.  Afinal, somente com muito amor e boa vontade se poderia fazer um filme com um elenco tão numeroso, formado por atores voluntários. Todos integrantes do projeto Nós do Morro.

 

O músico e cineasta Sérgio Ricardo na Mostra de Cinema de Tiradentes. Crédito: Jackson Romanelli/Universo Produção

O filme

A sintonia entre os membros da equipe se traduziu no longa, nas interações entre os personagens. Somos imediatamente apresentados a uma comunidade unida. Formada por indivíduos que, apesar de diferentes entre si, sabem conviver e cuidar uns dos outros.

Bandeira de Retalhos” apresenta uma narrativa simples e direta. Comporta, além da luta dos moradores pela preservação do morro do Vidigal, um triangulo amoroso clássico. Uma moradora da comunidade, seu atual marido e seu ex-namorado, um traficante procurado pela polícia.

Com isso, o filme trabalha temas atemporais. A indiferença das autoridades com relação ao povo, a união das comunidades e a importância de humanizar os indivíduos, deixando os rótulos de lado.

Trata-se da adaptação de uma peça. A preservação da teatralidade da história original no filme foi uma preocupação do diretor. A câmera se movimenta pouco, os planos são abertos e forçam os atores a estar em constante atividade durante as cenas.

 

Continua após a publicidade...

 

Multitalentoso

Quando questionado sobre sua preferência acerca de uma atividade – música ou cinema – Sérgio assumiu o dilema. “Eu sou os dois: um cineasta que faz música e um músico que faz cinema”, brincou. Além da direção e do roteiro, ele também se encarregou de compor a trilha de “Bandeira de Retalhos”.

A música, aliás, é uma das protagonistas. É ela que imprime um tom nostálgico ao filme e transporta o espectador direto aos anos 70. No debate realizado após a exibição, Sérgio falou sobre como as duas paixões influenciam seu processo criativo. “Para mim é um grande desafio evitar que o filme se torne um musical. Porque considero a música como um personagem na história”, declarou.

Além disso, o diretor deu uma verdadeira aula sobre como os elementos musicais podem ser incorporados em todas as artes, inclusive no cinema. “A melodia se refere à linearidade do filme, a forma com que a narrativa se costura está relacionada à harmonia, e o ritmo é a capacidade de conquistar o envolvimento do espectador”.

 

O músico e cineasta Sérgio Ricardo na Mostra de Cinema de Tiradentes. Crédito: Jackson Romanelli/Universo Produção

 

Veterano

Aos 85 anos, o foco e a disposição já não são os mesmo de outrora. Fato que ele encara com bom humor. “Depois de uma certa idade é engraçado. Você começa uma frase sem saber como vai terminar, e depois não se lembra o que estava querendo dizer”, brincou. Mas engana-se quem pensa que a idade é um fator limitante para Sérgio Ricardo. Ele garantiu que não pensa em se aposentar tão cedo, e já tem dois projetos encaminhados.

Apesar da vasta experiência como músico e cineasta, foi em um episódio conturbado que ele ganhou notoriedade nos anos 60. Ele quebrou e arremessou seu violão contra a plateia durante um festival de música em reação às vaias. Mas com boa dose de carisma, humildade e bom humor, é seguro dizer que ele deixou esse episódio para trás. Conseguiu construir um legado que fala por si só.

*Viajou a convite da Mostra de Cinema de Tiradentes

 

Continua após a publicidade...

photo

Bohemian Rhapsody surpreende no Globo de Ouro 2019

Foi uma noite que começou com poucas surpresas mas que rolou um revertério do meio para final. Principalmente nos prêmios entregues nas categorias de filmes. No fim das contas, os grandes vencedores foram Bohemian Rhapsody, Green Book: o guia e Roma. Entre as séries, destaque para o reconhecimento da novata O método Kominsky. O Globo […]

LEIA MAIS
photo

Poesia em verde e rosa: o marco do segundo disco de Cartola na música brasileira

Guilherme Peixoto * Morador do Morro da Mangueira, Angenor de Oliveira, o Cartola, era um dos mais renomados compositores do samba carioca. Apesar disso, as dificuldades financeiras forçavam o músico a vender suas letras para cantores de grande fama. A situação só foi alterada em 1974, quando Cartola, já com 66 anos de idade, lançou […]

LEIA MAIS
photo

Cinema na quarentena: Retrato de uma Jovem em Chamas

No filme Retrato de uma Jovem em Chamas, vencedor do prêmio de melhor roteiro no Festival de Cannes em 2019, a pintora Marianne (Noémie Merlant) recebe uma missão um tanto quanto diferente. Ela precisa fazer um retrato de Héloïse (Adèle Haenel) baseado, apenas, nas próprias memórias. A jovem nobre que passa temporada em uma isolada […]

LEIA MAIS
photo

Cinema na quarentena: as impressões sobre O poço, filme da Netflix

Um filme sensorial, com críticas sociais e que nos faz refletir sobre o que estamos vivendo. São essas as impressões que ficam após assistir O poço, de Galder Gaztelu-Urrutia, nova produção original espanhola da Netflix. O longa lançado em março, é cheio de camadas, interpretações marcantes e um enredo que bate em cada um de […]

LEIA MAIS
photo

Cinema na quarentena: ‘Entre facas e segredos’ mostra a graça que o suspense pode ter

Geralmente os filmes de suspense costumam ser, no mínimo, tensos, né? Agora, o que Entre facas e segredos, o longa dirigido por Rian Johnson, mostra é o quanto o humor pode fazer bem às histórias com assassinatos, perseguições e muitas desavenças familiares. É até curioso dizer, mas está aí uma delícia de filme! Sim, porque […]

LEIA MAIS
photo

Cinema na quarentena: confira dicas de adaptações literárias

A literatura costuma ser uma fonte de inspiração para o cinema. Tanto é que muitas adaptações já deram o que falar. Neste post separamos nove delas. Alguns clássicos e outras surpresas que muitos nem sabem que foram baseadas em livros. Esse também foi o tema desta semana do podcast Pipoca BH FM. Uma parceria do Culturadoria […]

LEIA MAIS