Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

‘The Handmaid’s Tale’: um incômodo do início ao fim

Por Carol Braga

02/06/2017 às 15:10

Publicidade - Portal UAI

The Handmaid’s Tale. Crédito George Kraychyk/Hulu

Por Victória Farias* 

The Handmaid’s Tale, baseado no livro de Margaret Atwood de mesmo nome, promete ser umas das melhores séries de 2017.

É o tipo de programa que primeiro assusta com o seu roteiro forte, mas depois encanta com o desdobramento, atuações e fotografia. O incômodo sofrido do início ao fim de cada episódio é válido para lembrar que as lutas das mulheres ainda não acabaram. Como na arte, coisas mirabolantes podem acontecer com uma simples queda de parlamento. Ou uma AI.

A trama conta a história de June (Elisabeth Moss) uma mulher casada e com uma filha. A vida de June teve uma reviravolta espantosa quando uma rara epidemia atingiu os Estados Unidos. De uma hora para outra, apenas 1% das mulheres eram férteis.

The Handmaid’s Tale. Crédito George Kraychyk/Hulu

Enredo

Quando o regime totalitário decidiu que todas as mulheres férteis passariam a ser propriedades do estado, June tentou fugir com a marido e filha. Foi apreendida pelos “Olhos”, homens armados que passaram a ser a polícia americana. Depois disso, nada mais valia, nem os nomes não podiam mais ser os mesmos. As leis, passam a ser bíblicas, e os cumprimentos passaram a ser: “Sobre o seu olho”, “Abençoado seja o fruto” e “Que o Senhor possa abri-lo”.

June, se torna Offred, uma AIA. As AIAS são mulheres férteis enviadas para as casas do comandante para ter filhos sobre os joelhos de suas mulheres. O que isso significa?  Elas deitam na cama sobre as pernas das esposas, que presencia o militar fazendo sexo com a “escrava”.

Continua após a publicidade...

 

Isso acontecia, pois era seguido o versículo bíblico que diz: “Vendo Raquel que não dava filhos a Jacó, teve inveja de sua irmã, e disse a Jacó: Dá-me filhos, se não morro.  E ela disse: Eis aqui minha serva Bila; coabita com ela, para que dê à luz sobre meus joelhos, e eu assim receba filhos por ela.” Gênesis 30:1:3

Antes de irem para a casa dos comandantes, as AIA’s eram treinadas no Centro Vermelho, sobre responsabilidade das “Tias”. Por elas, eram ensinadas ao ato de estar com o comandante sobre os joelhos das mulheres, aprendiam os cumprimentos, a como abaixar a cabeça quando os homens passam por elas, e a respeitar as mulheres dos comandantes sobre qualquer circunstância.

June passa a seguir as ordens de Serena Joy Waterford (Yvonne Strahovski) esposa, e incumbida de servir o Comandante Waterford (Joseph Fiennes). A única coisa que a mantem viva, é a esperança de reencontrar sua filha.

The Handmaid’s Tale. Crédito George Kraychyk/Hulu

Elenco

Elisabeth Moss apresenta uma atuação drástica. Sempre com um olhar profundo e as vezes até mesmo olhando diretamente para a câmera. É como se ela pudesse atravessar a quarta parede e provar que aquilo tudo está realmente acontecendo, e é uma história contada diretamente do personagem para o expectador, sem meios termos. Não ficando por menos, todas as presenças femininas são marcantes. Elas carregam dentro de si uma raiva contida que pode ser apreciada a cada cena.

The Handmaid’s Tale, (em português, O conto da AIA) é transmitida pela emissora americana Hulu, com novos episódios todas as quartas-feiras. A curiosidade é que antes mesmo de chegar ao seu quarto episódio, a série já havia sido confirmada para a sua segunda temporada.

* Com supervisão de Carolina Braga.

photo

‘Arábia’: o cinema sensível e político na tela da Mostra de Cinema de Tiradentes

Não é todo filme que consegue gerar empatia. Arábia, de Affonso Uchoa e João Dumans alcança esse feito. Faz mais. É político, contundente com o nosso tempo, tem leveza e humor.   Faz muito sentido o longa estar na programação da Mostra de Cinema de Tiradentes. Não apenas pela temática, já que é um total […]

LEIA MAIS
photo

Cinco curiosidades para não perder Shazam!

Após 80 anos nos quadrinhos, Shazam!, um dos super-heróis da DC, ganha seu próprio filme. Com roupa vermelha, raio amarelo no peito e com uma capa branca, ele chega para ocupar o posto de mais engraçado da produtora. Veja algumas curiosidades sobre essa clássica história em quadrinhos que agora está nas telonas do mundo inteiro. […]

LEIA MAIS
photo

‘120 Batimentos por Minuto’: Um brinde aos loucos que amaram – e lutaram

Por Daniel Oliveira – Colaboração especial para o Culturadoria Em uma cena de 120 Batimentos por Minuto, um personagem descreve um carro pego de surpresa por uma nevasca, parado no meio da estrada. Era impossível ver se estava no acostamento ou não. Os outros veículos passavam tirando fininho, podendo bater e destruí-lo a qualquer momento. […]

LEIA MAIS