fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

O primeiro homem: experiência com grife Damien Chazelle

Por Carol Braga

18/10/2018 às 15:12

Publicidade - Portal UAI
Foto: Divulgação

Não há dúvidas de que o diretor de O primeiro homem, Damien Chazelle, é um garoto prodígio. Aos 33 anos ele já recebeu três indicações ao Oscar e tem uma estatueta em casa pela direção de La La Land (2016). Mas não é isso que faz dele um jovem cineasta fora da curva. É o desejo constante de buscar outros caminhos de linguagem para o cinema. Pelo menos é o que ele tem feito desde que estreou na indústria com Whiplash: em busca da perfeição (2014).

No filme que abordou a obsessão de um músico de jazz pela perfeição, o que me chamou a atenção foi a velocidade das imagens e como somos tragados para dentro da relação doentia entre mestre e aprendiz. La La Land – que é um filme bonitinho mas foi incensado mais do que deveria – alcança o mesmo feito. O diferencial está na forma de filmar, naqueles planos sequências intermináveis que me fez perguntar como o diretor teria feito aquilo.

Pois ao sair da sessão de O primeiro homem, marcou muito mais os planos e escolhas de direção do que a história contada. Ok, tudo bem que é uma trama que todo mundo sabe como termina. Como é a cinebiografia de Neil Armstrong, o planeta inteiro sabe que ele esteve na lua, deu uma voltinha por lá e voltou são e salvo.

 

Foto: Universal Pictures/Divulgação

 

Elenco

Ryan Gosling foi o escolhido para viver Neil Armstrong. Ele também estava em ‘La La Land’ mas aqui a carga dramática é bem maior. O personagem é um homem com grandes dificuldades em expressar emoções. Tem que ser um ator muito bom para fazer isso sem parecer forçado. No papel da esposa, Claire Foy, mais conhecida como a Rainha Elizabeth nas duas primeiras temporadas de The Crown. Ela é ótima e também craque em interpretar gente que não pode sair demonstrando emoção por aí.

O roteiro acrescenta um pouco de drama à história do homem que deu o grande passo para a humanidade. Isso vem da relação que ele estabelece com a família, com os filhos. A dificuldade em lidar com emoções e sentimentos. No entanto, esses elementos não se sobrepõem ao episódio mais conhecido da vida dele: a viagem à lua.

Aventura

É nestas sagas para a Lua que Damien Chazelle solta todo o seu desejo de experimentação. A câmera é muito – muito mesmo! – próxima dos atores. Vi o longa em uma sala IMAX, isso significa que câmera tão perto gera sensações em quem assiste. Fiquei tonta, por exemplo. É nesse lugar, da experiência do espectador, que acredito estar a maior fonte de pesquisa de Chazelle.

A fotografia do filme apresenta uma transição interessante. No início, as imagens são bem mais granuladas. Sabe quando você pegar aquela imagem antiga de VHS e parece que ela tem uma textura diferente? Então, é assim. Mas a medida que a história vai avançando, a tecnologia e, portanto, a fotografia também vai se transformando.

Grande parte do longa é ocupada pelos erros e acertos desse grande feito. Uma questão que o filme discretamente levanta foi o tanto de gente que precisou morrer até que a operação fosse bem-sucedida. Nesse processo histórico, portanto, teve conquista sim mas também muita dor.

 

[youtube modulo=”2″]IHuQSTPQY6E&t=10s[/youtube]

photo

CineOP: Precisamos falar sobre preservação dos arquivos digitais

A CineOP, Mostra de Cinema de Ouro Preto vem há 12 anos colocando as discussões sobre a preservação audiovisual em destaque. É curioso observar como até mesmo o debate em torno desse tema também evoluiu ao longo da última década. Se no início os processos de recuperação de películas históricas do cinema brasileiro dominavam as […]

LEIA MAIS
photo

Exposição na Casa Fiat de Cultura destaca o existencialismo na arte contemporânea da Itália

É claro que as obras contemporâneas em exposição no terceiro andar da na Casa Fiat de Cultura chamam atenção. Imagina, quem não vai reparar uma quantidade significativa de conduítes misturados a duas cadeiras penduradas no teto ou então grandes tecidos coloridos que se esparramam pela parede? No entanto, ao visitar a mostra com os trabalhos […]

LEIA MAIS
photo

Bohemian Rhapsody surpreende no Globo de Ouro 2019

Foi uma noite que começou com poucas surpresas mas que rolou um revertério do meio para final. Principalmente nos prêmios entregues nas categorias de filmes. No fim das contas, os grandes vencedores foram Bohemian Rhapsody, Green Book: o guia e Roma. Entre as séries, destaque para o reconhecimento da novata O método Kominsky. O Globo […]

LEIA MAIS