Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Filmes que você não sabia que eram adaptações de clássicos

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

De As Patricinhas de Beverly Hills à Meu Namorado é um Zumbi conheça adaptações modernas de obras clássicas da literatura

Maria Clara Lacerda | Culturadora

Já ouviu falar que nada se cria, tudo se transforma? Essa é a razão para que vira e mexe obras clássicas sejam revisitadas pelo cinema atual. É o exemplo de adaptações como Emma (2019), Macbeth (2015) e da versão de Persuasão, lançamento previsto pela Netflix para 2022.

Apesar disso, as adaptações nem sempre são feitas no formato… clássico. Em alguns casos, a sociedade inglesa se transforma em grupos de estudantes do ensino médio. Já em outro, por exemplo, famílias rivais do norte da Itália acabam dando lugar à briga entre humanos e zumbis. 

Ficou curioso? Vem conferir essa lista especial de filmes que você ainda não sabia que eram adaptações modernas de clássicos.

As Patricinhas de Beverly Hills (1995)

Qualquer semelhança entre Cher Horowitz e Emma Woodhouse não é mera coincidência. Quando a diretora Amy Heckerling lançou As Patricinhas de Beverly Hills, a intenção era mesmo trazer uma versão contemporânea da obra de Jane Austen. 

Trocamos a sociedade inglesa do início do século XIX por Beverly Hills na beira do século XXI. Bonitas, ricas e mimadas, – mas cheias de boas intenções – as protagonistas decidem que tem o dever e o talento para consertar a vida de todos ao seu redor. Até parece!

As Patricinhas de Beverly Hills é uma das adaptações, mais moderna do clássico "Emma" da autora Jane Austen Reprodução: Paramount Pictures
As Patricinhas de Beverly Hills é uma das adaptações, mais moderna do clássico “Emma” da autora Jane Austen Reprodução: Paramount Pictures

10 Coisas que Eu Odeio em Você (1999) 

A Megera Domada, peça que Shakespeare escreveu em 1594 inspira uma das comédias românticas mais amadas, ‘10 Coisas que Eu Odeio em Você’. A dinâmica é a mesma, a irmã mais nova, Bianca, quer viver um romance, mas só pode quando a irmã mais velha estiver comprometida. 

Para o terror da caçula, Kat tem um gênio terrível, e nenhuma pretensão de arrumar alguém. É aí que surge Patrick Verona, o amado personagem de Heath Ledger, contratado para seduzir Kat. 

Além das inspirações mais óbvias, o longa é cheio de pequenas referências ao autor. O sobrenome das irmãs, Stratford, é uma referência à cidade natal de Shakespeare, Stratford-upon-Avon. Além disso, a escola dos personagens se chama Pádua, nome da cidade onde se passa a obra original.

O Diário de Bridget Jones (2001)

Prova de que nada se perde, mas se transforma, o longa nasceu do no livro de Helen Fielding, lançado em 1996. Mais distante da obra de Jane Austen, a história de Bridget Jones é uma adaptação do livro de 1813. 

Apesar de não ter a mesma pressão da Inglaterra do século XIX para encontrar um marido, Bridget Jones ainda sofre com as cobranças da sociedade. Na busca por um cara certo, surge Mark Darcy – lindo, rico e presunçoso –  interpretado por Colin Firth, que assumiu o papel do interesse amoroso de Elizabeth Bennet na adaptação de 1995. Apesar das diferenças de classe e de personalidade, surge um romance que rendeu várias sequências.

Ela é o Cara (2006)

Alguns detalhes separam ‘Noite de Reis’, publicada por Shakespeare em 1602, de ‘Ela é o Cara’, versão modernizada da peça teatral. Com menos dramas do que a versão original, Viola aproveita uma viagem do irmão gêmeo para assumir a identidade dele e também a vaga no time masculino. 

Assim como na peça, ela acaba se apaixonando por Duke. Detalhe: ele pensa que ela é um homem e é apaixonado por Olivia. Apesar disso, Olivia se apaixona por Sebastian – que na verdade é Viola.

Sem Prada Nem Nada (2011) 

‘Sem Prada Nem Nada’, lançado por Angel Garcia em 2011, remonta a história de Razão e Sensibilidade, publicado por Jane Austen em 1811. No lugar das irmãs Elinor e Marianne Dashwood, da obra de Austen, encontramos Nora e Mary Dominguez.

Acostumadas com tudo de bom e do melhor, elas ficam desamparadas e sem um tostão depois da morte do pai. Em resumo, na versão moderna, as irmãs moram com uma tia distante, em um bairro de imigrantes em Los Angeles, onde aprendem uma lição de humildade e se reconectam com suas raízes mexicanas.

Meu Namorado é um Zumbi (2013)

Outra prova de que tudo se transforma, ‘Meu Namorado é um Zumbi’ é baseado no livro ‘Sangue Quente’ de Isaac Marion. Lançado em 2010, a história é baseada no clássico dos clássicos, ‘Romeu e Julieta’, publicado por Shakespeare lá em 1597.

No lugar de duas famílias de Verona, levadas por antigos rancores, temos um cenário apocalíptico, onde zumbis e humanos disputam por sobrevivência. Nesse cenário, então, temos um romance proibido entre o zumbi R que se apaixona pela humana Julie – notou a semelhança dos nomes?

Ao contrário da obra de Shakespeare, essa obra que mistura horror, romance e comédia, não tem tragédia no final.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

[ COMENTÁRIOS ]

[ NEWSLETTER ]

Fique por dentro de tudo que acontece no cinema, teatro, tv, música e streaming!