fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

[PONTO DE VISTA] Marina Person surpreende como atriz em ‘Canção da volta’

Por Carol Braga

03/11/2016 às 22:13

Publicidade - Portal UAI
Marina Person e João Miguel no filme 'Canção da volta' . Foto: Pandora Filmes

Marina Person e João Miguel no filme ‘Canção da volta’ . Foto: Pandora Filmes

O mais interessante em Canção da volta são os deslocamentos que o filme dirigido por Gustavo Rosa de Moura propõe. Em especial, no trabalho com o elenco.

Sério: nunca pensei ver Marina Person em um papel dramático no cinema, por mais que saiba de todos os flertes dela com a sétima arte e o “pedigree” que ela tem (o pai dela, Luís Sérgio Person, foi roteirista, diretor, ator). Uma boa surpresa.

João Miguel como o urbano Eduardo, também experimenta outros lugares. A não ser nos trabalhos na TV, são raros os papéis de homens contemporâneos na filmografia recente dele. E Eduardo é um cara de emoções contidas o que demonstra ainda mais o trabalho do ator.

Canção da volta nos apresenta as complexidades do relacionamento de Júlia (Marina) e Eduardo (João). Não são poucas as turbulências pelas quais o casal passa. A mais explícita delas é a depressão de Júlia. Uma tentativa de suicídio vira dispositivo para a tensão instalada na família. O marido faz de tudo para lidar com as fragilidades da mulher e segurar a barra com os filhos. Tema delicado bem abordado.

Mas não entendi Canção da volta um filme sobre suicídio ou depressão. É sobre amor. Sobre as crises do amar. As reviravoltas, idas, vindas desta força. Sim, entendo amor como força, na maioria das vezes incontrolável.

A fotografia escura, a direção de arte igualmente soturna, os longos silêncios são elementos que refletem o relacionamento dos protagonistas. Eduardo e Júlia vivem uma relação sintomática. Uma forma de dizer sobre a incompletude das relações. São as lacunas é que fazem a roda girar.

Gustavo Rosa de Moura eleva a dose dramática para construir esse retrato íntimo do casal. É um filme de sutilezas. As informações não estão somente no que é dito, mas principalmente naquilo que é sugerido.

Há um jogo em curso com o espectador mas ele não é completo. Ao mesmo tempo em que compartilhamos da intimidade do casal, há um lugar em que não conseguimos entrar. Fica aquela sensação: será que eu entendi tudo? E é para entender? As relações são assim: espaço dos outros (ou do outro) é sempre limitado.

O nome do filme é uma referência à canção homônima de Dolores Duran. Na letra, um pouco da dinâmica de Júlia e Eduardo: O coração fala muito/E não sabe ajudar/ Sem refletir /Qualquer um vai errar, penar /Eu fiz mal em fugir/ Eu fiz mal em sair/ Do que eu tinha em você/ E errei em dizer /Que não voltava mais.

 

photo

“Um Lugar Silencioso”: quando a seleção natural elimina os escandalosos

Se já chegou tarde em casa e teve que andar na ponta dos pés para não acordar todo mundo, você conhece este sentimento. Uma tentativa de evitar qualquer produção de ruído, como se sua vida dependesse disso. No caso dos personagens de “Um Lugar Silencioso”, novo filme de John Krasinski, realmente depende. Além de dirigir, […]

LEIA MAIS
photo

Feminismo domina cena no primeiro dia de debates em Tiradentes

Era inevitável que o tema da Mostra de Cinema de Tiradentes transbordasse para muito além do que estava proposto. Oficialmente o conceito da programação gira em torno do Cinema em reação, cinema em reinvenção. Oficialmente. Na prática o papel da mulher no cinema dominou até agora todas as atividades que tiveram a participação das homenageadas, […]

LEIA MAIS
photo

De Tom Zé a Veronez: programação artística da CineOP 2018 destaca o tropicalismo e cena local

Mais de cinquenta anos se passaram desde que um movimento de ruptura sacudiu o ambiente da música popular e da cultura brasileira entre 1967 e 1968. O tropicalismo misturou manifestações tradicionais da cultura brasileira a inovações estéticas radicais. Foi consagrado e imortalizado, por exemplo, nas vozes de Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, Tom Zé, da banda Mutantes, […]

LEIA MAIS