fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Tecnologia, teatro e mudanças na dinâmica da cultura. Qual a relação?

O diretor musical Ruben Feffer, a atriz Teuda Bara e a Criadora das Percepções Multidimensionais Ramina El Shadai participaram do Show da Tarde e falaram sobre tecnologia e debatem mudanças no fazer cultura durante a quarentena

Por Jaiane Souza *

16/09/2020 às 20:58 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
A linha, de Ricardo Laganaro. Foto ARVORE Immersive Experiences

O que vem à sua cabeça quando pensa em realidade virtual? Muitos gráficos, efeitos visuais, tiros e explosões são alguns exemplos imediatos. Entretanto, há outras alternativas. Exemplo disso é a experiência A linha, de Ricardo Laganaro, que venceu o Emmy na categoria “Outstanding Innovation in Interactive Programming”, inovação em programação interativa.

O responsável pela composição da trilha sonora, Ruben Feffer (O menino e o mundo e Tito e os pássaros) participou do Show da Tarde nesta quarta, 16/09, e contou mais sobre o processo criativo. O programa vai ao ar todas as quartas-feiras no Instagram do Culturadoria.

“Esse trabalho é o oposto da realidade virtual tradicional, ele leva quem assiste para uma dimensão diferente, uma São Paulo dos anos 1940”, explica Feffer. Mesmo precisando de equipamentos para a experiência completa da produção, é possível ver que realmente é diferente do que estamos acostumados a ver. Isso porque conta a história de amor entre Pedro e Rosa, duas miniaturas que vivem dentro de uma maquete, um trabalho visualmente artesanal. 

 

A experiência de A linha

Narrada por Rodrigo Santoro em inglês e Simone Kliass em português, A linha conta a história de um entregador de jornal que repete sempre a mesma rotina assim como todos os moradores do bairro. Quem assiste tem a possibilidade de interagir e definir ações dos personagens. “Você não muda a história, mas faz ela avançar aos poucos, empurra para frente”, destaca Ruben. Como as ações de cada espectador tem um tempo, ele tomou o cuidado para que a trilha se adequasse, criando, dessa forma, alguns loopings, por exemplo, e outros recursos para preencher musicalmente possíveis lacunas. 

A cerimônia oficial de premiação do Emmy será domingo, 20 de setembro, e conta com apresentação de Jimmy Kimmel. No Brasil a transmissão é pelos canais pagos TNT e TNT Series, a partir de 21h. Além do Emmy, A linha também foi premiada como Melhor Experiência em VR (realidade virtual) no 76º Festival de Veneza. 

cultura

Teuda Bara. Foto: Guto Muniz/Divulgação

Teuda Bara

A atriz Teuda Bara também participou do Show da Tarde. Ela falou sobre a web série #Querentemas e do filme-ensaio Éramos em Bando, do Grupo Galpão. Além disso, compartilhou as descobertas durante a pandemia. “Estamos reinventando o que fazer com o que tem. Em breve vamos lançar pelo Grupo Galpão um espetáculo com histórias que as pessoas mandaram sobre a quarentena. A cabeça não dá conta de ficar parada. Tem que inventar”, contou. 

E dessas invenções, na próxima quinta-feira, dia 17 de setembro, às 20h, Teuda estreia a cena Embaralhada. Ela foi baseado no gatilho “Fear of missing – o medo de perder”, e faz parte da web série #Quarentemas, que será exibida no Instagram do Teatro em Movimento.

E a atriz não para! De 21 de setembro a 4 de outubro Teuda estará no filme-ensaio Éramos em Bando, no YouTube do Galpão

No meio de tantos projetos, Bara ainda conta que tem aproveitado bem o tempo para estudar e curtir a casa. “Estou visitando bastante meu quintal. Entrei em um curso online sobre como cultivar orquídeas. Além disso, estou aprendendo a mexer com a tecnologia. Fiz um caderninho e vou anotando tudo. Eu tento fazer e vou fazer, não estou morta. É muita energia”, completou. 

Energia e cultura

E foi sobre a energia do mundo e da cultura que a terapeuta multidimensional, educadora e criadora das Percepções Multidimensionais, Ramina El Shadai, falou na live. “Estou observando o papel da cultura no mundo daqui pra frente. Ela é nosso alimento. O novo mundo está construindo uma nova forma de vibrar e enxergar o que está acontecendo. E essa vibração tem tudo para alavancar a arte e cultura”, explicou. 

Ainda de acordo com Ramina, “tudo que a gente perdeu, a cultura ganhou um espaço sutil. Ela não preenche um espaço utilitário, e sim, de transformação. A cultura não foi produzida na falta. Ela está em um momento de entender a vibração. Dessa maneira, quando sair ela não precisará se preocupar”.

Assista ao Show da Tarde completo.

 

Ver essa foto no Instagram

 

com Ruben Feffer, Teuda Bara e Ramina El Shadai

Uma publicação compartilhada por Culturadoria (@culturadoria) em

photo

Exposições virtuais em BH resgatam a profissão de lambe-lambe

Quem frequenta o Parque Municipal de Belo Horizonte sabe que por lá andam profissionais de um ofício em extinção: o de lambe-lambe. São nove. Patrimônio Cultural do Município, a profissão perpassa séculos. É para homenagear essas pessoas, contar a história da fotografia e da sociedade que a Casa Fiat de Cultura e a Fundação Cultural Clóvis […]

LEIA MAIS
photo

Razões para ver a série História Secreta do Pop Brasileiro disponível na Amazon Prime Video

O que há por trás de sonoridades, estéticas e caminhos de grandes sucessos musicais? Algumas vezes são pessoas que sequer recebem crédito ou devido reconhecimento. São histórias como essas estão presentes na série História Secreta do Pop Brasileiro, disponível em oito episódios, na Amazon Prime Video. Para falar dos bastidores, a produção evoca músicos, empresários […]

LEIA MAIS
photo

Cinco livros para celebrar Agatha Christie

Romancista, contista, dramaturga e poetisa. Além de tudo isso, foi no subgênero romance policial que Agatha Christie ficou mundialmente conhecida. Dessa forma, a britânica é considerada pelo Guiness Book como a escritora com o maior número de livros vendidos no planeta. Foram cerca de quatro bilhões de cópias ao longo dos séculos XX e XXI. […]

LEIA MAIS