fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Livro de Heloisa Starling conta a história do Campus UFMG

Livro faz parte da coleção 'BH. A cidade de cada um' e conta de forma lúdica como o campus da UFMG tem mais história do que se imagina

Por Marjorie Riff *

07/05/2019 às 19:15 | * Escreveu com a supervisão de Carolina Braga

Publicidade - Portal UAI
Foto: Foca Lisboa / Divulgação.

Depois do Edifício Maletta, a Savassi  entre outros locais importantes de BH, chegou a vez do Campus da UFMG ter suas histórias registradas na coleção Cidade de cada um. Quem escreve é Heloisa Starling, professora de História do Brasil na Universidade, que também já foi vice-reitora da instituição.

Dessa forma, a leitura de ‘Campus UFMG’ é surpreendente. O livro certamente será uma boa companhia para os amantes de história. E também para os curiosos de plantão. Sendo assim, listamos quatro pontos que mais chamaram nossa atenção.

O lançamento está marcado para o dia 11 de maio, na Livraria do Ouvidor, na Savassi.

Sim, o terreno já foi um lugar “desimportante e inóspito”

Você imagina a UFMG como um vasto lugar vazio? Sem as construções, sem os alunos, sem os professores e visitantes? Pois, sim, isso já ocorreu. E os primórdios da construção da maior universidade de Minas Gerais naquele terreno foi em 3 de Maio de 1946. Porém, houve um grande intervalo entre a decisão de se criar a universidade ali, assinaturas e outras decisões morais até o início dos trabalhos. O primeiro reitor foi Francisco Mendes Pimentel, que fazia questão de enfatizar que o local seria um “lar universitário”.

A origem da palavra “campus”

Há um trecho interessante bem no início do livro que também discute as origens do termo “campus”. Por certo, a palavra é usada por inúmeras pessoas todos os dias. Contudo, para Heloisa, a palavra é “esquisita, entrocada com assuntos de natureza muito diversa – militares, políticos, religiosos”. Dessa maneira, ficamos sabendo da raiz romana do termo, e é assim até o final do livro. Descobertas históricas entre as linhas, origens explicadas com muito tato. Certamente, Heloisa consegue fazer o que poucos autores conseguem: saber muito de um tema e saber passá-lo adiante de um modo acessível e de fato envolvente.

CONFIRA NO CULTURADORIA:

Preparamos uma lista com editais culturais abertos em maio

A crise da construção nos anos 80 e a retomada nos anos 90

A UFMG não foi completamente colocada de pé num trecho singular de anos. Houveram pausas, houveram crises e influências socioeconômicas. Durante os anos 80 e a imensa inflação, os trabalhos na universidade estavam praticamente parados. Porém, com a virada para a década de 90, a retomada começou. Assim, a transferência de muitas faculdades para o campus Pampulha foi ocorrendo com os anos e com a demanda, e destaca-se a Fafich.

A Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, naquela época, segundo Heloisa, levava uma vivência “política e comportamental” muito importante aos alunos. Como resultado, “por ali passavam boatos, bisbilhotices, flertes, política, contracultura, rock, anarquismo, um bocado de poesia e muita literatura”, conta.

O projeto “Campus 2000”

Inegavelmente, o projeto “Campus 2000”, iniciado pelos reitores Francisco Sá Barreto e Ana Lúcia Gazzola foi um marco na história da UFMG. O novo padrão construtivo inaugurado abrigou a Escola de Odontologia, além de futuramente a Escola de Engenharia (um dos maiores empreendimentos da federal). A Escola de Farmácia e a Faculdade de Ciências Econômicas (Face) também são outros exemplos do porquê o projeto “Campus 2000” foi uma tremenda inovação. Prédios modernos, bem arquitetados e capazes de comportar confortavelmente os alunos. Este é o resumo da ideia central do reitor e sua sucessora.

Por fim, é interessante pensar que Heloisa descreve o campus Pampulha como “uma estranha aventura que não terminou”. Afinal, é uma definição adequada para a vida e para todas as universidades do país.

 

Heloisa Murgel Starling é a autora de ‘Campus UFMG’ – Foto: Papelícula / Divulgação.

photo

Com cardápio variado, FLI-BH abre inscrições para oficinas gratuitas

Se foi coincidência ou não, jamais saberemos. Fato é que o Festival Literário Internacional de Belo Horizonte será o terceiro evento consecutivo, em menos de dois meses, voltado para os livros realizados na capital. Tivemos o Salão, depois a literatura ocupou as ruas da Savassi e agora chegou a vez da coisa ser internacional. A […]

LEIA MAIS
photo

Monja Coen estará em Minas para duas palestras em junho

Ultimamente as conversas com Monja Coen têm virado livro. Com Leandro Karnal, por exemplo, as quatro horas de papo se transformaram em ‘O Inferno somos nós’ (2018). Com Clóvis de Barros Filho, o mesmo tempo deu origem a ‘A monja e o professor’ (2018). Já para fazer o novíssimo ‘Nem anjos, nem demônios: a humana […]

LEIA MAIS
photo

Encontro Internacional de Narração Artística chega a BH

Histórias de algumas partes do Brasil e do mundo poderão ser ouvidas durante cinco dias na segunda edição da Candeia. O encontro internacional de narração artística ocupa o Sesc Palladium de 13 a 17 de junho. A ideia é valorizar, promover a escuta e a palavra por meio da tradição oral. Dessa forma, trazer para […]

LEIA MAIS