Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Bastidores de Pinóquio: impressões e curiosidades sobre a peça da Cia PeQuod

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Pinóquio, montagem da Cia PeQuod, fica em cartaz até 28 de março no CCBB-BH

Por Carol Braga

“Que saudade os artistas estão do palco”. Essa foi uma das tantas reflexões que passaram pela minha cabeça enquanto via Pinóquio, a nova criação da companhia carioca PeQuod. A montagem foi planejada para comemorar os 20 anos de atuação do grupo. A pandemia – claro! – acabou adiando a festa mas de maneira alguma minimizou. 

O clássico do italiano Carlo Collodi foi adaptado por Tim Rescala e virou um musical. E mais: uma homenagem ao circo e aos artistas populares. Todos os personagens são clowns

A encenação criada por Miguel Vellinho aposta na teatralidade e deixa, assim, espaço para para a imaginação, principalmente das crianças. Por exemplo, a floresta se representa com ramos. O mesmo ocorre com todos os outros espaços percorridos por Pinóquio.

Teatro de Animação

Há 21 anos a Cia PeQuod se dedica ao teatro de animação. Sendo assim, tornou- se mais conhecida pelos trabalhos envolvendo bonecos. Em Pinóquio, no entanto, é o trabalho dos atores que mais se destaca. Percebe-se no corpo de cada um, movimentos que são característicos dos objetos. Ou seja: o boneco está na música e no corpo. Vale destacar, de maneira especial, as composições de Liliane Xavier e Mona Vilardo, respectivamente, como Pinóquio e o Grilo Falante. 

Além disso, é também curioso o fato de uma companhia de teatro, conhecida pelo trabalho com bonecos, decidir montar a história do boneco mais famoso do mundo apostando justamente no trabalho do ator. É uma escolha louvável. 

O elenco

Aliás, além de todos os atributos técnicos da montagem, o que mais me emocionou foi o vigor do elenco. O grupo que também é formado por  Maria Adélia, Marise Nogueira, Marcio Nascimento, João Lucas Romero e Santiago Villalba tem ritmo e intensidade de trocas no jogo teatral. Além de cantarem muito bem. 

Para quem a montagem é indicada? 

A história de Pinóquio é um campo aberto para interpretações e imaginações. Tem muita metáfora no clássico de Collodi. Ou seja, é capaz de emocionar espectadores de todas as idades. 

A montagem da PeQuod tem 100 minutos. Sendo assim, talvez crianças muito pequenas podem se cansar. Uma técnica que já utilizei muito com os sobrinhos foi despertar a atenção deles antes de ir ao teatro. Contar a história, comentar sobre as escolhas do Pinóquio, de modo que ao chegar na peça exista uma curiosidade maior para ver a recriação daquilo que já está na cabeça da criança. 

Agora, para os adultos, a dica é se deixar levar tanto pelo universo do clássico, prestando atenção na força que o teatro tem para nos oferecer espaços de criação. Vá e depois me conta se a montagem da Cia PeQuod é ou não um grande exercício de imaginação! 

Visita aos bastidores da Cia PeQuod

Espetáculo PinóQuio | Cia PeQuod Teatro de Animação

Local | Teatro I – CCBB BH, Praça da Liberdade, 450

Temporada | 04 a 28 de março de 2022, de sexta a segunda.

Sessões | sextas e segundas, às 19h e sábados e domingos, às 16h.

Sessão do dia 26/03 (sábado) conta com interpretação em libras e audiodescrição*

Ingressos | R$ 30 (inteira); R$ 15 (meia) na bilheteria do CCBB, de quarta a segunda, das 10h às 22h ou no site bb.com.br/cultura.

PinóQuio, da Cia PeQuod. Foto: Renato Mangolin.
PinóQuio, da Cia PeQuod. Foto: Renato Mangolin.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

[ COMENTÁRIOS ]

[ NEWSLETTER ]

Fique por dentro de tudo que acontece no cinema, teatro, tv, música e streaming!