fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Quem é Majur: cantora símbolo de representatividade e a nova cara do afro futurismo

Artista baiana, que já lançou single com Emicida e Pabllo Vittar, gosta de falar de relações afetivas e empoderamento

Por Thiago Fonseca *

17/11/2020 às 16:18 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Foto: Vinícius Moreira / Divulgação

“Ela é uma mulher trans, negra e cantora. Isso é muito importante, pois a representatividade trans, infelizmente, ainda é muito pequena. Além disso, tem músicas incríveis. Uma artista completa”. É assim que o fã Ramon Dutra define Majur. A cantora baiana é a nova cara do R&B e da MPB. A jovem de 24 anos começou na música aos cinco. Estourou em 2019 na internet após gravar a canção AmarElo ao lado de Emicida e Pablo Vittar. Em resumo, nas letras das canções gosta de falar de relações afetivas e empoderamento.

Majur nasceu e cresceu na periferia de Salvador (BA). Foi abandonada pelo pai aos dois anos, passou fome e coletou material reciclável nas ruas com a mãe até os seis. Foi aos cinco que o destino dela mudou com a participação no coral da Orquestra Sinfônica da Juventude de Salvador.

 

Foto: Marina Benzaquem / Divulgação

Carreira

Das apresentações natalinas com o grupo no Pelourinho, Majur foi parar, em 2008, na final do Festival Anual de Canção Estudantil, do MEC. Logo em seguida, deslanchou. Em 2016, montou um grupo com cinco amigos. A banda cantou em bares da Barra e nas noites da capital baiana. Se inspirava em Liniker, cantava as músicas dela, de Tim Maia e de Jorge Ben.

Anos depois, em 2018, resolveu se lançar em carreira solo. A estreia foi com o EP Colorir, com três faixas: Africaniei, Detalhe e Náufrago. A produção do trabalho é de Jaguar Andrade, que já trabalhou com Ivete Sangalo, Carlinhos Brown e Daniela Mercury. O produtor viu a jovem na internet e resolveu investir. Logo em seguida, a parceria rendeu até uma apresentação na casa de Paula Lavigne e Caetano Veloso. No carnaval de 2019, Majur subiu nos trios de Daniela Mercury, Psirico, Marcia Castro e outros.

 

Trabalho diverso

No repertório Majur, que transita entra R&B e MPB, faz um mix de soul, R&B, funk, melody e bases de matriz africana. Nas letras, gosta de falar sobre amores e empoderamento. Se inspira em Caetano Veloso, Liniker e Chico Buarque. Já na estética, a referência é Grace Jones. Sendo assim, chama atenção pela potência vocal, estética e autenticidade. Além de ser símbolo de representatividade.

Na canção 20ver, a mais acessada no YouTube, lançada em 2019, é possível ver a característica diversa do trabalho de Majur. Ela mostra voz firme e como cria poesias musicais. “Diga, aonde você quer que eu vá | E vá pronto pra me encontrar | Diga, que eu sou seu bem querer | Pois tenho certeza de que eu”. A música tem ritmo dançante com pegadas e afropop.

O mais recente trabalho de Majur é Andarilho, canção lançada em agosto de 2020. A canção tem melodia calma e embalada por violão. A letra fala sobre o vínculo entre pessoas em diferentes relações. Consagra a artista como musicista, pois é a primeira música que ela cria sozinha no violão.

photo

Djonga lança clipe emocionante de “Procuro alguém”, música dedicada à filha Iolanda

Quem pensa que sexta-feira 13 é dia de azar, má sorte ou de energias negativas pode mudar de ideia já! Há alguns anos o rapper mineiro Djonga usa o dia para lançar os seus trabalhos e, desta vez, foi o clipe de Procuro alguém, música do disco Histórias da minha área, lançado em março deste […]

LEIA MAIS
photo

Quatro pontos a se prestar atenção na exposição “Amilcar de Castro: Matéria e Luz”

Foi em 1968, aquele ano emblemático para a cultura no mundo todo, que o mineiro Amilcar de Castro (1920-2002) se deu conta da relevância da arte que fazia. Embora já reconhecido no Brasil, a chave virou quando ganhou a disputada bolsa Guggenheim e mudou-se com a família para os Estados Unidos.  Desde 1925 a Fundação […]

LEIA MAIS
photo

Razões para ver a série Afronta! na Netflix

Cantores, compositores, grafiteiros, youtubers, cineastas, dançarinos, rappers e modelos. Quem foi que disse que o povo preto não pode ser diverso, estar onde quiser e conquistar posições de protagonismo? A série Afronta!, da cineasta Juliana Vicente, que estreou em outubro na Netflix prova isso e muito mais. São 26 episódios na primeira temporada que contam […]

LEIA MAIS