fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Tradicional e adocicado Passageiros não empolga como ficção científica

Por Carol Braga

05/01/2017 às 11:10

Publicidade - Portal UAI

E aí, Passageiros é bom?

Como tudo na vida, depende do seu ponto de vista. O longa protagonizado por Jennifer Lawrence e Chris Pratt é diferente de todos esses projetos recentes envolvendo o espaço, tipo Interestelar, Gravidade, Perdido em marte. É muito tradicional dentro dos padrões dos gêneros de fantasia e romance por isso é bom reduzir as expectativas.

Claro que como todo filme de ficção, tem lá sua ostentação técnica. Mas neste caso ela acaba ficando em segundo plano já que o roteiro é bem despretensioso: o negócio é um romance água com açúcar que carrega embutida algumas questões relacionadas a ética e, principalmente, uma reflexão sobre nossa finitude o tempo. Ah, o tempo sim é um protagonista disfarçado.

Em linhas gerais o longa dirigido por Morten Tyldum (O jogo da imitação) nos leva para dentro de uma nave espacial, a Avalon. Lá estão mais de cinco mil pessoas hibernadas. Estão sendo transportadas de um planeta para o outro e a relação de tempo e espaço muda totalmente. Sabe quanto anos vão demorar pra chegar? 120 anos.

No meio do caminho a nave sofre um acidente e o mecânico Jim Preston, papel do Chris Pratt, acorda antes da hora. O que fazer?

Jennifer Lawrence e Chris Patt ficam perdidos no espaço em Passageiros. Crédito: Sony Pictures/Divulgação

Jennifer Lawrence e Chris Patt ficam perdidos no espaço em Passageiros. Crédito: Sony Pictures/Divulgação

A primeira parte do longa é a mais interessante já que aborda questões existenciais. Aquela coisa da filosofia embutida nas produções de ficção científica. Sozinho na imensidão, o personagem acaba trazendo à tona reflexões sobre solidão, sobre moral, sobre ética, sobre os limites do certo e errado. O único interlocutor dessas inconstâncias é o robô Arthur, feito pelo Michael Sheen.

Aí chega Aurora, personagem de Jennifer Lawrence.

Melhor não detalhar de que forma que ela aparece na trama para não estragar a surpresa de quem ainda não viu o filme. É inegável a química de JLaw e Pratt. Que casal bonito! E isso não deixa de ser o problema do filme. Passageiros vira um romance bem corriqueiro. Bonitinho, que distrai, mas não oferece nada a mais.

A crítica do New York Times disse que Passageiros sucumbe à timidez. Concordo. Aquele mix de questões existenciais, misturadas com os avanços e as possibilidades que a tecnologia ainda podem oferecer praticamente desaparece. A aposta é no clichê do gênero, ou seja, tem superação de limites, herói redimido, o domínio da inteligência artificial, o uso até imoral da tecnologia. Enfim, manual básico do gênero fantasia.

Nos quesitos técnicos, tudo é muito bem realizado. Há coerência na construção daquele mundo que gera um certo desconforto nos humanos. O contraste entre o real e o virtual está na tela.  A fotografia ajuda nisso… a paleta de cores de Passageiros puxa pro cinza… tudo é de inox por lá, um significado também de um mundo asséptico.

Entre os efeitos especiais, não tem grandes inovações. Uma cena é especialmente muito bonita e bem realizada. Também não vou falar para não estragar a surpresa.

Como o filme é bem tradicional, não é caso de comentar alguma particularidade das interpretações. Jennifer e Chris são bons atores e não fazem mais do que repetir isso… não tem grandes diferenças de outros papéis não.

Mas e aí, Passageiros vale a pena? Não é um grande filme mas rola para um momento de puro entretenimento.

photo

Cinema em VOD: alternativas para as salas fechadas?

Quando a produtora e diretora Joana Mariani elaborou o planejamento de distribuição do documentário Aeroporto Central, dirigido por Karim Aïnouz, escolheu o caminho tradicional. Assim, o longa que acompanha o isolamento de imigrantes no extinto Aeroporto de Tempelhof, em Berlim, estreou primeiro no mais famoso festival de lá, a Berlinale. Saiu com o prêmio da […]

LEIA MAIS
photo

Cinco atores marcantes na história do Coringa

Supervilão. É assim que a Wikipédia apresenta o Coringa. O personagem foi criado por Jerry Robinson, Bill Finger e Bob Kane. A primeira aparição – sempre apoteótica – foi em abril de 1940, na revista Batman #1, lançada pela DC Comics. Sim, ele é o arqui-inimigo do homem morcego. Aparece em diversos livros e listas como […]

LEIA MAIS
photo

O que faz o Festival de Cannes manter a sua relevância em 2019?

Festival de Cannes é sinônimo de glamour? Em termos, né? Quem trabalha lá sabe que o período é de muita ralação mas também muitas recompensas para os amantes da sétima arte. A 72ª edição começa nesta terça (14), como sempre levantando a onda de especulações. No caso do Brasil, mesmo com toda crise interna que […]

LEIA MAIS
photo

Mural gigante de Fhero colore ainda mais o centro de BH

Cada vez mais o centro de BH ganha cores diferentes. Depois que o projeto Cura iniciou o lindo trabalho de ocupar com arte diversas empenas da região, outras iniciativas semelhantes começam a surgir. Desta vez,  as paredes do Shopping Xavantes foram as escolhidas para ganhar novos tons. O artista convidado é uma figura singular: Fhero. […]

LEIA MAIS
photo

Vinho simplificado: La Vinicola abre segunda unidade no Buritis

Vinho descomplicado. Foi com essa proposta que os sócios Gustavo Cruz, Ramon Cruz, Victor Barbieri e Vitor Pacheco abriram o La Vinicola em Belo Horizonte. Primeiro, um espaço relativamente pequeno em Lourdes. Aos poucos, cresceu para a loja do lado. Agora, ganhou mais uma unidade no Bairro Buritis. Ou seja, sinal claro de que o […]

LEIA MAIS
photo

Preparamos uma lista com editais culturais abertos em maio

Se  você é um produtor de arte e deseja mostrar seu trabalho, fique atento. Alguns editais de propostas culturais estão abertos. O MUM abrirá espaços expositivos para aqueles que desejam mostrar seu trabalho. O período de inscrições começou dia 29 de abril e vai até 17 de maio. Aliás, as propostas devem estar envolvidas nas […]

LEIA MAIS