11 mar 2018

Criolo chora e emociona público em show em BH

Sempre que Criolo vem a Belo Horizonte arrasta uma multidão e oferece um show cheio de energia: dessa vez não foi diferente. No Campus Aberto do UniBH, nesse sábado (10/03), o rapper chorou, discutiu sobre educação, disse umas boas verdades e deixou o público arrepiado. O evento ainda contou com apresentação do Trio Amaranto e Grupo Teresa.

Antes de subir ao palco a galera gritava “Criolo Doido” e, nos bastidores, o rapper alertava os companheiros: “a galera chama pela alcunha antiga. Tem que respeitar! Tem que respeitar”. E assim foi feito, de ambas as partes. O artista se apresentou no formato que une o clássico de rap, DJ+MC. Homenageou o primeiro disco “Ainda há tempo”. Na apresentação, Criolo esteve acompanhado pelos DJs DanDan, Marco e ainda apresentou canções do elogiado “Nó Na Orelha” e do disco “Convoque Seu Buda”.

O músico entrou no palco, ao lado de DanDan, com a canção “O rap é forte”. “Até me emocionei” foi a segunda. Ao fim da música o público começou com as manifestações políticas. Criolo agradeceu a presença de todos, falou sobre o início da carreira, sobre o disco e brincou com a plateia.

Disse que nunca realizou um show dentro de uma universidade e parabenizou os educadores. “Quero homenagear cada professor e tirar o chapéu. Muitos faltam com respeito aos profissionais da educação, hoje eu canto para vocês”, disse. Em seguida, emendou com a canção “Duas De Cinco”.

 

 

DISCURSO POLÍTICO

Como todo mundo sabe Criolo é um artista politizado. O repertório dele é cheio de de análises sociais e econômicas. Todo show tem discurso engajado, com críticas escancaradas nas letras e na fala. Dessa vez, o rapper criticou a Samarco por ter assinado um documento que diz que o rompimento da Barragem de Fundão, em Mariana, foi um desastre. Mandou a empresa tomar no c* e disse que ela foi a culpada.

Em “Lion Man” o rapper mostrou sua potência vocal e sua presença de palco. A energia de Criolo – que não tem como explicar –  foi sentida por todos. Com essa vibe, ele ainda aproveitou para falar como é bom envelhecer, do afeto pelas pessoas que passou na vida dele e criticou aqueles que falam que a violência é culpa do favelado.

“A culpa é de todos, mas é mais fácil colocar na favela. Peço licença e para cantar os flash back da época do Grajaú em homenagem aos meus amigos da comunidade. Finge que estamos na laje da minha mãe, dona Maria Vilani, e fiquem à vontade”, disse.

PROFESSORES

Foi aí que o público foi ao delírio. A música “Breaco”, do disco “Ainda da Tempo”, foi que ilustrou o discurso do cantor. Criolo sentiu saudades de casa e citou trecho de “A Dois Passos do Paraíso”, da banda Blitz. Aproveitou a presença dos alunos da universidade e comentou que o vestibular prepara as pessoas para entrar e não para cursar a faculdade.

Retornou com o discurso dedicado aos professores. “O sistema tira sarro dos educadores. Mas devemos viver a plenitude do saber. Não é só o que o olho vê, vocês são mais que isso. Cada um tem alma e sentimento. Todos merecem respeito”, disparou. Foi ovacionado pelo público.

Ainda falou sobre as falhas no sistema, sobre a morte, pediu energia para a natureza abençoar as pessoas presentes e lembrou de Bob Marley estendendo uma bandeira no palco com o rosto do cantor.

“Mariô” e “Samba Sambei”, do disco “Nó Na Orelha” deram continuidade ao show. Em “Subirusdoistiozin” Criolo pediu para que todos se abraçassem. Disse que queria uma pororoca entre alunos e professores. Destacou a importância dos estudos: “Estudar é pra poucos”. Em seguida, leu uma poesia que termina dizendo que o melhor beijo vem da boca da liberdade.

 

 

CRIOLO CHORA

“Convoque Seu Buda”, quase foi a última da noite. Criolo saiu do palco, deixou o público desnorteado, mas retornou ainda mais potente ao som e “Não Existe Amor em SP”. Os fãs choraram e ficaram arrepiados. Um coro lindo ecoou no espaço. Emocionado, Criolo agachou e chorou. Foi lindo ver, como diz o rapper, a pororoca de sentimentos que se misturaram entre espectadores e cantor.

Após “Demorô” e “Esquiva da Esgrima”, DJ DanDan convidou o público a se abraçar novamente e mostrar para o mundo que o amor pode mudar tudo. Foi mágico! “Ainda Há Tempo” e “Sucrilhos” fecharam a noite. O cantor convidou todos os envolvidos no evento para subir no palco e pediu uma salva de palmas.

O show durou mais de duas horas e despertou sensações e sentimentos diferentes. Experiência difícil de ser esquecida. Criolo é sem dúvidas um cantor completo e que sabe despertar sentimentos nas pessoas.

“Queremos mostrar que somos mais que simplesmente a sala de aula, somos formadores de seres e de opinião. Unir a cultura com a educação é algo importante e que nos aproxima disso. Atitudes assim, ainda nos leva a entender que o Brasil precisa refletir sobre si mesmo e estar próximo das artes”, explica Rafael Ciccarini, Vice-Reitor do UniBH. Ciccarini ficou emocionado com o show.  “O cantor é um cara engajado nas questões que estão urgentes no Brasil. Ao convidar Criolo para o evento a gente dá um gesto a cidade e mostra que o UniBH não se esconde nesse momento difícil do Brasil, assim como o cantor, completa o vice-reitor.

 

 

MINEIRAS ABREM SHOW

Antes de Criolo gerar a pororoca geral no palco, outras duas bandas subiram ao palco do Campus Aberto. O Trio Amaranto, composto pelas irmãs Flávia, Lúcia e Marina Ferraz foi quem abriu as atividades do evento. Com voz doce e serena o grupo trouxe para o público um repertório variado, com músicas autorais dos cinco CD’s e de outros artistas. Vinicius de Moraes, Tom Jobim e o mineiro Flávio Henrique foram lembrados.

A segunda atração, que aqueceu o público para o show do Criolo, foi o Grupo Teresa. Formado apenas por mulheres a banda é a representação da diversidade feminina. Bailando por um repertório que mescla músicas autorais, com o som clássico de Adoniran Barbosa e Clara Nunes e samba contemporâneo de Diogo Nogueira, Zeca Pagodinho e Mart’Nalia, o show foi recheado de alegria, sorrisos e sentimentos. Que potência vocal de Natalia pessoa. O show foi tão bom que teve saideira duas vezes.

ENTREVISTA

Em entrevista exclusiva ao Culturadoria, publicada na última quarta-feira, Criolo disse que foi uma foi uma felicidade muito grande relançar o disco “Ainda há tempo” e poder trazer para BH. Também explicou o sentido da música e da arte. “Para mim, a música sempre foi um agente de transformação e de construção. Tenho isso herdado da minha mãe que é uma mulher que luta pela arte e cultura”.

Criolo também aproveitou a oportunidade e disse que se prepara para estrear no cinema. Está confirmado no novo filme do diretor Andrucha Wadington com roteiro assinado por Fernanda Torres. “Já, já vem filme aí, O Juízo. E gente vai devagarzinho tocando as coisas e fazendo a música. Vamo que vamo de arte e cultural em geral que é bom pra todo mundo e luz no caminho”, conta.

Participaram da cobertura Brenda Antunes e Breno Ribeiro

Confira as transmissões ao vivo feitas pelo Culturadoria durante o show

 

 

 

 

 

 

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Rodeada de mulheres, Julia Branco, de Todos os Caetanos, chega ao primeiro disco solo

Mariana Peixoto* Júlia Carreira solo como cantora ok, mas compositora também? Esta foi a proposta que Julia Branco, cantora do grupo Todos os Caetanos do Mundo, recebeu do produtor Chico Neves. “Ele queria que eu gravasse uma afirmação do meu lugar de compositora, coisa que nos Caetanos era meio tímida”, comenta ela. Dessa forma, o […]

Leia Mais

Leve e antenado: uma conversa com Silva e seu Brasileiro

“Você sabe que mineiro e capixaba tem uma história, né? Amor de verão”, brinca o simpático Silva assim que atende o telefone. A leveza com que ele se apresenta à conversa sintetiza não apenas o que o artista é, mas também o que produz. Silva é leve. O tema da conversa é Brasileiro, o quinto […]

Leia Mais

Transmissão de jogos da Copa em BH terá shows de IZA e Jota Quest de graça

O clima da Copa do Mundo de futebol, aos poucos, vai dando os primeiros sinais. Sendo assim, vários produtores culturais aproveitaram o evento esportivo para realizar as transmissões dos jogos do Brasil com uma pegada cultural. Em Belo Horizonte uma das opções será o Mineirão Arena Nº 1 Brahma. Na programação da primeira fase o […]

Leia Mais

Comentários