Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

‘Robin Hood – a origem’: cheio de fórmula e pouco resultado

Por espculturadoria*

29/11/2018 às 16:48

Publicidade - Portal UAI
Foto: Paris Filmes / Divulgação

Por Ana C. A. Souza*

O Robin Hood – A origem é uma aventura com cara de novidade. Mas, infelizmente, usa algumas formuletas para alcançar o efeito desejado. No entanto, o objetivo não é alcançado.

Ao lado de histórias milenares como Rei Arthur e Peter Pan, o príncipe dos ladrões já esteve diversas vezes nas grandes telas, mas talvez nenhuma tenha flopado tanto quanto esta. O longa é dirigido pelo estreante Otto Bathurst. São vários gaps de roteiro. Incoerência na direção de arte e muita influência da estética dos videogames de gráficos mega detalhistas.

Esse Robin Hood (Taron Egerton – Kingsman: Serviço Secreto), apesar de carismático, não tem mais do que isso. Acaba sendo um personagem de uma história sem nuances e que passa de um objetivo a outro, sem de fato transceder, ou demonstrar complexidade. Não fica claro o foco dele, como personagem, muito menos o foco do filme em si. Até parece uma colagem de referências de aventuras variadas.

Apesar de tentar ser um filme de origem da lenda do Robin Hood, a sensação que fica é que poderia ter sido a história de vários outros personagens. A pouca expressão do casal Robin e Marian (Eve Hewson) também não colabora. O suposto triângulo amoroso entre os dois e Will (Jamie Dornan) não funciona. Eis uma figura que parece ser meramente cenográfico e não tem tanta importância assim na trama, de fato.

 

Foto: Paris Filmes / Divulgação

Elenco

Entre os nomes que compõem o elenco, entra Jamie Foxx, interpretando o braço direito de Hood, Little John da melhor forma que deve ter sido possível. A inexperiência do diretor e o enredo não ajudaram. O excelente ator acabou perdendo força no meio de uma trama sem viradas, sem dinâmica e um tempo de filme que não flui.

As quase duas horas de filme passam como se fosse o dobro do tempo na sala. O único ponto positivo dessa mistureba está no visual. A galera dos efeitos e da finalização está de parabéns por ter conseguido passar alguma veracidade nas batalhas anacrônicas que utilizam carruagens como carros de velocidade e flechas como balas.

O enredo do filme é muito fraco, especialmente com um vilão falastrão e sádico, que não convence e não contribui, se perdendo na tentativa de conseguir um efeito mais contemporâneo, em uma história já clássica. Trata-se de um filme que é uma compilação de mesmas coisas de longas de ação, numa moldura bonita.

 

[youtube modulo=”2″]wX1s187VUWk[/youtube]

 

Continua após a publicidade...

*Ana é contadora de histórias, blogueira há 10 anos, professora, cinéfila, empreendedora e fica tentando deixar a vida menos complicada, ainda assim transmidiática. Este texto foi publicado originalmente no blog Mesa de Café da Manhã. Confira os outros textos sobre séries e cinema.

photo

Culturadoria com as dicas para o fim de semana: 14 de julho

A Culturadoria para o seu fim de semana tem veterano no cinema. Relâmpago McQueen volta às telonas para a terceira aventura e ameaça aposentadoria. Tem ainda, o samba-rock de Jorge Ben na voz de Renegado, o novo disco de Curumin, a prova de fogo de Rodrigo Suricato como vocalista do Barão Vermelho, 15 anos da […]

LEIA MAIS
photo

Okja: a história do “super porco” que fez Neflix sacudir o Festival de Cannes

Francyne Perácio* Animais falantes, amizade entre bicho e homem são algumas cenas comuns nas produções hollywoodianas. Retratar a relação de fraternidade entre uma adolescente e um “super porco” como foi abordado em Okja, é algo surpreendente. O longa, transmitido pela Netflix, foge das histórias comuns entre ser humano e animais de estimação. Os exemplos mais […]

LEIA MAIS
photo

Mulher-Maravilha para quem não é nerd ou geek

Sabe aquele tipo de gente que fica na dúvida se a Mulher-Maravilha é da Marvel ou da DC Comics? Para quem isso, no fundo, tanto faz? Pois é, sou eu. Todas as relações que já estabeleci com qualquer super-herói foram pelo cinema. Gosto de todos: Batman é o preferido – claro que o do filme de […]

LEIA MAIS