05 jan 2018

Verão Arte Contemporânea resiste graças às parcerias artísticas

Por Thiago Fonseca*

Embora sejam eventos com propósitos diferentes, Verão Arte Contemporânea e da Campanha de Popularização do Teatro e da Dança coincidem em um ponto. Não foi fácil pra ninguém produzir as edições dos respectivos festivais que ocupam a programação de janeiro em BH.

No caso do Verão, Ione de Medeiros chega a dizer que foi quase uma mágica montar a grade de atrações distribuídas em dez áreas diferentes. Segundo ela, teremos VAC graças às parcerias artísticas e de instituições culturais da cidade.

“Até dezembro não havia patrocínio e as perspectivas para o VAC eram ruins. Mas mesmo assim, a classe artística persistiu, e no fim do ano entrou verba da CODEMIG. Vamos realizar essa edição com excelência”, afirma Ione.

Jonnatha Horta Fortes, coordenador do Verão, ressaltou o momento crítico que as artes enfrentam. Não ter edital de incentivo à cultura em 2017 impactou o projeto de 2018. “Em 2015 recebemos R$150 mil de incentivo público, o que caiu em 2016 e 2017. Neste ano, não conseguimos captar. Ficamos com receio. Mas com muita luta apresentamos um festival rico e plural”, explica Jonnatha.

Continua após a publicidade

 

PROGRAMAÇÃO

Em 2018 o Verão de Arte Contemporânea irá manter a diversidade das artes que caracteriza o evento. Em 29 dias vão se apresentar artistas locais das áreas de teatro, dança, música, artes visuais, cinema, arquitetura e literatura, além de moda e gastronomia.

A instalação em espaço aberto como um “tableu vivant”, nos jardins do Teatro Francisco Nunes é uma das novidades. A ideia é recriar o quadro impressionista “O Almoço sobre a relva” de Edouard Manet. É uma proposta que compreende a presença de artistas que poderão pintar as recriações ao vivo da obra.

A edição também ganha o Movimento de Arte e Reflexão Política, com uma mesa redonda de artistas e intelectuais promovendo o debate com o público. Ainda inaugura uma parceria com o Centro de Referência da Juventude nas áreas de moda e gastronomia.

O Secretário de Estado da Cultura, Angelo Oswaldo, também esteve presente e ressaltou a importância VAC para o o fomento da cultura mineira. Assim como fez no café da manhã da Campanha, explicou a nova lei de incentivo e fomento à cultura que será sancionada até o dia 12 deste mês. Ele também anunciou a inauguração do teatro Paschoal Carlos Magno, em Juiz de Fora, na Zona da Mata Mineira.

Lançamento do VAC 2018. Crédito: Thiago Fonseca

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Evento do VAC discute o nu na arte a partir de quadro de Manet

Cento e cinquenta e cinco anos se passaram desde que Édouard Manet pintou o quadro “O Almoço Sobre a Relva”. A obra traz o nu à tona. Na época o tema foi alvo de críticas e polêmicas. É incrível que ainda hoje o nu seja tabu. “A ideia do evento foi convidar artistas, de diferentes […]

Leia Mais

Mostra Disruptiva tira espectador do lugar comum no CCBB-BH

Por Thiago Fonseca* Pode ser embalado a vácuo, com outra cabeça, gangorrando ou espremido. Na exposição Disruptiva, que integra a programação do FILE – Festival Internacional de Linguagem Eletrônica, o público poderá experimentar sensações inimagináveis dentro de um museu. É chegada a hora do visitante se tornar protagonista, criador e até mesmo obra de arte. […]

Leia Mais

Jantar Secreto surpreende paladares mais tradicionais no VAC

Por Thiago Fonseca  Já imaginou ir a um jantar onde o cardápio é secreto e feito com alimentos que seriam descartados? Pois então, essa foi a ideia de uma das intervenções artísticas desta edição do Verão de Arte Contemporânea, realizada nesta quarta-feira, 10. Trinta convidados valorizaram uma comida sem rótulos, promovendo uma noite de experiência […]

Leia Mais

Comentários