Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Representação LGBTQUIA+ na arte é tema de palestra na Casa Fiat de Cultura no dia 24 de junho

Estilista e professor de História da Arte Lorenzo Merlino é o convidado para traçar um panorama de movimentos, artistas e expressões, além de fazer uma relação com o contexto histórico de cada um.
Representação LGBTQUIA+ na arte
Lorenzo Merlino. Foto: Fernando Silveira / FAAP

Junho é o mês no qual é celebrado o Dia Internacional do Orgulho LGBTQUIA+! Pensando nisso, a Casa Fiat de Cultura destaca a diversidade no campo das artes. Dessa forma, no dia 24 de junho, às 19h, ocorre a palestra virtual e gratuita Um breve panorama da representação LGBTQUIA+, ministrada por Lorenzo Merlino. Ele é professor da Fundação Armando Álvares Penteado – SP, doutorando em História da Arte e referência no universo da moda. A palestra tem transmissão ao vivo por videoconferência. Então, para participar, basta realizar inscrição gratuita por meio do Sympla.

Passando por diferentes períodos, Antiguidade e Idade Média, Lorenzo Merlino apresenta uma perspectiva histórica da temática, ou seja, quando surgiram as primeiras representações de homossexualidade; Renascimento e Barroco, movimentos que exaltavam os ideais de corpos e mostravam sugestionamento erótico; e o Rococó e Noclassicismo, períodos nos quais os sugestionamentos anteriores se consolidaram.

No século XIX, o crescimento da produção de imagens com temática LGBTQUIA+ fez uma espécie de introdução para que esse tipo de representatividade passasse a ser mais aceita no século seguinte. Isso porque acompanhava movimentos civis por direitos de tais grupos. Como resultado, a Gay Art e a Queer Art, por exemplo, surgiram na passagem do século XX para o XXI. 

Método

A palestra foca em uma análise feita sob a ótica moderna, destacando o processo de desenvolvimento da Arte Ocidental a partir do prisma homoafetivo. Só para exemplificar, Lorenzo Merlino comenta que, ao contrário do que diz o senso comum, a homossexualidade como compreendemos hojenão era aceita na Grécia Antiga. Dessa forma, ela estava restrita a homens de classe dominante e tinha função social específica. 

Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+

Celebrado em todo 28 de junho, o dia marca e faz uma referência a Stonewall, que ocorreu em Nova York, em 1969. Diversos grupos gays, trans e drags se manifestaram contra a repressão da polícia no Bar Stonewall, local que reunia membros da comunidade, já que a não heterossexualidade era crime na cidade. 

Em resumo, o Dia Internacional do Orgulho LGBTQUIA+ comemora as conquistas e a busca por direitos para lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis, queers, intersexuais, assexuais e outras denominações de gênero e orientação. 

Participe da palestra se inscrevendo pelo Sympla.

LGBTQUIA+ na arte
Foto: Imagem Canvas Pro/Culturadoria

[ COMENTÁRIOS ]

[ NEWSLETTER ]

Fique por dentro de tudo que acontece no cinema, teatro, tv, música e streaming!