fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Entenda a importância dos quilombos para a história e cultura

Comunidades quilombolas contribuem para a construção da história e resgate de costumes do povo negro

Por Thiago Fonseca *

28/11/2020 às 08:04 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Foto: Daniel Cruz / Divulgação
Segundo um levantamento feito pela Fundação Cultural Palmares, há no Brasil 3.524 comunidades quilombolas. Belo Horizonte acaba de ganhar mais uma. O Quilombo Souza, no bairro Santa Tereza foi reconhecido como patrimônio imaterial. O processo de registro foi iniciado em julho de 2019 e terminou no dia 18 de novembro de 2020. Além dele, há na capital mineira outros três. O Luízes, Mangueiras e Manzo Ngunzo Kaiango, patrimônio há alguns anos.
“O registro é uma forma de corroborar, dar visibilidade às culturas e ao processo de formação da cidade. Além disso, o poder público se torna responsável pela continuidade das práticas culturais”, explica Françoise Jean. Ela é diretora de patrimônio cultural da Fundação Municipal de Cultura de BH. “Quando cultura é legitimada, passa ser mais estudada. Quando não são conhecidas, são engolidas”, reforça o historiador Mateus Roque da Silva.
Agora o Quilombo ganha direito de ter o título de propriedade da terra. Além de acesso a projetos de sustentabilidade, preservação e valorização de seus patrimônios histórico-culturais. “São características dos quilombos de BH o matriarcado, as relações familiares estendidas, a manutenção de festas e ritos sagrados”, conta Françoise.

Símbolo de resistência

“Primeiro para ser um quilombo, é preciso uma auto identificação das comunidades. Antes de passar pelos trâmites legais, elas carregam consigo histórias”, explica Mateus. “Todo mundo tem direito a história. Dessa maneira, o registro dos quilombos é muito importante. A partir deles é que conseguimos dar visibilidade a história e a contribuição negra para formação do país”, acrescenta Françoise.
As comunidades quilombolas além de contar a história, mantêm tradições seculares como, por exemplo, o congado e rosário. Além das religiões de matriz africana. “Os quilombos fazem parte da manutenção da nossa história e da cultura brasileira. As histórias desses povos muitas vezes não foram contadas, nesses espaços é que a gente encontra o que foi perdido”, ressalta Mateus.

Quilombo Souza, em Santa Tereza, é registrado como Patrimônio Cultural Imaterial de Belo Horizonte – Foto: Leo Tafuri / Divulgação

Comunidades Quilombolas

Alguns Quilombos brasileiros são remanescentes da época da escravidão no Brasil. Em geral, são mantidos por famílias numerosas. Algumas sobrevivem da agricultura de subsistência. Há presença de ritos e costumes tradicionais, carregados por gerações.
O conceito de quilombo é cercado de estereótipos. “Local escondido, geralmente no mato, onde se abrigavam escravos fugidos”. Embora apareça assim no dicionário, a definição hoje vai muito além. “São os territórios ocupados por grupos étnicos raciais, com presença de ancestralidade negra, que se ligam e tem suporte”, diz Françoise. Então, o que não muda é a resistência.
O Brasil é a segunda maior nação do planeta com população de ascendência na África. Contudo, a história contada a partir do ponto de vista branco não coloca o negro como protagonista. “A importância dos Quilombos é enorme se a gente pensar que temos uma dívida história com comunidade negra. Foram os negros que construíram o país”, salienta Françoise.
photo

Grammy 2021: surpresas boas, mais do mesmo e polêmicas 

A lista dos indicados ao Grammy 2021 foi divulgada e, entre trancos e barrancos, tivemos algumas surpresas boas. O anúncio da premiação de música mais importante do mundo movimentou as redes sociais, abalou artistas e fãs.  Entre as surpresas boas estão artistas negros não tão conhecidos nas categorias principais. Em Disco do Ano e Melhor […]

LEIA MAIS
photo

Nasce uma Rainha revela lado desafiador do universo drag no Brasil

A performer Alexia Twister e a cantora Gloria Groove foram as escaladas pela Netflix para serem as cabeças de Nasce uma Rainha. Na série, que estreou em meados de novembro, as drags apadrinham outras seis queens e kings que estão no começo de carreira. Elas dão dicas de maquiagem, postura, dublagem, coreografia e desenvolvimento pessoal […]

LEIA MAIS
photo

Por que eu gostei tanto do podcast “Praia dos Ossos” e acho que todo mundo deveria ouvir?

Bastaram segundos. O som da caminhada. O tom da conversa. O barulho do mar. Pronto. Poucos minutos de áudio e já estava totalmente entregue a Praia dos Ossos, minissérie em podcast idealizada e apresentada por Branca Vianna. É uma produção da Rádio Novelo, uma empresa especializada no formato, com sede no Rio de Janeiro.  Se […]

LEIA MAIS