fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Por que o grupo Os Barões da Pisadinha faz tanto sucesso no Brasil inteiro?

Vertente do forró, a pisadinha nasceu em 2004 e colocou Os Barões da Pisadinha no topo das músicas mais ouvidas no Deezer na virada de 2020 para 2021

Por Jaiane Souza *

11/01/2021 às 09:04 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Foto: Marcelo Batista

A música Recairei, dos Barões da Pisadinha ficou no topo das mais tocadas na virada do ano na plataforma Deezer. Seguida por outros hits como Blinding Lights, de The Weeknd, Basta você me ligar, também dos Barões e Você tem meu WhatsApp, de Tarcísio do Acordeon, a faixa ajudou a colocar ainda mais em evidência um ritmo tipicamente nordestino, a pisadinha. Mas o sucesso dos Barões da Pisadinha e a ampliação do ritmo vem de anos de história. A pisadinha vem se desenvolvendo desde 2004 e é uma variação mais simples do forró, feita com teclado e voz apenas. 

“Surge a partir de uma certa precariedade, ou de uma simplicidade formal, porque é baseada no teclado”, explica GG Albuquerque, fundador e redator do Portal Embrazado e doutorando em Estéticas e Culturas da Imagem e do Som pela UFPE. O portal foca em pesquisa sobre os ritmos periféricos de diferentes cidades do Brasil. GG destaca, ainda, um dos pioneiros na pisadinha, o baiano Nelson Nascimento. O artista lançou o disco O rei da pisadinha Volume 1 em 2004, que foi gravado na casa de um amigo e distribuído de forma igualmente caseira. Contemporâneos a ele estavam outros nomes como Forró Boys, Zezo, Frank Aguiar e Lairton e seus Teclados. “Aos poucos a pisadinha foi se espalhando, Nelson Nascimento veio para São Paulo, tocou em casas de shows e eventos nordestinos e a música Fazer beber foi cantada por Gusttavo Lima e Neymar. 

Mas onde entram Os Barões da Pisadinha nessa história? Entenda como a banda, formada por Rodrigo Barão (voz) e Felipe Barão (teclado) em Heliópolis, na Bahia, ajudou a expandir a pisadinha. 

 

Sonoridade presente no imaginário e facilidade técnica 

“Principalmente no Nordeste, essa estética dos teclados é familiar. Mesmo que a pessoa não ouça deliberadamente, já ouviu de fundo em um restaurante um cara tocando bolero, seresta, forró ou qualquer outro gênero”, explica o pesquisador GG Albuquerque. Além disso, o teclado é relativamente barato. Nele os artistas conseguem tirar sonoridades de outros instrumentos.

Ou seja, lá no início, os artistas já compunham bandas inteiras apenas com o teclado. O que Os Barões da Pisadinha têm agora é um aprimoramento. “Existem mais dispositivos técnicos para fazer uma gravação melhor e o som dos Barões soa mais cheio e preenchido que o de Nelson Nascimento, por exemplo”, acrescenta GG. 

Repertório

Em segundo lugar, a escolha do repertório ajudou a projetar ainda mais a banda. “A música Tá rocheda, um dos maiores sucessos dos Barões da Pisadinha, já tinha sido sucesso dois ou três anos antes com MC Elvis do brega funk de Recife. Além disso, também gravada pela A Loba, banda de forró romântico do Ceará, bem aceita na ocasião. Então, tem uma pesquisa de repertório muito bem feita”, destaca Albuquerque. 

Fator contextual e temáticas

GG Albuquerque também frisa a importância do momento no qual cada gênero musical está inserido e a relação com os artistas. “Acho que a pisadinha como um todo, e liderada pelos Barões, trouxe um ar de simplicidade. Não como uma coisa menor, mas como algo mais divertido e mais identificável em um momento em que o forró estava mirando o sertanejo demais. Querendo atingir uma linguagem mais da música pop”, explica. Só para exemplificar, Wesley Safadão fez vários cruzeiros temáticos, como Roberto Carlos. Xand Avião, outro nome importante do forró e da pisadinha, realizou shows em grandes arenas e estádios. 

Além disso, a pisadinha trouxe à tona novamente, e de uma forma diferente, temáticas e sonoridades mais cotidianas e “pé no chão”. Principalmente de um público e população do interior do Nordeste. Com o tempo, as grandes bandas e artistas, como os já citados Wesley Safadão, Xand Avião, além de Márcia Fellipe, incorporaram a sonoridade da pisadinha em seus repertórios.

Sendo assim, podemos esperar cada vez mais a pisadinha presente nas rádios e nos streamings. Os Barões da Pisadinha são um nome forte, mas vários artistas cada vez mais estão chegando no mercado e sendo subsidiados pelos gigantes. Alguns deles são Eric Land e Zé Vaqueiro, que já se destacam na cena.

Barões da pisadinha

Capa do EP “Conquistas”. Crédito: Sony Music

photo

“Cor”, novo disco de Anavitória, tem nova sonoridade, mas não deixa de lado marca registrada da dupla

2021 começou com tudo para os fãs e para o duo Anavitória. Isso porque, já no primeiro dia do ano, a dupla formada por Ana Caetano e Vitória Falcão lançou o disco Cor. Este é o quarto álbum de Anavitória e chegou sem aviso prévio. Apenas a foto das duas um dia antes foi publicada […]

LEIA MAIS
photo

Empreendedorismo artístico? Sim, precisamos falar sobre isso! 

Já aconteceu de alguém te enxergar como você nunca conseguiu? Pois tenho um exemplo recente. Recebi o convite da querida amiga Daniela Vargas para participar do programa Brasil das Gerais, da Rede Minas, em Belo Horizonte. O tema era empreendedorismo artístico, uma discussão que, claro, muito me interessa.  Mas apesar de me interessar por essa […]

LEIA MAIS
photo

Curiosidades da carreira de Julia Quinn, autora dos livros que deram origem a Bridgerton

Bridgerton não é uma série para todo mundo. Ela é inteirinha dedicada aos românticos. O que eu não entendo é, se for verdade o que Vander Lee escreveu (e cantou) que os românticos são poucos, o que explicaria o sucesso da série da Netflix? Bem, é melhor reconhecer que o romantismo não entrou em extinção. […]

LEIA MAIS