fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

5 produções do Studio Ghibli que entraram no catálogo da Netflix

Até abril 21 longas-metragens do estúdio entram para a Netflix. Saiba mais sobre alguns deles.

Por Jaiane Souza *

27/02/2020 às 15:04 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Foto: Studio Ghibli / Divulgação

De tempos em tempos o catálogo da Netflix muda de acordo com novos contratos, parcerias e produções originais. São filmes que saem, série que entra, novas temporadas, enfim. O fato é que a plataforma de streaming tem opções para todos os gostos, o que nos faz ficar muito perdido às vezes sem saber o que assistir. Entretanto, os fãs de animação ganharam um presente este ano. Desde fevereiro, a Netflix está inserindo no catálogo as produções do Studio Ghibli. Até abril, 21 produções do estúdio japonês estarão disponíveis na plataforma. Geralmente, os títulos são de difícil acesso no Brasil e isso vai facilitar a vida de quem já é fã e quem quer conhecer produções orientais.

O que é o Studio Ghibli 

Trata-se de um estúdio japonês que atua desde 1985 produzindo filmes de animação, longas e curtas. A história do estúdio começou ainda na década de 1970, quando Hayao Miyazaki e Isao Takahata se uniram para fazer o anime Heidi, que foi sucesso no mundo inteiro. Como tinham muito trabalho para produzir em um tempo curto, decidiram criar um estúdio próprio para que o layout fosse feito minuciosamente e de acordo com o estilo que eles queriam. Na empreitada, entrou mais um nome: Toshio Suzuki. O primeiro filme lançado, O castelo no céu, de 1986, foi um grande sucesso entre público, crítica e bilheteria, levando 775 mil pessoas aos cinemas. 

Outros sucessos vieram depois como Meu amigo Totoro e O serviço de entregas da Kiki. Todo esse sucesso tem algumas possíveis justificativas. Diferentemente dos animes tradicionais, que usam computação gráfica, o Ghibli trabalha com cenários e personagens totalmente feitos à mão, o que faz um filme demorar até oito anos para ficar pronto. Além disso, as histórias retratam as relações sociais e as personagens principais geralmente são mulheres independentes, fortes e que sempre deixam uma lição no fim da narrativa. 

A entrada do Studio Ghibli na Netflix é também positiva, pois o filme A viagem de Chihiro ganhou o Oscar de Melhor animação (único filme de língua não-inglesa a ter ganhado a categoria) e o Urso de Ouro em Berlim. Pensando nisso, destacamos alguns dos filmes que já estão na Netflix para você conhecer melhor. Confira. 

O castelo no céu (1986)

O longa de Hayao Miyazaki conta a história de Sheeta, uma garota que está sendo transportada em uma aeronave pelo seu sequestrador. Do repente, são atacados por um grupo de piratas que querem a qualquer custo o colar misterioso da menina. Durante a confusão, Sheeta cai da aeronave e é encontrada por Pazu, um aprendiz de engenheiro. A partir daí, os dois garotos partem na missão de encontrar uma misteriosa ilha flutuante que tem um segredo relacionado ao pingente de Sheeta.

Meu amigo Totoro (1988)

Dirigido por Hayao Miyazaki, o filme mostra a trajetória de das irmãs Mei e Satsuki, que precisam mudar de cidade para ficarem perto da mãe que está hospitalizada. Com o passar do tempo, as duas irmãs começam a ter contato com os seres mágicos que encontram na nova vila até que Mei fica amiga de Totoro. O longa recupera as lendas de espíritos das florestas baseadas no Japão pós-guerra rural. Além disso, foi inspirado na vida do próprio diretor, que teve a mãe hospitalizada com tuberculose. 

O serviço de entregas da Kiki (1989)

Também dirigido por Hayao Miyazaki, o filme tem como protagonistas Kiki e o seu gato preto Jiji. A obra foi inspirada no livro da escritora japonesa Eiko Kadono. A menina precisa sair de casa aos 13 anos, já que a tradução diz que toda bruxa quando atinge essa idade precisa passar um ano fora aprendendo a viver por conta própria. O filme levou cerca de 2,64 milhões de pessoas ao cinema, o que fez com que o longa fosse o mais visto no japão em 1989.

Porco Rosso - O último herói romântico (1992)

Gostando ou não de Taylor Swift é possível reconhecer que ela é um dos grandes nomes do pop mundial. O documentário lançado pela Netflix conta a história dela. Aquela estrutura bem tradicional, que apresenta a artista e a pessoa. Segundo a crítica publicada no site AdoroCinema, o filme traça “um bom panorama da transformação pessoal de Taylor Swift”. Se você estiver animadx a maratonar curte documentários musicais, aproveite para ver também Homecoming, sobre Beyoncé e Gaga: five foot two.

Eu Posso Ouvir o oceano (1993)

A animação tem direção  Tomomi Mochizuki e foi produzida para a televisão. A trama é sobre os altos e baixos de dois melhores amigos na escola. O menino, Taku, trabalha com muito esforço para conseguir o próprio dinheiro, enquanto a amiga, Yukata, está focada nos estudos e em representar a sala.

Studio Ghibli
photo

Invadimos o camarim de Pabllo Vittar. Confira!

Quando era criança, Pabllo Vittar não tinha nenhum artista em quem se espelhar. Hoje, é referência para os novatos e já atuantes como também para o público. A produção musical dela é definida como pop, mas tem influências e características de funk, arrocha, eletrônico e eletromelody. Além de ser a drag queen mais ouvida do […]

LEIA MAIS
photo

Entenda por que o Então, Brilha! é um dos maiores blocos de BH

Foi a partir de um poema do escritor russo Vladimir Maiakóvski e da música Gente, de Caetano Veloso, que o bloco Então, Brilha! ganhou nome e lema. O “poeta da revolução” escreveu: “Brilhar para sempre, brilhar como um farol, brilhar com brilho eterno, gente é pra brilhar, que tudo mais vá pro inferno, este é […]

LEIA MAIS
photo

Dilili em Paris: uma grata e engajada surpresa no universo da animação

Na falta de um vocabulário mais técnico na área da animação, vou dizer que Dilili em Paris, dirigido por Michel Ocelot, em um primeiro momento, causa certo estranhamento. É um desenho diferente. Os personagens se movimentam de um jeito esquisito. A narrativa é mais lenta. As primeiras cenas de Dilili em Paris também geram uma […]

LEIA MAIS