Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Spin-off de Invocação do Mal, ‘A freira’ entrega o que promete

Por brenoribeiro*

10/09/2018 às 14:17

Publicidade - Portal UAI
Warner Bross/Divulgação

Campeão na bilheteria americana logo na estreia, A Freira é um spin-off de Invocação do Mal 2 (2016). Chegou ao cinema cercado de expectativa já que, de certa forma, dá continuidade a elementos desta que é considerada a maior franquia de terror de todos os tempos. É o retorno da personagem que naquela ocasião andava possuída pelo demônio Valak. A freira ficou conhecida ao atormentar Lorraine (Vera Farmiga), uma famosa investigadora de fenômenos paranormais.

O longa que arrecadou US$ 53,5 milhões no primeiro fim de semana foi dirigido por Corin Hardy e escrito por James Wan e Gary Dauberman. Taissa Farmiga (que é irmã de Vera) e Demián Bichir interpretam, respectivamente, Irmã Irene e Padre Burke. Eles são convocados para solucionar um caso de suicídio. Claro que não fica nisso. Em resumo: terão que combater uma força maligna.

A trama

Toda a história se passa em um convento na Romênia. Padre Burke é chamado pelo Vaticano para investigar a história com a ajuda da noviça Irene. Ao chegar no local, Burke e Irene iniciam suas investigações. Logo descobrem que a edificação é atormentada por forças malignas. As irmãs que “vivem” ali permanecem em orações incessantes e infinitas. 

No início, Irmã Irene (uma Taissa surpreendente no papel) não entende muito bem a razão de sua participação na operação. De toda forma, enquanto investiga, acaba se lembrando do passado. Ela costumava ter quando tinha visões estranhas na infância e era constantemente julgada pelo seus pais como possuída pelo demônio.

Continuação

Diferente de Invocação do Mal 1 e 2, A Freira tem um roteiro mais movimentado. Novos fatos encorpam o roteiro e, assim, faz com que  o estado de alerta do espectador se mantenha presente por mais tempo.  Como é tradição em longas do gênero, que envolvem exorcismo e fenômenos paranormais, o desfecho é a quebra de uma maldição.

Para quem não curte spoilers, duas dicas. Preste bastante atenção nos momentos em que Lorraine e Ed Warren encerram o misterioso caso da freira. Há importantes indicativos sobre a trama e, inclusive, uma possível continuação.

 

 

 

Repercussão crítica

 

Embora no site agregador de críticas Rotten Tomatoes A Freira não tenha um bom desempenho – apenas 26% dos tomates frescos -, a performance é outra entre a crítica brasileira. Para Barbara Demerov, do site Adoro Cinema, elogiou principalmente o clima gótico e a capacidade que a franquia teve de manter uma identidade própria. “É notável a variedade que o terror pode alcançar, principalmente quando neste caso estamos falando de histórias narradas no mesmo universo”, afirmou. De acordo com Sergio Alpendre, na crítica publicada pela Folha de São Paulo, A Freira fica aquém de seus predecessores mas não faz feio.  Mário Abdade, do Globo, segue a mesma linha. Para ele, o longa “é eficiente e entrega justamente o que o público que gosta desse estilo espera. Como sempre, deixa a desejar no conteúdo, mas também vale dizer que quem embarca num trem fantasma só quer mesmo ter sobressaltos a cada curva do caminho”.

 

photo

CineOP 2018 resgata vanguarda tropical e homenageia Maria Gladys

A CineOP chega à sua 13ª edição consolidada como um evento que pretende discutir e debater a história, a preservação e a educação. Até segunda-feira, dia 18, a CineOP exibirá 134 filmes, de 12 estados brasileiros e três países. Serão distribuídos nas mostras Contemporânea, Preservação, Homenagem, Histórica, Educação, Sessão Especial, Mostrinha e Cine-Escola. Além disso, Ouro […]

LEIA MAIS
photo

Filme de Ricardo Alves Jr confirma maturidade do novo cinema mineiro

Elon não acredita na morte é um daqueles filmes em que a curiosidade em ver era grande. Muito grande. Não porque estive no set, mas porque se trata do projeto mais robusto de Ricardo Alves Jr. Sigo os passos dele na arte desde quando escrevia em parceria com Grace Passô o Senhora K, nos tempos […]

LEIA MAIS
photo

CineOP: Precisamos falar sobre preservação dos arquivos digitais

A CineOP, Mostra de Cinema de Ouro Preto vem há 12 anos colocando as discussões sobre a preservação audiovisual em destaque. É curioso observar como até mesmo o debate em torno desse tema também evoluiu ao longo da última década. Se no início os processos de recuperação de películas históricas do cinema brasileiro dominavam as […]

LEIA MAIS