fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

75 anos de Elis Regina: por que ela é a maior intérprete da música brasileira?

Dona de interpretações memoráveis e voz marcante, a artista fez história na música brasileira, sendo considerada uma das maiores de todos os tempos

Por Jaiane Souza *

17/03/2020 às 14:22 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Foto: Acervo UH / Folhapress

Elis Regina é considerada por muitos a melhor cantora do país e, quiçá, a melhor cantora de todos os tempos. Os breves 36 anos de vida foram suficientes para elevar a artista ao topo da lista de intérpretes mais marcantes do Brasil. Ela nasceu em Porto Alegre no dia 17 de março de 1945. A data nos instiga a recontar a história dela e refletir sobre as razões que ainda a mantém no topo da lista entre as intérpretes brasileiras.

Elis começou a cantar muito nova. Aos 11 anos já embarcou na carreira musical ao participar de programa infantil de rádio chamado O Clube do Guri. Aos 16, gravou o primeiro disco, Viva a brotolândia (1961), e não parou mais. Deslanchou com uma carreira intensa, cheia de parcerias, sucessos e foi responsável por revolucionar a MPB com a sua voz e interpretação.

Para o cantor, compositor e produtor musical Bob Tostes, foram algumas características pessoais de Elis que a fizeram destacar. Entre elas estão: a inteligência musical, a capacidade de adaptação a ambientes e estilos e também a voz, é claro. 

 

Fagner, Elis e Ronaldo Bôscoli Foto: Acervo Raimundo Fagner

Versatilidade

Um dos primeiros pontos destacados por Bob é a versatilidade. Ele lembra também da junção de talentos múltiplos de Elis. “Ela conseguia ser doce, agressiva, introspectiva… colocar a emoção que quisesse e que fosse preciso em cada interpretação. A emoção aflorava a ponto de ela chorar”. Exemplo disso é o fim da canção Carta ao mar, de Ronaldo Bôscoli e Roberto Menescal. Na gravação, dá para ouvir como a cantora se emociona e no final fica clara a voz embargada. “Ela soluça de uma forma tão bonita no fim da música, tão musical e ainda é dentro do tempo”, observa Tostes.

Além disso, cantava em inglês, francês, espanhol e “no que ela quisesse”, segundo Bob, e passavam pelo samba, rock, jazz, bossa nova e MPB. 

Inteligência musical

Outro fator fundamental na carreira de Elis Regina foi a capacidade que ela tinha em identificar o que funcionaria ou não artisticamente para ela. “Ela conseguia identificar e descobrir os talentos, como foi o caso do Fagner, por exemplo. Ninguém o conhecia e ela gravou”, relata Bob. Além disso, Elis dava vida às canções. “Quando ela gravou Mucuripe, composta por ele, parecia que a música era dela e de mais ninguém”. 

O mesmo aconteceu com outros artistas como João Bosco,  Milton Nascimento, Belchior, Renato Teixeira e Ivans Lins. Os duetos e parcerias perduraram durante toda a carreira. Só para destacar alguns de grande sucesso: Jair Rodrigues, Rita Lee e Tom Jobim. O encontro com o maestro rendeu o álbum Elis e Tom que recebeu o título de um dos melhores LPs da história da Música Popular Brasileira. 

Elis e Tom

Lançado em 1974, o disco tem arranjos do pianista e então marido de Elis, César Camargo Mariano. Em resumo, o álbum contém momentos de dueto e de Elis cantando sozinha acompanhada no violão ou piano. O maior sucesso do disco foi a gravação dela para Águas de março. Outros sucessos: Corcovado e Inútil paisagem também estão presentes. 

Só para ilustrar o quão gigante é o registro do encontro entre Elis Regina e Tom Jobim, o álbum é aclamado por crítica e público, inserido em livros, enciclopédias e compêndios nacionais e internacionais de música. Também foi escolhido por críticos e jornalistas como o 11º melhor disco de música brasileira pela Rolling Stone. No contexto educacional Elis e Tom é tema obrigatório no Vestibular da Universidade do Rio Grande Sul

 

Foto: Elis Regina em Paris / Getty Images

A voz

Afinação é uma das características básicas para os cantores. Então, a comentar a partir deste ponto vale destacar o poder da voz de Elis Regina. A extensão vocal ia do grave ao agudo, transitando entre a técnica refinada, a emoção e a teatralidade. Dessa forma, improvisava melodias junto à banda. Ela também foi a primeira pessoa a inscrever a própria voz como um instrumento na Ordem dos Músicos do Brasil. “Ela reunia características de intérpretes brancos, negros, brasileiros, internacionais”, afirma Bob.

Curiosidades

Bob Tostes teve alguns momentos curiosos e marcantes ao lado de Elis Regina. Isso porque é amigo de Roberto Menescal, que, por sua vez, foi produtor e amigo de Elis Regina. Foi assim que ele se aproximou da cantora. Um belo dia, todos foram para a casa de Bob Tostes e ele ofereceu a típica goiabada com leite para um pequeno lanche bem mineiro. “Mas ela estava colocando a goiabada dentro do copo de leite. Então, eu disse que não era assim, que deveria misturar dentro da boca: uma mordida na goiabada e um gole de leite”, relembra aos risos.

O exemplo mostra como a personalidade da artista era leve e irreverente. Ademais, neste ponto, Tostes relembra também da altura de Elis. “Ela só media 1,52 e disse mais de uma vez que gostaria que Deus a tivesse feito um pouquinho mais alta”, conta Bob. A questão da altura nos leva a uma das características artísticas de Elis. Ela era baixinha, mas se tornava uma gigante no palco durante as interpretações.

A era dos festivais

Até 1963, Elis gravou um total de quatro discos, que não fizeram muito sucesso. São eles Viva a brotolândia (1961), Poema de amor (1962), Elis Regina (1963) e O bem do amor (1963). No entanto, essa história começou a mudar em 1965 quando se apresentou no festival de música da TV Excelsior. Ao interpretar Arrastão, de Vinicius de Moraes e Edu Lobo, encantou. Isso garantiu um convite para trabalhar na televisão e ainda rendeu o título de primeira estrela da canção popular brasileira. 

O título veio quando passou a apresentar o Fino da Bossa ao lado de Jair Rodrigues. O programa é o mais importante do estilo. A realização e consagração da carreira artística de Elis Regina no festival da TV Excelsior foi o ponto de partida para um período de efervescência artística na produção cultural brasileira. Não podemos ignorar que em 1965 o Brasil sofria com o primeiro ano de Ditadura Militar e as severas consequências do AI-5. Mesmo assim, ao longo de 20 anos, diversos artistas foram revelados nos festivais promovidos pela televisão. Só para exemplificar, nomes como Chico Buarque, Edu Lobo, Milton Nascimento, Caetano Veloso e Gilberto Gil surgiram no período.

O mais interessante é que a era dos festivais foi importantíssima para a produção dentro da música popular brasileira, mas, além disso, ajudou a promover a difusão e formação da idade nacional. Você pode saber mais sobre os festivais e a sua cronologia neste artigo no site do Musica Brasilis.

Elis Regina na Literatura 

Não só na música que Elis Regina tinha diferentes versões de si mesma. Uma dessas facetas é contada no livro Elis e eu – 11 anos, 6 meses e 19 dias, escrito por João Marcello Bôscoli, filho mais velho da artista. Na obra, João Marcello conta quem foi Elis Regina a partir das suas percepções de criança, já que conviveu com ela até os onze anos apenas. Uma das motivações para escrever o relato é a questão que sempre ouviu: “você se lembra da sua mãe?”.

De acordo com o autor, a pergunta sempre era feita em situações corridas e sem muito espaço responder. Dessa forma, sem pesquisa externa, entrevistas ou consultas bibliográficas, colocou no papel as memórias. Acompanham o livro fotos raras dos momentos entre mãe e filho. Elis e eu foi publicado pela Planeta de Livros e está à venda por R$ 41,90

Além deste, outros livros foram lançados retratando a trajetória de Elis Regina na música e na vida pessoal. No blog da Estante Virtual você encontra cinco livros que relembram a trajetória da artista

photo

50 anos de Rachel Weisz: 5 filmes com a atriz que você não pode deixar de ver

A gente sabe que você ama uma lista de filmes para curtir aquele fim de domingo em casa. Sabemos também que não tem nada pior que passar horas escolhendo um título que não é lá grandes coisas. Por isso, para te ajudar, vamos escolher sempre dois aniversariantes do mês, dentre artistas, diretores e outros profissionais […]

LEIA MAIS
photo

K-pop: fãs explicam o sucesso do gênero musical sul-coreano

Um estilo musical que virou tendência entre a garotada e vai muito além da música: está na forma de se vestir e até mesmo de se comunicar. Estamos falando do k-pop, uma febre mundial, originário da Coreia do Sul, que se caracteriza por uma grande variedade de elementos audiovisuais. O sucesso é tão grande, que […]

LEIA MAIS
photo

Entenda por que o funk é o ritmo brasileiro mais ouvido no exterior

“Eu parado no bailão, no bailão | Ela com o popozão | O popozão no chão”.  A letra que fica na mente e contagia é de Parado no Bailão, funk de Mc L Da Vinte e Mc Gury. Além de ter conquistado o Brasil, top 10 do Spotify no país, também é uma das mais […]

LEIA MAIS