fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

A volta de João das Neves à vida de ator

Por Carol Braga

21/10/2016 às 13:45

Publicidade - Portal UAI
João das Neves em cena. Foto: Daniel Brito/Divulgação
João das Neves em cena. Foto: Daniel Brito/Divulgação

João das Neves em cena. Foto: Daniel Brito/Divulgação

Lá se vão 25 anos desde que João das Neves pisou no palco como ator. Até que, por coincidência, Lazarillo de Tormes, texto do século XVI, de um autor anônimo, arrebatou o artista de 82 anos. “Brincamos de fazer teatro o tempo todo. É muito gratificante e profundo”, revela. Pronto, João está de volta à interpretação.

Ele se define como um homem de teatro. Como tal, se reconhece no cordel, nas manifestações indígenas, nas culturas afro-brasileira, nas pichações de rua, no hip-hop e em tudo que aparece como manifestação artística. Tudo diz respeito ao que ele é, não ao que procura ser.

Por isso a montagem que ocupa o palco Sesc Palladium, somente na noite desta sexta (21) mistura diversas linguagens. Tem máscaras, referências à cultura popular, literatura de cordel e até hip-hop. Com o detalhe de contar uma história do século XVI com fidelidade ao texto.

“Não é um personagem do seculo XVI, mas de hoje. Fala de uma maneira crítica de todas as mazelas que estamos vivendo”, define o ator e diretor.

Completam o elenco os atores Glicério Rosário e Rodrigo Cohen. Como será apenas uma sessão a previsão é que a montagem volte para temporada em Belo Horizonte em março de 2017.

No vídeo gravado especialmente para o Culturadoria, João das Neves comenta mais sobre o espetáculo e as motivações sobre a volta ao palco.

Lazarillo de Tormes
Sexta (21), às 21h, no Grande Teatro do Sesc Palladium, Rua Rio de Janeiro, 1.046, Centro, (31) 3214-5350. Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia).

 

photo

“O Rei da Vela”: Antropofagia Oswaldiana revisitada

Por Márcia Mendonça O que há em comum entre a montagem da peça O Rei da Vela, de 1967, e a de hoje? Qual a atualidade do texto de Oswald de Andrade? São épocas, espaços e contextos diferentes. Cinquenta anos separam a estreia do espetáculo, na turbulenta década de 1960, na capital paulista, da remontagem de […]

LEIA MAIS
photo

Grupo Galpão será homenageado no Prêmio Shell

No corre-corre antes da estreia. Na hora que atores e diretor começavam a falar sobre Nós, montagem do Grupo Galpão que estreou no primeiro semestre com direção de Márcio Abreu, o clima ainda era de dúvida. Mesmo entre eles, veteranos do palco. Quem estava imerso naquele espaço de criação parecia não ter a noção do […]

LEIA MAIS
photo

Impressões teatrais: Boca de Ouro e o teatro estético de Gabriel Villela

Não estava em meus planos escrever sobre Boca de Ouro, a montagem com texto de Nelson Rodrigues e direção de Gabriel Villela. Como muita gente perguntou as minhas impressões no Facebook e Instagram, resolvi cometer este texto. Sim, comenter pois se trata, apenas, de um ponto de vista. A peça esteve em cartaz no fim […]

LEIA MAIS