Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Nicolau: 5 petiscos para conhecer o Bar do Ano, comandado pelo chef Leo Paixão

Gostou? Compartilhe!

Estabelecimento, Nicolau em BH foi eleito em concurso da Prazeres da Mesa e traz uma mistura de Minas com pitadas internacionais, sobretudo do México

Aline Gonçalves | Colunista Gastronomia

O Nicolau, estabelecimento comandado pelo chef Leo Paixão, em Belo Horizonte, recebeu uma premiação importante nesta semana: ganhou como Bar do Ano pela revista Prazeres da Mesa, principal publicação gastronômica do país – Leo ainda faturou, pelo Glouton, como Restaurante do Ano, e outro mineiro, o Pacato, de Caio Soter, ganhou como novidade. 

Neste texto o foco é o Nicolau. Afinal, quais os diferenciais deste bar para outros de BH, que se orgulha de ter o apelido de capital dos botecos?

Para quem ainda não conhece, veja lista com 5 petiscos que definem o estabelecimento:

– Torresmo de barriga, sweet chilli (R$ 59). Bar mineiro que se preze precisa ter um bom torresmo, e esse vale a pena

– Croquete de rabada com aioli (R$ 48). Presente desde o início, o petisco vem com uma das carnes em que Leo é especialista até no preparo para cozinha sofisticada

– Quiabos em tempurá de cerveja (R$ 42). Tira-gosto que já virou tradicional no menu do Nicolau: um vegetal com a cara de Minas aliado à uma técnica internacional

– Taquitos crocantes de carne de panela (R$ 48). Após uma reformulação do cardápio, foram incluídas opções de tex-mex nos últimos meses. Os taquitos são servidos em quatro versões, incluindo vegetariana

– Quesadillas de porco com queijo (R$ 48). Também opção de tex-mex, traz a carne mais consumida em Minas Gerais.

Bônus: Para acompanhar, vale pedir a guacamole (R$ 29), que vem com nachos feitos com milho criolo. 

Taquitos crocantes de carne de panela do bar Nicolau. Foto: Rubens Kato/Divulgação
Taquitos crocantes de carne de panela do bar Nicolau. Foto: Rubens Kato/Divulgação

Gastrobar

Antes desse menu, o Nicolau contou com pratos para o almoço, mas o chef foi realizando mudanças que deixaram o local mais fiel a um gastrobar – o funcionamento agora é apenas noturno, inclusive. Hoje, o menu tem diversidade, apesar de não ser tão extenso. Fora os petiscos citados e outros, há ainda opções de sanduíches (como o de pastrami, com queijo e salsa verde, a R$ 48), por exemplo, e duas sobremesas.

Além disso, drinks e o imóvel ocupado são outros destaques do Nicolau, que tem esse nome em homenagem a um cachorrinho, do qual Leo foi tutor. Na parte de bebidas, os coquetéis seguem a linha MG – México, a exemplo da Michelada (R$ 31), chope Stella, tequila Altos, limão e sal e da Caipirinha Três Limões (R$ 31), cachaça, limão-taiti, limão-cravo e siciliano. Também são boas pedidas a Caipi Maracujá Baunilha (R$ 33), Absolut Vanilla, maracujá, manjericão, e o clássico Moscow Mule (R$ 33), vodca, ginger ale, espuma de gengibre, executado com primor.

A casa, aberta em 2018, mas que ficou praticamente fechada por dois anos em função da pandemia, ocupa um conjunto de imóveis históricos, remodelados pelo arquiteto Gustavo Penna, em uma esquina movimentada de dia, mas bem tranquila à noite, a alguns quarteirões da principal praça do bairro Santa Tereza, famoso em BH por sua boemia tradicional. Todas as mesas estão na parte interna, cuja decoração traz elementos industriais, mas também há objetos típicos das mercearias dos interiores de Minas Gerais. Há mesas altas, outras baixas, em harmonia com as amplas janelas. Vale a pena reservar ou ter paciência para esperar na fila.

Nicolau, Bar da Esquina. Rua Pouso Alegre, 2,217, Horto

@nicolaubardaesquina

Preços consultados no site do estabelecimento em junho de 2022 e sujeitos à alteração

Gostou? Compartilhe!

[ COMENTÁRIOS ]

[ NEWSLETTER ]

Fique por dentro de tudo que acontece no cinema, teatro, tv, música e streaming!