06 jun 2018

Quatro discos lançados nos últimos dois meses que você precisa ouvir

Os meses de abril e maio foram importantes para o cenário da música brasileira. Foram vários lançamentos de discos. O Culturadoria separou quatro deles que você precisa ouvir.

 

Foto: Daryan Dornelles / Divulgação

‘Deus é Mulher’ – Elza Soares

Foi em 1960 que o mundo conheceu e se encantou pela voz potente de Elza Soares. Cinquenta e oito anos se passaram e a cantora segue surpreendendo. No dia 18 de maio lançou “Deus é mulher”. Se em  ‘A mulher do fim do mundo’ Elza confirmou seu poder e a conexão com a ancestralidade,  no novo álbum inaugura fase diferente. Um disco abusado! Com mensagens mais claras e mais abertas.

Elza fez questão de participar de todo o processo. Sendo assim, o resultado são 11 faixas que trazem temas como empoderamento feminino e negro, liberdade sexual e religiões de matrizes africanas. A participação do coletivo Ilú Obá De Min, por exemplo, reforça isso. As músicas são fortes e mostram o nascimento de uma nova era, conduzida pela energia feminina. Os arranjos musicais são fortes e pesados. As letras promovem reflexões diversas.

 

 

Foto: Universal Music / Divulgação

‘Ofertório’ – Caetano, Tom, Moreno e Zeca Veloso

Caetano Veloso por si só é um sucesso. A junção com os três filhos Tom, Moreno e Zeca Veloso causa! Desde o ano passado os quatro resolveram  se juntar no palco. Fruto desse encontro é disco ‘Ofertório’. Nele Caetano e os filhos compartilham afetos, cumplicidades, risos e musicalidades. O disco, lançado no dia 25 de maio, é o registro gravado em outubro do ano passado, no Theatro Net São Paulo.

‘Ofertório’ é carregado de diferentes sonoridades. Deste modo, elas mostram a união familiar e o desejo de homenagear gerações passadas. As 28 canções são marcadas pela transição de instrumentos nas mãos dos filhos de Caetano. São músicas da carreira dele e autorias de Tom, Moreno e Zeca. Arranjos bonitos, que tocam e emocionam. Destaque para ‘Todo homem’, musica da abertura na novela ‘Onde Nascem os Fortes’, da Rede Globo.

 

 

Continua após a publicidade

 

Foto: Silva / Divulgação

‘Brasileiro’ – Silva

Silva despontou na música em 2012. Desde então caiu no gosto do público. Após ‘Silva Canta Marisa’, lançado em 2017, o artista divulgou no dia 25 de maio seu quinto álbum ‘Brasileiro’. As músicas, com identidade própria, são marcadas pela junção do eletrônico com e letras românticas.

São 13 faixas. Todas elas procuram responder a pergunta: “como seremos brasileiros?” Destaque para a ‘A cor é rosa’ e ‘Fica tudo bem’, com participação de Anitta. Em resumo, Brasileiro é marcado pela calmaria. Sabe daquelas músicas para desestressar? É nessa vibe que o disco caminha. Se divide entre músicas com arranjos animados e outros quase melancólicos, mas todas as faixas tem mensagem positiva. Dessa forma, Silva mostra uma visão otimista do país e diz que os críticos não contribuem para melhorar o Brasil.

 

 

Foto Rodolfo Magalhães / Divulgação

‘Dona de Mim’ – IZA

Dona dos hits ‘Pesadão’ e ‘Ginza’, com com Marcelo Falcão, IZA lançou em abril seu primeiro disco. Em ‘Dona de Mim’ a cantora deixa clara as referências do pop e ao R&B mundial. Mas não fica só nisso. O disco ainda tem referências de diversos estilos, indo do pop ao samba. Tem participações de peso, como de Ivete Sangalo, Thiaguinho, Carlinhos Brown e Gloria Groove. Além das músicas já conhecidas, o disco conta com outras 12 inéditas. Um álbum para dançar e cantar bastante.

 

 

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Culturadoria com as dicas para o seu fim de semana: 21 de setembro

Culturadoria   PEDRO CARDOSO Tem um tempão que Pedro Cardoso não se apresenta em Belo Horizonte. Chega neste fim de semana com ‘O Autofalante’, mais um monólogo da carreira dele. É uma remontagem. A peça conta sobre um homem que perdeu o emprego, a mulher, a casa e tem um surto identitário. O protagonista é […]

Leia Mais

Fim de semana no Fit-BH: cheio de sentidos e vazio de público

Sou da turma que enfrentou mais de 12 horas de fila para comprar um ingresso para ver Peter Brook e Teatro da Vertigem no Fit-BH de 2004. Em 1997, na edição do centenário de BH, também estava lá correndo com uma multidão atrás do Generik Vapeur do Parque Municipal até a Praça da Estação. Antes […]

Leia Mais

Culturadoria com as dicas para o seu fim de semana: 14 de setembro

    FIT-BH Tem FIT na cidade e isso significa que os palcos estarão não apenas movimentados. É tempo de muita reflexão. É a primeira vez na história do festival que a curadoria foi escolhida por meio de edital. O tema selecionado aborda temas urgentes, como por exemplo, colonização e minorias. Isso significa que teremos […]

Leia Mais

Comentários