fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Regina Souza e Ana Luiza Azevedo falam das transformações na cultura e adaptação digital

Cantora Regina Souza e cineasta Ana Luiza Azevedo participaram do Show da Tarde, que vai ao ar todas as quartas-feiras no nosso Instagram, falaram de carreira, projetos e novas formas de se fazer arte

Por Thiago Fonseca *

30/09/2020 às 23:00 | * Escreveu com a supervisão de Carolina Braga

Publicidade - Portal UAI
Ana Luiza Azevedo nas filmagens de Aos Olhos de Ernesto - Foto: Fabio Rebelo / Divulgação

“A arte vai dando um jeito e a gente vai se virando”, disse a cantora e compositora Regina Souza no Show da Tarde, que vai ao ar todas as quartas-feiras no nosso Instagram. Ela se referiu às mudanças na arte e cultura após a pandemia. A cineasta Ana Luiza Azevedo, diretora de Aos olhos de Ernesto, também participou da live e contou como se reinventou para exibir o filme.

Aos Olhos de Ernesto

O longa de Ana teve sua estreia mundial em outubro do ano passado no 24º Festival Internacional de Busan, na Coréia do Sul. Contudo, a estreia nos cinemas do Brasil foi interrompida. Dessa forma, o jeito foi partir para On demand.

“Tive um luto no início da pandemia. Já estava com tudo pronto para a estreia no dia 2 de abril no cinema. A gente está acostumado com lançamento nas salas e, do nada, não é mais isso. Daí, tem que reaprender. Mas tive descobertas interessantes. O streaming tem outra capilaridade”, conta.

Aos Olhos de Ernesto conta a história de um idoso de 78 anos que enfrenta as limitações da idade avançada. Sobretudo a solidão e o avanço da cegueira. Contudo, a amizade com uma jovem cuidadora de cães faz a vida do homem mudar. A trama foi inspirada na vida do fotógrafo italiano Luigi Del Re.

“Uma temática que fala para todo mundo. Um filme sobre afeto, carência e a importância de se conviver com pessoas diferentes. Eu gosto de tratar com a velhice sem demagogia e eufemismos da melhor idade”, conta Ana. A produção está disponível nas plataformas Net Now, Vivo Play e Oi Play. No currículo, carrega prêmios como, por exemplo, da crítica na 43ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e do público no 23º Festival Internacional de Cine de Punta del Este.

Regina Souza – Foto: Felipe Fantoni / Divulgação

Chegaí

Regina Souza também teve que se redescobrir durante a pandemia e coma as novas tecnologias para lançar o novo disco autoral. Sendo assim, recorreu às plataformas de streaming. Chegaí é o quarto álbum solo da carreira da artista. O projeto apresenta samba, baião e ijexá em 13 faixas.

“Morei seis meses no Porto e a experiência influenciou a chegada do disco autoral. Comecei a compor há três anos. Gravei antes de ir para Portugal e resolvi lançar agora. Não fiz disco físico, não existe mais. Foi difícil encarar. As pessoas falavam: você vai lançar um álbum? Ninguém faz mais isso. Mas não consegui desmembrar as músicas. Elas conversam entre si”, conta Regina.

É a primeira vez que a artista encara um disco autoral com letras escritas por ela mesma. Ou seja, um trabalho que fala sobre espiritualidade, questionamentos de vida e muita coisa que Regina passou durante um período da vida. “Me sinto confortável cantando minhas músicas. É tão bom cantar o que eu quero cantar, que eu escrevi e tive inspirações”, afirma.

photo

O que ‘O Auto da Compadecida’ significa para o Cinema Brasileiro?

Longa brasileiro mais assistido no ano 2000, O Auto da Compadecida, de Guel Arraes, baseado na peça de Ariano Suassuna, celebra neste mês de setembro 20 anos.  A boa notícia: esse clássico do cinema nacional foi remasterizado. Sendo assim, o público poderá conferir o resultado no próximo dia 30. Vai ter exibição no canal da […]

LEIA MAIS
photo

Emmy Internacional: onde ver as produções brasileiras indicadas ao prêmio?

Depois do Emmy, chegou a vez da Academia Internacional das Artes & Ciências Televisivas reconhecer produções feitas fora dos Estados Unidos. A lista dos indicados já foi divulgada e o Brasil está concorrendo em sete categorias! Ao lado do Reino Unido, também com sete indicações, domina a lista. A Globo concorre em três categorias: Melhor […]

LEIA MAIS
photo

Cinco discos para entender a Tropicália

Guitarra elétrica, berimbau, violino, cuíca e violão. A união entre rock, bossa nova, samba, bolero, baião e outros ritmos. Tudo isso unido a letras inovadoras que dialogavam com grandes autores e obras literárias, como Oswald de Andrade, por exemplo. Além disso, que remetiam a poemas do concretismo. Esses são apenas alguns dos elementos técnicos que […]

LEIA MAIS