Foto: Thyago Andrade
07 maio 2018

Zezé Motta faz Tiradentes sambar dentro da Matriz de Santo Antônio

O que diferencia o Tiradentes em Cena de outros festivais de teatro é a possibilidade de ocupar espaços de fato pouco convencionais para as apresentações. Prova disso, foi o show ‘Divina Saudade’, de Zezé Motta, realizado dentro da igreja de Santo Antônio. Quem esteve lá teve a oportunidade única de ouvir a homenagem a Elizeth Cardoso e ainda cair no samba.

Sim, depois de pouco mais de uma hora de show o público se jogou no altar para sambar. E com intensidade, dentro da Matriz. Com um detalhe curioso, no passado os negros eram proibidos de pisar lá dentro. No Tiradentes em Cena, eles dominaram o discurso e a presença em cena. Inclusive dentro da igreja, momento que até agora foi o ápice do Festival.

Zezé Motta é a homenageada desta edição da Mostra. Apresentou o show ‘Divina Saudade’, um trabalho de 2003 que presta tributo a Elizeth Cardoso. Canções de Vinicius de Moraes e de Ary Barroso também estiveram no set list. Foi o primeiro show dela na cidade.

Zezé Motta e o público na Igreja da Matriz de Santo Antônio. Foto: Thyago Andrade/Divulgação

 

A felicidade em participar no evento era visível. Zezé estava acompanhada apenas de um tecladista. Vale ressaltar que embora o som do teclado estivesse bom, o mesmo não se pode dizer para o microfone da cantora. Parecia mais baixo do que o ideal. A questão técnica não parou Zezé. Ela aproveitou o espaço e andou pelos corredores da igreja, dessa forma interagiu com o público e até com os cães que insistiram em permanecer por lá.

O show que iniciou de maneira mais contida, cresceu. E muito. Por isso as pessoas se jogaram no altar, tamanha foi a entrega durante o espetáculo. Com ‘Senhora Liberdade’ Zezé Motta encerrou o show e foi ovacionada.

“É emocionante receber essa homenagem. A vida do artista parece ser sucesso e glamour, mas tem um lado difícil. Fazer arte no Brasil é difícil, manter uma carreira por 50 anos é muito difícil. Quando acontecem homenagens é um estímulo para que você vá em frente”, disse.

 

Roda de conversa com Zezé Motta e Aruana Zamby – Foto: Thygo Andrade / Divulgação

Diálogos e Liberdade

Pela manhã Zezé esteve presente em uma roda de conversa. O objetivo era discutir a representação da mulher negra nas artes cênicas. Ela dividiu a mesa com a atriz mineira Aruana Zamby, atriz do espetáculo ‘O Negro Conta’. Elas falaram sobre o racismo estrutural no Brasil e as dificuldades enfrentadas pelas mulheres. Dessa forma, a história de vida das artistas fundamentaram a conversa. A questão dos processos de embranquecimento também foi trazida à tona. O assassinato de Marielle Franco foi trazido para as discussões, fazendo com que as pessoas presentes levantassem o grito: Marielle presente!

 

O Negro Conta

A discussão sobre racismo, o lugar de fala do negro e a liberdade não ficaram apenas na roda de conversa e no show de Zezé. O espetáculo ‘O Negro Conta’ trouxe um discurso necessário inspirado nas memórias dos artistas negros mineiros: Aruana Zamby e Evandro Passos.  Uma narrativa que mescla humor, memória e reflexão. Dividida em blocos, as cenas resgatam figuras negras que marcaram a história, como a própria Zezé Motta, Betina, Virgínia Bicudo, Pixinguinha.

Os atores dialogam todo momento com o cenário, cheio de espelhos. O significado deles, no entanto, não fica tão claro. Certamente há metáforas por trás da escolha feita pela direção e representada pelo cenário. O que reforça o texto é a colocação da vivência dos atores que mostram o quanto a sociedade é racista.

‘O Negro Conta’ – Foto: Thygo Andrade / Divulgação

Experimentações

O terceiro dia do Tiradentes em Cena ainda contou com programação para a criançada. No Largo das Mercês teve ‘Chapeuzinho Vermelho’, da Cia O Trem Faz. Nesta versão do clássico os atores da trupe apresentam o ponto de vista de cada um dos personagens.

No Sobrado Cultural Aimorés a atriz Carolina Correa apresentou o solo Trombo. Balões ao chão, chapas de radiografias na parede e luz, muita iluminação. Ela interpretou a história da mulher que sente a dor, que sente os golpes, que procura um alívio para sua existência. Recorre a médicos, clínicas e hospitais, faz exames, testes e ressonâncias. Não encontra nada, apenas um falso diagnóstico que vai mudar a maneira de ver a vida e as suas relações. Um espetáculo que causa estranhamento.

 

Veja o vídeo do momento final do show de Zezé Motta na Matriz de Santo Antônio em Tiradentes!

 

A equipe Culturadoria viaja a convite do Tiradentes em cena

Continua após a publicidade

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

FIT-BH: Últimos dias para inscrição de espetáculos locais

Oito produções cênicas nas categorias palco, rua ou espaço alternativo de grupos mineiros serão selecionadas para se apresentarem na mostra local da 14ª edição do FIT-BH, o Festival Internacional de Teatro Palco e Rua de Belo Horizonte. O evento será realizado do dia 13 a 23 de setembro. As inscrições para o processo seletivo já […]

Leia Mais

Culturadoria com as dicas para o seu fim de semana: 10 de agosto

  Vamp Se você foi fã da novela, dificilmente não vai curtir este musical. A turma é praticamente a mesma. Entre os 32 atores que fazem parte da montagem estão Claudia Ohana e Ney Latorraca. Ou seja, Natasha e Vlad. É uma montagem grandiosa, com 350 figurinos, 13 cenários. A trilha sonora tem várias músicas […]

Leia Mais

‘Pagliacci’ é um dos destaques do Festival Mundial de Circo

Uma grande homenagem à arte do palhaço e uma das montagens mais elogiadas do ano passado em São Paulo. Só por essa combinação, Pagliacci a mais recente montagem da Cia LaMínima, já deveria estar na programação do Festival Mundial de Circo de 2018. Porém, existe uma série de outros fatores afetivos que fazem a presença […]

Leia Mais

Comentários