fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Conheça O Andarilho: bar no Mercado Novo que reinventou o jeito de tomar licor

No local são servidos coquetéis, shots e doses com 45 tipos de licores mineiros

Por Thiago Fonseca *

07/02/2020 às 10:09 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Foto: Gustavo Andrade / Divulgação

Desde que se instalou no segundo andar do Mercado Novo, em dezembro, o Andarilho, tem feito o maior sucesso. Isso porque o estabelecimento é focado em licor. E mais: coquetéis preparados com a bebida. Algo diferente. Sendo assim, é o único do segmento em Belo Horizonte. São 45 licores que carregam sabores típicos de várias regiões de Minas.

A ideia de montar o bar veio dos sócios Gustavo Ávila e Rodrigo Ribeiro. “Morei um tempo na Alemanha e lá tem a cultura do licor em vários formatos em bares e restaurantes.  Achamos bem interessante e percebemos que em Minas teria espaço para algo parecido”, conta Gustavo

O ambiente é decorado como se fosse um armazém antigo com objetos que remetem à diferentes regiões do estado. Segundo Gustavo, assim como o nome, a decoração foi inspirada em Minas Gerais.  No Andarilho, a bebida é servida de três formas: coquetéis, que variam entre R$ 15 e R$ 16; os shots, que vão de R$ 8 a R$ 10; e as doses, que custam R$8. A degustação pode ser feita dentro do bar ou nos corredores do Mercado. A casa funciona de quarta a sexta-feira, das 18h à meia-noite; sábado, das 12h à meia-noite; domingo, das 12h às 18h.

Para todos os gostos

Os coquetéis são o trunfo do bar. São sofisticados e envolvem diversas iguarias. Como por exemplo, o Chá das Seis. Leva licor de 19 ervas aromáticas (Faria Lemos), licor de mexerica (Belo Horizonte), vodca (Betim), limão e hortelã (feira do Mercado Novo).  Tem ainda, o Gabriela e Sua Mula, que adiciona licor de cravo e canela (também de Betim) à receita do conhecido Moscow Mule.

Os shots aliam combinações exóticas de bebidas à beleza da apresentação que essa mistura provoca. São 33 opções divididas em relação à graduação alcoólica, indo desde os mais doces e leves (Banana Bread – licor de avelã, licor de banana, vodca e canela) aos mais fortes (Bola de fogo – Licor de curaçao blue, licor de frutas vermelhas e licor Red Bullet de abacaxi; Capetão do Mato – Licor de limão capeta, Licor de whiskey com canela, Rum e Tabasco).

Já as doses são servidas geladas em copos de 50 ml e o cliente tem a opção de escolher um acompanhamento. Tem queijo canastra com molho de jabuticaba, mix de frutas secas, mix de castanhas ou chips de banana. A carta de doses oferece 45 tipos e a ideia é que seja atualizada sazonalmente, sempre abrangendo todas as regiões do estado. E tem para todos os gostos: mais doces (Frutas Vermelhas), mais amargos (Ervas) ou mais viscosos (Pequi).

 

Ambiente é tematizado de acordo com a proposta do estabelecimento – Foto: Gustavo Andrade / Divulgação

O licor

O licor é uma maceração de álcool neutro de cereais ou outros destilados, com alta concentração de açúcar – cerca de 250 gramas por litro. Aperitivo ou digestivo, é normalmente consumido antes ou após a refeição, acompanhando um tira-gosto ou fazendo companhia a uma sobremesa ou café.

Um dos grandes objetivos da casa é se tornar referência e um local para o qual produtores de licores mineiros possam levar seus produtos, funcionando também como uma distribuidora da bebida. Nesse sentido, caso o cliente goste muito de um deles, também tem a opção de levar a garrafa para casa. Elas variam de R$ 27 a R$ 155.

[O QUE] Bar O Andarilho [QUANDO] Quarta a sexta, 18h às 24h; sábado, 12h ás 24h e domingo, 12h ás 18h [ONDE] Mercado Novo –  Av. Olegário Maciel, 742, Centro – BH – 2º andar, corredor 2, lojas 2015 e 2016

photo

Cinco pontos sobre Dois Papas, de Fernando Meirelles

Apesar de ser um dos grandes filmes da temporada de prêmios, acho difícil que Dois Papas consiga alguma vitória. Mas não acredito que o filme tenha sido feito para isso: ganhar prêmios. Afinal de contas, se tem alguém premiado nessa parada somos nós, espectadores, que temos a oportunidade de refletir sobre questões tão importantes do nosso tempo […]

LEIA MAIS
photo

Sexta pode: Uluru do brunch ao almoço executivo

Primeiro uma cafeteria. Ok, já com muita personalidade no que servia e principalmente na forma como servia. Louças coloridas, cores sempre ativas. Logo veio o brunch e assim o Uluru foi ampliando a fama na cidade. Quem ainda não se permitiu tomar aquele café da manhã tardio, com direito a ovos beneditinos e pudim de […]

LEIA MAIS
photo

Sexta pode: Tropicália serve pizza em ambiente descolado no Prado

Imagine que você combina de almoçar com a sua equipe de trabalho. Porém, na hora que vocês chegam ao restaurante planejado, um bilhetinho na porta dá uma notícia inesperada. Agora o atendimento somente a partir das 17h30. Nos restou procurar outro local. Mas nem precisamos andar muito. Logo na primeira esquina, na Rua Lagoa Dourada, […]

LEIA MAIS