fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Tia Má estreia no cinema com o potente filme ‘Até o fim’

Filme dirigido por Glenda Nicácio e Ary Rosa foi aplaudido de pé pela plateia da Mostra de Cinema de Tiradentes

Por Carol Braga

01/02/2020 às 12:09

Publicidade - Portal UAI
A diretora Glenda Nicácio e as atrizes na apresentação de Até o fim. Foto: Foto Jackson Romanelli/Universo Producao

Forte concorrente ao Troféu Barroco como melhor longa da Mostra Olhos Livres segundo o Júri Jovem em Tiradentes, o longa Até o fim, de Glenda Nicácio e Ary Rosa, alcança o equilíbrio que há muitos anos desejo ver nas telas do festival. Ao mesmo tempo em que consegue “conversar” com um público mais popular, é também prato cheio para análise da crítica especializada em filmes de autor e com uma estética mais arrojada. São muitas – muitas mesmo – camadas a se debruçar.

É o terceiro longa que a dupla da Bahia exibe na Mostra depois de Café com Canela (2017) e Ilha (2018). Até o fim tem um argumento bastante simples. Quatro irmãs conversam à beira da praia enquanto aguardam o telefonema sobre o estado de saúde do pai. Elas não se viam há mais de 15 anos. É um reencontro inicialmente cheio de mágoas, fortes revelações, mas sempre permeadas por humor.

Temas

Pelo riso, Glenda e Ary conseguem estimular debates sobre temas cada vez mais urgentes e relevantes na sociedade. Falam sobre o poder da mulher negra, a invisibilidade pela qual passam, abuso dentro e fora de casa, assim como identidade de gênero e orientação sexual.

Foi inevitável ver Até o fim e não pensar como a história também seria potente – e urgente! – no teatro. Isso porque a câmera dos diretores faz pouquíssimos movimentos. Os planos também não se alternam muito, bem como o cenário, que é praticamente o mesmo. Assim como nos palcos, a força está no ator e no texto, ou seja, no que elas dizem.

Arlete Dias, Wal Diaz, Jenny Muller e Maíra Azevedo são praticamente estreantes na telona. Jornalista e apresentadora, Maíra é mais conhecida por outras vertentes de trabalho, principalmente, pelo canal no YouTube Tia Má. Ela também tem um espetáculo de stand-up que esteve em Belo Horizonte durante o Festival de Arte Negra em 2019. Quem a conhece do humor, ou de dos quadros com dicas amorosas no programa Encontro da Fátima Bernardes, vai se surpreender com o trabalho.

Tia Má interpreta Bel, a irmã que se deu bem como produtora de cinema. É a única mulher negra brasileira a receber um Oscar e, sempre que possível, a informação aparece no filme. Inclusive como uma forma de afirmação para as irmãs. Geralda foi a única que permaneceu na cidade local. Rose se tornou cabeleireira e Vilmar, bem, publicitária. Em resumo: Bel, Rose e Vilmar não deram conta de permanecer próximas da família.

Maíra Azevedo, a Tia Má, participa de debate sobre o filme Até o Fim na Mostra de Cinema de Tiradentes. Foto: Netun Lima/Divulgação

Limites

Até o fim também faz refletir sobre limites. As três não deram conta de suportar a própria família. Cada uma, a seu tempo e de acordo como próprio motivo, foi até onde conseguiu. Ficaram marcas, mágoas, mas o reencontro, mais do que representar um fim, é um recomeço.

É assim que Até o fim fica dentro de mim. Um filme sobre resistências pessoais, redescobertas, reencontro e, principalmente, amor. E, como diz a canção de Arnaldo Antunes homônima ao filme, “(…) o amor não se dissolve assim / Sem dor / Se não for / Até o fim”.

É mesmo para se aplaudir de pé, como fez a plateia de Tiradentes.

 

 

A equipe do Culturadoria viajou a convite da Mostra de Cinema de Tiradentes

photo

‘Robin Hood – a origem’: cheio de fórmula e pouco resultado

Por Ana C. A. Souza* O Robin Hood – A origem é uma aventura com cara de novidade. Mas, infelizmente, usa algumas formuletas para alcançar o efeito desejado. No entanto, o objetivo não é alcançado. Ao lado de histórias milenares como Rei Arthur e Peter Pan, o príncipe dos ladrões já esteve diversas vezes nas […]

LEIA MAIS
photo

Nossas dicas para a sua agenda cultural: 28 de junho

Nas nossas dicas deste fim de semana você vai perceber como Belo Horizonte tem se destacado na agenda nacional. Certamente, pelo menos duas das atrações que selecionamos por você, são super estreias de temporadas. Antes de mais nada, no teatro, precisamente no CCBB, a Cia. Barca dos Corações Partidos inicia por aqui a trajetória do […]

LEIA MAIS
photo

‘Eu, Tonya’:  drama familiar mais pesado que uma biografia esportiva

Eu, Tonya começa como se fosse um documentário. Apesar de se basear em fatos reais, é um longa de ficção que comete pequenas ousadias na forma como conta a história da patinadora Tonya Harding. Além dos falsos depoimentos, em alguns momentos da narrativa, no meio da cena, os personagens se distanciam da ficção e fazem […]

LEIA MAIS