fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Público aprova tom político presente nas telas de Tiradentes

Terceiro dia na Mostra de Cinema de Tiradentes exibiu dois longas de ficção e um documentário na praça

Por Thiago Fonseca *

21/01/2019 às 12:41 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Leo Lara / Divulgação - Cine-Praça

Jaloo é um artista. Pode ser considerado por muitos apenas cantor. Entretanto o paraense também é ator. Uma das grandes surpresas e uma das apostas da música indie brasileira. O show dele na noite deste domingo, dia 20, na Mostra de Cinema de Tiradentes só reforça a proposta do evento em dialogar com outras artes.

Foi ao som de ‘Cira, Regina e Nana’, canção em parceria com Lucas Santtana, que Jaloo levou os presentes no Sesc Cine Lounge à loucura. Mesmo com melodias mais calmas ele conseguiu animar o público. A agitação foi tanta, que quem estava próximo ao palco tinha a sensação que o espaço iria cair de quanto que tremia.

Era uma plateia de nicho. Mesmo com muitos fãs por lá, quem não conhecia Jaloo se surpreendeu. Segundo a advogada Patrícia Lamounier, de 35 anos, o som dele transmite uma energia boa. Canções como por exemplo, ‘Céu Azul’, ‘A Cidade’, ‘Insight’ e ‘Say Goodbye’ estavam no setlist que durou cerca de uma hora.

Pouca fala, muita música

Jaloo não é de muito discurso, entretanto, quando fala ao público, é sobre o amor. “Não existe nada mais vingativo que ser feliz. O que temos que fazer é cobrar com amor e insistência”, disparou. Estar em contato com o público é algo nítido no show. Sendo assim, o artista foi para a multidão que o carregou ao se jogar.

Um dos momentos altos do show foi a versão de ‘Esquadros’, de Adriana Calcanhoto, que apresentou pela pela primeira vez. A música será o próximo lançamento do artista.

Show de Jaloo animou Tiradentes na noite deste domingo, dia 20 -Foto: Jackson Romanelli / Divulgação

Cultura por toda parte

Quem está em Tiradentes percebe que os ares são diferentes. “Nunca tinha vindo ao Festival e nem na cidade. Está sendo uma experiência ótima. Poder ver as novas tendências e os novos diretores. Os filmes estão provocativos, atuais e com propostas interessantes. Voltarei para casa reflexiva e renovada”, disse a estudante de cinema Laura Cravo. Ela e as amigas saíram do Rio de Janeiro para acompanhar o evento que para elas é tendência.

Na fila para assistir o longa ‘Tragam-me a Cabeça de Carmen M.”, dos diretores Felipe Bragança e Catarina Wallenstein, a produtora cultural Vita Christoffel conta que prestigia a Mostra há seis anos. “Aqui é muito Brasil, com conteúdo local. Produções recentes. São filmes que você não encontra no circuito comercial. São muito experimentais e conceituais. Acho isso superinteressante. A gente consegue ver uma produção que questiona e experimenta”, afirmou.

Mostra mais política e experimental

Essa que é a proposta da Mostra que abre o calendário nacional de festivais e mostras. A temática desta edição é ‘Corpos Adiante’. Um questionamento sobre quais corpos ganham imagens, narrativas, diálogos e subjetividades. Dessa forma, os longas e curtas em exibição são justamente para pensar em corpos para o futuro, tanto quanto um futuro para os corpos.

Quem veio no ano passado e neste também, percebe mudanças nas produções e disse encontrar em 2019 um conteúdo mais político. “Este ano a temática está muito legal com proposta bem interessante e que tem bastante haver com o momento atual. Estou vendo filmes muito bons. É muito legal”, afirmou o estudante Rafael Assunção. “Gostei muito dos filmes todos tiveram algum significado. Gostei dos curtas, e me surpreendi muito. Não estou acostumado com experimental, mas adorei”, contou o estudante Guilherme Cardoso.

Na noite do domingo, dia 20, foram exibidos as ficcções Tragam-me a Cabeça de Carmem M. e Inferninho, além do documentário Clementina. Este longa, dirigido por Ana Rieper, registra a importância da cantora Clemetina de Jesus destacando, sobre tudo, a diáspora africana.

Até o dia 26 de janeiro a Mostra de Tiradentes exibirá 108 filmes além de receber encontros, oficinas, debates e apresentações artísticas. A previsão é que o evento receba 35 mil pessoas, cinco vezes o número de moradores. Ao todo, duas mil pessoas são empregadas pelo evento. A programação completa você confere clicando aqui.

A equipe do Culturadoria viajou a convite da Mostra de Cinema de Tiradentes

photo

Cinema Negro é tema do 20º Festival Internacional de Curtas de BH

O Festcurtas chega à sua 20º edição consolidado não apenas como espaço de exibição, mas, sobretudo, como um evento voltado para a reflexão sobre as relações entre cinema, estética e política. Nesta edição o Festival se volta para o cinema negro. “É hora de mostrar que com o tempo o negro sai de objeto de […]

LEIA MAIS
photo

Protagonismo da mulher no cinema é tema de mostra feminista em BH

Até o dia 16 de março o cinema do Sesc Palladium recebe a 4ª Mostra de Cinema Feminista. Serão exibidos gratuitamente 69 filmes de todo o Brasil e de outros 11 países. O festival ainda conta com roda de conversa com diretoras convidadas. O objetivo é dar visibilidade às produções cinematográficas realizadas por mulheres e […]

LEIA MAIS
photo

Cinema de Minas mostra vigor em segundo dia da Mostra de Tiradentes

“Tenho cada vez mais vontade de fazer filmes focados na questão cotidiana”, diz André Novais Oliveira. Com três curtas e dois longas no currículo, todos eles premiados, o desejo do cineasta mineiro só confirma a coerência como vem construindo a carreira. O cinema do André é sobre o cotidiano. Cada vez mais. Temporada, longa já […]

LEIA MAIS