Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Documentário sobre Guardas de Congado encanta Tiradentes

'A Rainha Nzinga chegou' foi exibido em competição dentro da Mostra Aurora

Por Carol Braga

24/01/2019 às 15:23

Publicidade - Portal UAI
Crédito: Leo Lara/Universo Produção

“Estou confiante que estou vencendo a guerra”. Foi assim que Isabel Casimira Gasparino abriu o debate sobre o filme A Rainha Nzinga chegou. Ela também é protagonista documentário que dirigiu em parceria com Júnia Torres e foi ovacionado após a sessão na Mostra Aurora, na noite de quarta (23).

As palmas se confirmaram durante a discussão sobre o trabalho na manhã desta quinta (24). Foi um encontro com uma plateia interessada, serena, que se mostrou afetivamente tocada pela produção. A rainha Nzinga chegou registra a tradição do Reinado das Guardas de Moçambique e Congo Treze de Maio de Nossa Sra do Rosário, com sede no bairro Concórdia, em Belo Horizonte.

Ancestralidade

“O filme surge a partir de enunciados de performances rituais que estão sendo construídas. A elaboração da travessia, a elaboração da escravidão, como lidar com isso. O reinado é uma leitura desses processos macro-históricos a partir de uma perspectiva de outros modos de existência”, comentou a diretora Júnia Torres.

As imagens para o documentário foram gravadas ao longo de 16 anos. Sendo assim, acompanha tanto a rotina do Reinado como o processo constante de relacionamento com a ancestralidade. A narrativa começa focada na figura de Isabel Casimira. Durante 31 anos ela foi Rainha Conga do Reinado Treze de Maio e por mais de duas décadas Rainha Conga do Estado de Minas Gerais.

Com a passagem dela, o filme narra o processo de transição – e transformação – da filha dela, Isabel Casimira Gasparino, a belinha para assumir a coroa. O documentário acompanha a viagem de Belinha e o irmão, Antônio Casimiro, para Angola. É o local onde encontram antepassados, compreendem ainda mais suas tradições e missões.

Equipe do filme em Tiradentes. Crédito: Jackson Romanelli/Universo Produção

Travessia

De acordo com Júnia Torres, ao iniciar as gravações Dona Isabel determinava o que podia ser registrado durante os rituais. “No começo era quase nada. Ao longo dos anos começara as convocações”, lembrou. No dia em que a Rainha Conga do Reinado da Guarda Treze de Maio faleceu, foi a herdeira quem convidou a equipe do filme para registrar o funeral.

É um dos momentos mais fortes do filme. Do mesmo modo, é uma virada importante. A rainha Nzinga chegou o descoroamento de Dona Isabel e passa a narrar o processo de transformação de Belinha na Rainha Nzinga. “Pelos meus ancestrais fiquei mais ciente de que não ando só. Estou guardada”, comentou.

Ao contar sobre o processo da viagem o público se deu conta do quanto tudo foi cercado de espiritualidade. Por exemplo, de acordo com o projeto o filme – aprovado pelo edital Filme em Minas – quem viajaria para Angola seria Dona Isabel. Após a passagem dela, Belinha só pôde embarcar para a África porque elas eram homônimas.

Essência

A força do documentário se complementa na simplicidade do cenário e no respeito à espiritualidade. “O filme procura fazer com que o cinema abrigue esse modo expressivo. Uma maneira de incluir o Reinado como concepção intelectual de modo de vida, de mundo, a partir de uma outra cosmologia”, acrescentou Júnia.

Segundo a diretora, todo o enredo foi traçado ao longo do tempo, a partir do próprio Reinado. Dessa maneira, elementos fundamentais da tradição como o mar, as histórias dos antepassados foram se impondo. Em síntese, o argumento inicial se baseava na ideia de voltar à África em uma travessia reversa.

“Nossa meta é essa: caminhar e vencer, lutar e vencer. Cada milímetro avançado é quilômetro conquistado”, resumiu Belinha, a Rainha Conga do Estado de Minas Gerais.

A equipe do Culturadoria viajou a convite da Mostra de Cinema de Tiradentes.

Continua após a publicidade...

photo

O Rei do Show: a incansável busca pela aceitação social em ritmo dançante

  A noite em que Hugh Jackman apareceu para apresentar o Oscar de 2009 foi um divisor de águas na forma como eu percebia o ator. Até então, o australiano era Wolverine e ponto. Acontece que, quem se lembrar há de concordar comigo, Jackman dançou, sapateou e sambou na cara dos apresentadores mais chatos da […]

LEIA MAIS
photo

Filmes (com links!) para maratonar em casa nas férias

Com tantos serviços de streaming disponíveis, as janelas de exibição estão cada vez mais curtas. Isso significa que os filmes que chegam aos cinemas, passam bem rápido pela telona e logo estão disponíveis para você ver em casa. Em 2018 parece que esse movimento se acelerou. A seguir você confere cinco sugestões de longas que […]

LEIA MAIS
photo

Confira os vencedores da 22ª Mostra de Tiradentes

Depois de uma edição extremamente politizada, com filmes e discussões muito ricas sobre o estar no mundo contemporâneo, a 22ª Mostra de Cinema de Tiradentes terminou com uma energia estranha. A tragédia em Brumadinho mudou a vibração de quem estava no festival para refletir e celebrar o cinema. A cerimônia de premiação começou com um […]

LEIA MAIS