Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Orgulho LGBTQIA+: 5 álbuns de artistas LGBTs para que todo mês seja de orgulho.

Gostou? Compartilhe!

Junho terminou, mas é sempre bom lembrar que o respeito e inclusão, além do apoio à artistas LGBTQIA+, deve acontecer todos os dias

Por Maria Lacerda e Gui Silva | Culturadores

Junho é considerado internacionalmente como o Mês do Orgulho LGBTQIA+. O período, que culmina no Dia do Orgulho LGBTQIA+, comemorado há 53 anos em 28 de junho, é uma homenagem à luta organizada pelos direitos da comunidade.

A escolha da data tem relação com a Rebelião de Stonewall, que aconteceu em 28 de junho de 1969 em Nova York. Uma abordagem policial violenta no bar gay Stonewall Inn foi a gota d’água contra os anos de perseguição e violência nos espaços de convivência de pessoas LGBTQIA+. Foi o início de uma luta, que até hoje é relembrada.

Desde então, o mês de junho é marcado por discussões sobre os direitos da comunidade LGBTQIA+, além de ações afirmativas como eventos e paradas. Mas, a mensagem deste texto é que, mesmo com o fim de junho, a atenção para o respeito, aceitação e inclusão de lésbicas, gays, bisexuais, transexuais, travestis, pessoas queer, intersexo ou agênero e assexuais ou arromânticos deve ser relembrada todos os dias.

Por isso, o Culturadoria selecionou uma lista especial de 12 álbuns de artistas que fazem parte da comunidade LGBTQIA+, dando destaque à uma nova geração que grita, canta, defende seus direitos – e está revolucionando a música ao redor do globo.

Orgulho LGBTQIA+: 5 álbuns de artistas LGBTs para que todo mês seja de orgulho. Foto: João Arraes
Orgulho LGBTQIA+: 5 álbuns de artistas LGBTs para que todo mês seja de orgulho. Foto: João Arraes

FÚRIA – Urias (2022)

Trazendo um álbum curto, mas bastante coeso, Urias entrega uma estreia com o pé na porta. Desde a dor e realidade do afeto para pessoas Trans em “Tanto Faz”, até a eletrizante e com versos sinceros em “Pode Mandar”. Tem, ainda, a balada romântica de “Foi mal”. Urias veio pra ficar, e ela não está de brincadeira.

Pirata – Jão (2021)

Depois do enorme sucesso de “Imaturo” e do completo álbum “Lobos”, e uma viagem á tristeza em “ANTI-HERÓI”. Jão volta a entregar conceito, e em um equilíbrio de Lobos e Anti-Herói. Com letras despretensiosas e bem fofas em “Idiota” e a sinceridade em “Não te amo”, tudo isso com ritmos bem dançantes e divertidos.

LADY LESTE – Gloria Groove (2022)

Glória faz uma homenagem á musicalidade brasileira. Sendo assim, passa pelo funk com “SFM” com o MC Hariel e “VERMELHO”, contendo um refrão de “Mina de Vermelho” do MC Daleste. Tem, ainda, o pagode com Sorriso Maroto na faixa “TUA INDECISÃO” passando pelo Pop suave em “APENAS UM NENÉM” com Marina Senna. Em resumo: “LADY LESTE” já nasceu se tornando um clássico instantâneo.

SAWAYAMA – Rina Sawayama (2020)

Recentemente colaborando com Pabllo Vittar na faixa single “Follow Me”, Rina Sawayana foi a maior surpresa de 2020. Mistura o Pop e o Rock de uma maneira nunca vista antes, com riffs de guitarra pesados na faixa “STFU!”, e um violão em clara referencia á “Im Slay 4 u” de Britney Spears na faixa “XS”. O álbum “SAWAYANA”, transporta Rina pra o mundo pop com incrível autenticidade.

Doce 22 – Luisa Sonza (2021)

Passando por um 2019 – 2020 bem conturbado, com o término de um relacionamento, e um hate absurdo nas redes sociais, Luísa Sonza deu a volta por cima. “Doce 22”, por exemplo, inclui a interna dor e conflitos da artista na tocante “Penhasco”. Tem faixas de funk que grudam na cabeça como “MODO TURBO”, parceria com com Anitta e Pabllo Vittar e “CAFÉ DA MANHÃ ;P” com Ludmilla. Luísa Sonza, mostra que tudo que conseguiu foi por força e talento próprio.

Gostou? Compartilhe!

[ COMENTÁRIOS ]

[ NEWSLETTER ]

Fique por dentro de tudo que acontece no cinema, teatro, tv, música e streaming!