Crédito: Carolina Braga
08 jan 2018

Orquesta Atípica de Lhamas abre VAC em grande estilo ao lado de Maria Alcina

 

A cantora Maria Alcina é mesmo um poder. Mas isso a gente já sabia há tempos. Por isso, a pergunta que fica depois da abertura do Verão Arte Contemporânea é: que potência é essa da Orquesta Atípica de Lhamas, minha gente?!?

A “cerimônia” de abertura do Verão Arte Contemporânea foi em grande estilo. Depois do atraso regulamentar, Paola Bracho apareceu no palco do Sesc Palladium para agradecer os patrocinadores, dar espaço para os gritos de #ForaTemer e depois chamar o que, para mim, foi a grande revelação da noite.

A Orquesta Atípica de Lhamas levou 14 artistas para o palco. Eles são integrantes de diversas bandas, grupos de teatro e blocos de carnaval da cidade. Da mistura de ICONILI, Pequena Morte, A Fase Rosa, Djalma Não Entende de Política, Frito na Hora, Chama o Síndico, Roda de Timbau, Juventude Bronzeada, Alcova Libertina, Couro Encantado e Trampulim sai um som de genuína latinidade, um astral impressionante.

Liderada pela cativante Claudia Manzo logo na segunda música a Orquestra tinha o público que lotou o Sesc Palladium nas mãos. E olha que boa parte do repertório não é assim tãaaao popular para nosostros. Foi uma hora de show, com participação dos bailarinos da Cia Café com dança, até que Maria Alcina apareceu.

O repertório da primeira parte passou por clássicos da música latino-americana. Foi uma salada mista de ritmos liderados pela cumbia. Deve ter tido algo de bachata, samba, mambo, chá chá chá, rumba, conga, merengue misturado com carimbó de Dona Onete e a aparelhagem de Gaby Amarantos.

 

 

E que aparição!

A cantora nascida em Cataguases (MG) surgiu do elevador do fosso da Orquestra. A plateia foi à loucura. Juntos, tocaram três canções de Caetano Veloso, compositor que norteia o último trabalho de Alcina.

Com o figurino nas cores do Então, brilha, o tradicional bloco belo-horizontino, Maria Alcina olhava para a plateia e não parava de agradecer. Levantou a saia, brincou, pulou e, principalmente, cantou muito. Que vozeirão!

Marcelo Veronez se juntou à galera. Como não poderia ser diferente, Fio Maravilha, canção que Maria Alcina defendeu no Festival Internacional da Canção de 1972, encerrou a noite.

Depois de tudo o que vimos no Sesc Palladium, nos resta desejar vida longa à Orquesta Atípica de Lhamas. Queremos saber mais sobre vocês e ter outros encontros como o da abertura do VAC!

 

 

Continua após a publicidade

 

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Fãs e críticos listam cinco motivos para ir ao show de Roger Waters em BH

Roger Waters desembarca em BH no dia 21 de outubro com a já polêmica turnê ‘Us + Them’. Sendo assim, montou setlist com canções mais conhecidas do Pink Floyd e novas de seu trabalho solo. Uma apresentação que promete ser política, inesquecível e emocionante. O Culturadoria conversou com fãs e críticos de música para apontar […]

Leia Mais

Somos feitos de sonhos: prova da importância da arte para a cidadania

Por mais que não existam dúvidas do quanto uma sociedade com cultura forma cidadãos mais sensíveis, muitas vezes o valor da arte no cotidiano é intangível. Quem dá aula de dança para comunidades, por exemplo, dificilmente saberá o impacto real que causa na vida de cada aluno, embora tenha certeza do benefício. É por isso […]

Leia Mais

“Me considero um artesão”, diz Toquinho que faz show em BH para crianças

Toquinho vem a Belo Horizonte parta participar do Festival Somos Comunidade, que comemora os 15 anos de atividades do Instituto Unimed-BH. Enquanto finaliza uma turnê pela Itália, responde, gentilmente, algumas perguntas que enviamos para ele. Toquinho comemorou 50 anos de carreira com lançamento de CD e DVD. Nesta entrevista ele se diz um artesão da […]

Leia Mais

Comentários