fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

O primeiro homem: experiência com grife Damien Chazelle

Por Carol Braga

18/10/2018 às 15:12

Publicidade - Portal UAI
Foto: Divulgação

Não há dúvidas de que o diretor de O primeiro homem, Damien Chazelle, é um garoto prodígio. Aos 33 anos ele já recebeu três indicações ao Oscar e tem uma estatueta em casa pela direção de La La Land (2016). Mas não é isso que faz dele um jovem cineasta fora da curva. É o desejo constante de buscar outros caminhos de linguagem para o cinema. Pelo menos é o que ele tem feito desde que estreou na indústria com Whiplash: em busca da perfeição (2014).

No filme que abordou a obsessão de um músico de jazz pela perfeição, o que me chamou a atenção foi a velocidade das imagens e como somos tragados para dentro da relação doentia entre mestre e aprendiz. La La Land – que é um filme bonitinho mas foi incensado mais do que deveria – alcança o mesmo feito. O diferencial está na forma de filmar, naqueles planos sequências intermináveis que me fez perguntar como o diretor teria feito aquilo.

Pois ao sair da sessão de O primeiro homem, marcou muito mais os planos e escolhas de direção do que a história contada. Ok, tudo bem que é uma trama que todo mundo sabe como termina. Como é a cinebiografia de Neil Armstrong, o planeta inteiro sabe que ele esteve na lua, deu uma voltinha por lá e voltou são e salvo.

 

Foto: Universal Pictures/Divulgação

 

Elenco

Ryan Gosling foi o escolhido para viver Neil Armstrong. Ele também estava em ‘La La Land’ mas aqui a carga dramática é bem maior. O personagem é um homem com grandes dificuldades em expressar emoções. Tem que ser um ator muito bom para fazer isso sem parecer forçado. No papel da esposa, Claire Foy, mais conhecida como a Rainha Elizabeth nas duas primeiras temporadas de The Crown. Ela é ótima e também craque em interpretar gente que não pode sair demonstrando emoção por aí.

O roteiro acrescenta um pouco de drama à história do homem que deu o grande passo para a humanidade. Isso vem da relação que ele estabelece com a família, com os filhos. A dificuldade em lidar com emoções e sentimentos. No entanto, esses elementos não se sobrepõem ao episódio mais conhecido da vida dele: a viagem à lua.

Aventura

É nestas sagas para a Lua que Damien Chazelle solta todo o seu desejo de experimentação. A câmera é muito – muito mesmo! – próxima dos atores. Vi o longa em uma sala IMAX, isso significa que câmera tão perto gera sensações em quem assiste. Fiquei tonta, por exemplo. É nesse lugar, da experiência do espectador, que acredito estar a maior fonte de pesquisa de Chazelle.

A fotografia do filme apresenta uma transição interessante. No início, as imagens são bem mais granuladas. Sabe quando você pegar aquela imagem antiga de VHS e parece que ela tem uma textura diferente? Então, é assim. Mas a medida que a história vai avançando, a tecnologia e, portanto, a fotografia também vai se transformando.

Grande parte do longa é ocupada pelos erros e acertos desse grande feito. Uma questão que o filme discretamente levanta foi o tanto de gente que precisou morrer até que a operação fosse bem-sucedida. Nesse processo histórico, portanto, teve conquista sim mas também muita dor.

 

[youtube modulo=”2″]IHuQSTPQY6E&t=10s[/youtube]

photo

Documentário sobre Guardas de Congado encanta Tiradentes

“Estou confiante que estou vencendo a guerra”. Foi assim que Isabel Casimira Gasparino abriu o debate sobre o filme A Rainha Nzinga chegou. Ela também é protagonista documentário que dirigiu em parceria com Júnia Torres e foi ovacionado após a sessão na Mostra Aurora, na noite de quarta (23). As palmas se confirmaram durante a […]

LEIA MAIS
photo

O Rei do Show: a incansável busca pela aceitação social em ritmo dançante

  A noite em que Hugh Jackman apareceu para apresentar o Oscar de 2009 foi um divisor de águas na forma como eu percebia o ator. Até então, o australiano era Wolverine e ponto. Acontece que, quem se lembrar há de concordar comigo, Jackman dançou, sapateou e sambou na cara dos apresentadores mais chatos da […]

LEIA MAIS
photo

Por que o filme “No Coração do Mundo” prova o amadurecimento do cinema mineiro?

Outro dia ouvi no podcast Mamilos de férias uma curiosa categorização para os filmes. Há os “batata frita”, fast-food e aqueles que realmente alimentam o espectador de alguma forma. Para você saber se acaba de ver um ou outro, o exercício é simples. Se nunca mais pensar no que assistiu, foi batata frita. No Coração […]

LEIA MAIS
photo

Por que você deveria ver os dois filmes mineiros que acabaram de chegar na Netflix?

Quem acompanha o cinema nacional tem vivido uma montanha russa de emoções no noticiário especializado, né? Um dia rola uma notícia terrível sobre a paralisação da liberação de verbas na Ancine. No outro, quatro filmes nacionais são anunciados na programação do Festival de Cannes. É esse tipo de informação que a gente prefere fazer circular […]

LEIA MAIS
photo

Design italiano é tema de mostra na Casa Fiat de Cultura

Carros, sofás, luminárias, utensílios domésticos, esculturas. Você pode até não perceber mas a sua vida é rodeada de desing. Por toda parte. É justamente de objetos pensados para um uso cotidiano e que depois se transformaram em arte que é feita a exposição que ocupa a Casa Fiat de Cultura até 03 de novembro. A […]

LEIA MAIS
photo

Se você ainda não começou, por que deveria ver La Casa de Papel?

Nove dos melhores ladrões da Espanha são convocados por um professor para assaltar a Casa da Moeda do país. O objetivo? Fabricar o próprio dinheiro e ter mais de seis dígitos na conta bancária. Eles estão em busca do “assalto perfeito”. A série de televisão La Casa de Papel foi produzida, inicialmente, para o formato […]

LEIA MAIS