fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

‘Sobre ratos e homens’: um clássico que não perde validade

Por Carol Braga

21/06/2017 às 18:58

Publicidade - Portal UAI

Cena de ‘Sobre ratos e homens’ em cartaz no CCBB. Crédito: Luciano Alves

Prepare-se para os dez minutos finais de Sobre Ratos e Homens. O espetáculo em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil pode ser considerado um clássico. Foi escrito por John Steinbeck em 1937. Para aquela época, tratou de um tema contemporâneo: o impacto que a crise de 1929 deixava na vida das pessoas.

Lá se vão 80 anos. A história de Sobre Ratos e Homens continua sendo contemporânea porque, muito além de crise, fala sobre a carência humana em diversas dimensões. E já que é um clássico, é um texto que não deixa pontas soltas ao tocar questões como racismo, preconceito, a relação com as mulheres. Tudo o que aparece na dramaturgia faz sentido na história. Inclusive as metáforas sobre amizade.

A montagem em cartaz até 17 de julho foi a vencedora do APCA em 2016 de melhor espetáculo. Tem outros prêmios no currículo. Todos merecidos. É dirigido por Kiko Marques e tem elenco grande: são oito atores. Aqui está um dos pontos altos, em especial a dupla protagonista interpretada por Ricardo Monastero e Ando Camargo.

Enredo

Em linhas gerais, Sobre Ratos e Homens conta a história dos amigos George (Ricardo Monastero) e Lennie (Ando Camargo) que perambulam entre as fazendas no interior dos Estados Unidos em busca de trabalho. Carregam cevada para juntar dinheiro e comprar um pedaço de terra.

Se George é mais esperto e diplomático, Lennie é ingênuo e muito forte. Eles vivem para cuidar um do outro. No fim da peça você vai perceber que esse cuidar tem um sentido metafórico e até controverso. Aí está parte da potência dessa história.

Cenário de Marcio Vinicius é bastante impactante. Quando entramos no CCBB-BH, mesmo apagado, já é algo que chama atenção. A iluminação de Guilherme Bonfanti dá sentido ao inanimado e potencializa o clima de cada cena. A trilha sonora de Martin Eikmeier quase passa despercebida, mas funciona bem ao pontuar as tensões necessárias.

O espetáculo é dividido em três atos. O diretor não se apressa para contar a história daqueles amigos. Ainda bem, já que cada coadjuvante que aparece traz também uma camada de reflexão social. As mais óbvias – e importantes – dizem respeito ao negro e à mulher.

Curiosamente, os dois personagens são excluídos e vivem a procura de atenção. A demanda deles, no entanto, é recebida com preconceito e interpretada de outras maneiras. Temas que fizeram pensar em 1937 e que parecem não ter evoluído muito.

EM TEMPO

Ratos e Homens, o texto original de foi adaptado pelo menos 15 vezes para cinema e televisão. Ainda na década de 1930, o diretor Lewis Milestone fez a primeira versão para a telona estrelada por Burgess Meredith, Betty Field, Lon Chaney Jr., Bob Steele. No Brasil, em 1953, Lima Duarte protagonizou o teleteatro produzido pela TV Tupi com direção de Cassiano Gabus Mendes. A primeira tradução para o português foi feita por Erico Veríssimo em 1940.

Ou seja, não estamos falando de nada novo, mas algo que não envelhece.

Continua após a publicidade...

photo

Saiba os nomes dos selecionados para fazer audição ao vivo no espetáculo ‘Meu destino é ser Star, ao som de Lulu Santos’

O espetáculo ‘Meu destino é ser Star, ao som de Lulu Santos’ com audições ao vivo no meio da peça, narra a trajetória de jovens que buscam realizar seus sonhos profissionais. Além disso, eles pretendem conquistar um grande papel em suas carreiras artísticas. O musical será no Grande Teatro Sesc Palladium, em BH. Nos dias […]

LEIA MAIS
photo

Dez estreias na Campanha que valem apostar

Todo evento grande, como a Campanha de Popularização do Teatro e da Dança, faz a gente ficar perdido na programação, né? Tem tanta coisa em cartaz que muitas vezes não sabemos nem por onde começar. Ao longo deste mês vamos tentar te ajudar nessa escolha. Pois bem, aqui no Culturadoria as primeiras apostas são sempre […]

LEIA MAIS
photo

Cia Sesc de Dança estreia três coreografias de uma vez em Trilhante

A Cia Sesc de Dança é um bebê se comparada a toda tradição na área que Minas Gerais tem.  Mas mesmo nesse cenário com tantos veteranos robustos, a jovem companhia criada em agosto 2013, tem demonstrado vigor. Primeiro porque é formada por um grupo de bailarinos com uma capacidade física impressionante. Segundo porque aposta em […]

LEIA MAIS